OITO POEMAS DE VANESSA RATTON | PROJETO 8M



fotografia do arquivo pessoal da autora 


8M (*)

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
'Dias mulheres virão', 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)

Mergulhe na poesia sempre sensível de VANESSA RATTON:


CIDINHA

Cinco da manhã, Cidinha
deixa a comida pro filho no fogão,
e na geladeira quase vazia,
fica também o coração. 

Sai da favela, pega a condução 
Ônibus lotado, não passa a mão não!
Vai pro trabalho na casa da patroa
Faxina, cozinha, lava-passa, e passeia com a cachorra.

Todo dia
é a mesma sina.
E calada eu penso
como pena essa menina!

Mas, de noite, não sente mais cansaço,
depois que o filho lhe dá um abraço. 
No final do mês vem a missão,
de com o mínimo fazer o máximo.

(* poema da Antologia de Poesias Mulherio das Letras)

-*-


poema-imagem do arquivo pessoal da autora 

-*-


SILÊNCIO!

Preciso de paz.
Quero me ouvir,
não sinto mais minha presença. 
Tento manter o plano traçado
e percebo que de tanto continuar
não sei mais tanto sobre mim.
Quero parar de estar no controle
Simplesmente me deixar fluir
Sem medo, sem rumo,
chegar à essência 
me perder para achar o sentido.

(* poema da 2a. Coletânea Poética Mulherio das Letras)

imagem do Pinterest 
-*-


A PAZ

Quantas histórias cabem dentro da palavra PAZ?
De A a Z, amor, compaixão e acolhimento
Perdão, respeito, liberdade, justiça 
compaixão, igualdade e direito.

Cada um de nós sabe o que lhe dá paz
e o que tira a sua tranquilidade 
mas de certo, todos sabemos
que Paz se conquista e não é com passividade.

A paz que buscamos tem que ser verdadeira
sem violência de qualquer maneira.
A minha PAZ tem
Perdão 
               muito Amor
                                      e é preciso se estar Zen

Encontre a tua buscando o que te faz bem.

(* poema de Conexões Atlânticas - Antologia I)

imagem do Pinterest 
-*-


ANDARILHA

Tenho medo de andar por aí
e me encontrar.
Tenho medo de me perder de mim
porque gosto demais de ser
o que nunca fui.

Eu andarilha
vou atrás de mim
preciso desse encontro.

Uns dias de solidão...
Umas noites de perdição!
Ah! Eu ainda me curo
de mim!

(* poema da Coletânea Elas e as Letras)

imagem do Pinterest 
-*-


MEUS VERSOS

Quando escrevo
não penso em métrica ou rima
apenas semeio a palavra
que no pensamento germina.

No meio das frases,
vou colhendo uns versos,
aparando o ritmo,
podando os nexos.

De repente,
brota um poema
rompendo a mente e o coração. 
Não me peças a receita,
só sei escrever à mão!

(* poema da Coletânea Elas e as Letras)

imagem do Pinterest 
-*-


SOBRE VIVER OU SOBREVIVER?

Comida ou sobra pra viver.
   Se tem gente com fome, dá de comer.
Esperança é sobre viver.
   Se tem gente com fome? Dá de comer!
Luto ou sobrevida é de doer.
   Se te gente com fome... dá de comer...
Indignação nos faz só bem viver.
   Se tem gente com... fome! Dá de comer?
O outro é digno de só sobreviver?
   Se tem? Gente com fome... Dá! De comê.

Na escolha de só com brio viver...
   Se tem gente com fome, dá de comer...
Ouve meu clamor, é sobre viver:
   Se tem... gente? Com fome, dá de comer!
Resiliência é sóbrio viver.
   Se tem gente com: fome. Dá de comer.
Invisíveis não sonham sobre viver.
   Se tem gente com fome: DÁ DE COMER!!!!"

(* poema da Antologia Literária Célio Nori)

imagem do Pinterest 
-*-


poema-imagem do arquivo pessoal da autora 

-*-

(*) 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas', iniciado em março/2021, por Nic Cardeal.



fotografia do arquivo pessoal da autora 


VANESSA Campos RATTON Ferreira é natural de Santos/SP e reside em Guarujá/SP. É graduada em Jornalismo, mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP, e  especializada em Teatro Brasileiro e Psicopedagogia. 
É professora, jornalista, psicopedagoga e escritora. Dirigiu vários espetáculos de teatro. Autora de teatro e literatura infantojuvenil sob o pseudônimo de Tatá Bloom. Foi vencedora do 'Mapa Cultural Paulista', por Santos, em 2016, e do 'Prêmio Pérolas da Poesia de Guarujá'. Finalista da Fliporto, e finalista do 'Prêmio Barco a Vapor', 19a. Edição, 2023, com o livro 'Os Meninos da Escolástica'. Criou e coordenou o 'Concurso de Poesias do Jornal Diário do Litoral', em Santos/SP. É uma das fundadoras da 'Academia de Letras de Guarujá'. 
Atua como assessora literária independente. Foi diretora da 'Escola do Legislativo de Guarujá'. Colunista de Literatura em jornais e revistas e criadora do blog de literatura infantil e juvenil www.tapetemagico.com.br. É diretora e editora da 'Amare Livros'. Integrante do movimento 'Mulherio das Letras' desde a sua criação, em 2017.

Livros publicados: O ratinho que não gostava de queijo (infantil, Rio de Janeiro/RJ: Editora Multifoco, 2014); Um vizinho muito especial (infantil, e-book Kindle, 2016); Uma menina detetive e a máfia italiana (infantil, Santos/SP: Trejuli Editora, 2018); Nos mares do mundo (infantil, Londrina/PR: Madrepérola Editora, 2018); Um dia de paz restaurativa (infantil, com Lili Rezende, Santos/SP: Amare Livros, 2020); Encontros à hora morta (juvenil, com Maria Valéria Rezende, Londrina/PR: Editora Florear Livros, 2020); Quando a lua é cheia (juvenil, Pinheiral/RJ: Editora Pantograf, 2021); O coração da selva (infantil, com Selma Lara, Santos/SP: Amare Livros, 2021); O sapo não lava o pé? (poesia infantil, Santos/SP: Amare Livros, 2021); O que é que tem na cabeça? (infantojuvenil, São Paulo/SP: Elo Editora, 2023); Os meninos da Escolástica (infantojuvenil, 2023); entre outros.

Participação em antologias e coletâneas: Antologia dos Poetas Caiçaras (coletânea de poesias, criadora do concurso e org. da antologia, São Paulo/SP: Editora Baraúna, 2010); Antologia de Poesias Mulherio das Letras (organizadora e participante, São Paulo/SP: Costelas Felinas, 2017); Com o pé na terra (coletânea de contos, org. Katia Gilaberte e Patrícia Vasconcellos, Cabreúva/SP: Caledoscópio Editora, 2018);  2a. Coletânea Poética Mulherio das Letras (organizadora e participante, São Paulo/SP: ABR Editora, 2018); Conexões Atlânticas - Antologia (org. Adriana Mayrinck, Lisboa-PT: In-finita, 2018); Coletânea Elas e as Letras (org. Aldirene Máximo & Jullie Veiga, São Paulo/SP: Versejar Edições Literárias, 2018); I Coletânea Contos & Poesias Mulherio pela Paz (organizadora, com Alexandra Magalhães Zeiner, São Paulo/SP: ABR Editora, 2018); Histórias (mal) cheirosas (antologia de contos, Santos/SP: Trejuli Editora, 2018); Sou Mulher, logo Existo! Amor, Liberdade, Luta e Resistência  - 3a. Coletânea de Poesias e Prosas Mulherio das Letras (organizadora e participante, São Paulo/SP: ABR Editora, 2019); Meus primeiros versos (diversas autoras, coletânea de poemas infantis, org. Vanessa Ratton, e-book Kindle, selo Mulherio das Letras, 2019); Poesia & prosa em casa - desafio literário para vencer o isolamento na Pã Demia (org. Vanessa Ratton, e-book Kindle, 2020); Coletânea A Obra de Maria Valéria Rezende  - Resenhas e Variações (coorganizadora no Brasil, com Adriana Mayrinck, coorganizadora em Portugal, Santos/SP: Amare Livros e Lisboa-PT: In-finita, 2021); Antologia literária Célio Nori (org. Teresa Teixeira, Santos/SP: Cidadania, 2021); Um grande dia para as escritoras (org. Deborah Goldemberg, Esmeralda Ribeiro, Giovana Madalosso Paula Carvalho e Sony Ferseck, Rio de Janeiro/RJ: Bazar do Tempo, 2023); entre outras.





Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

A POESIA FASCINANTE DE ANA MARIA LOPES | PROJETO 8M

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

A vendedora de balas - Conto

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

UniVerso de mulheres 03 Poesia Alemã e Indígena - Três poemas de Márcia Kambeba

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"