Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Literatura brasileira contemporânea

A POESIA FASCINANTE DE ANA MARIA LOPES | PROJETO 8M

Imagem
fotografia do arquivo pessoal da autora   8M (*) Mulheres não apenas em março.  Mulheres em janeiro, fevereiro, maio. Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios. Mulheres quem somos, quem queremos. Mulheres que adoramos. Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato. Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas. Mulheres de verdade, identidade, realidade. "Dias mulheres virão",  mulheres verão, pra crer, pra valer! (Nic Cardeal) Mergulhe na poesia fascinante de ANA MARIA LOPES : A DEUSA Quando deus adormeceu ela tomou conta de tudo Deusa para todo serviço  lava, passa, cozinha, dá referência Enquanto ela ordena o mundo cuida do código camponês  e traduz o chão, o mar começa a ser mar dentro dela Úmida para servir, ela fala com peixes brotam-lhe escamas Na cama vê o dia aparecer  sem projeto ou esboço  Para ela a vida se desenha naquilo que se chama fundo do poço (* poema publicado na Antologia de Poesias   Mulherio das Letras  e Conexões Atlânticas Antologia ) imagem do Pintere

A PALAVRA MARCANTE DE CIÇA LESSA | PROJETO 8M

Imagem
fotografia do arquivo pessoal da autora  8M (*) Mulheres não apenas em março.  Mulheres em janeiro, fevereiro, maio. Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios. Mulheres quem somos, quem queremos. Mulheres que adoramos. Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato. Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas. Mulheres de verdade, identidade, realidade. "Dias mulheres virão",  mulheres verão, pra crer, pra valer! (Nic Cardeal) Navegue na palavra surpreendente de CIÇA LESSA : UM(AS MAROLAS) Quando se viraram para sair do mar, ela se perguntou se as amigas da areia teriam visto. Fora prolongado o beijo deles, a língua das marolas roçando as suas pernas o tempo todo, e o desejo espraiado pelas ondas arrebentando com mais ímpeto a intervalos. Devagar, como quem alonga também os sentidos, caminharam em direção aos outros já acomodados junto às mesas da barraca arrumada para a festa.  Estavam bem perto quando o braço dele passou sobre seu ombro. Uma descarga elétrica cruzou seu corp

CINCO POEMAS DE GIRLENE VERLY | DO LIVRO "O CORPO SABE QUE É TERÇA, MAS SE DISTRAI"

Imagem
fotografia do arquivo pessoal da autora  Cinco poemas de  Girlene Verly do livro  "O corpo sabe que é terça,  mas se distrai" capa do livro O corpo sabe que é terça,  mas se distrai  CORPO HISTÓRICO  nascemos cruas e crescemos à espera do que não se sabe bem o quê crianças, somos expostas e crescidas, criamos couraças armaduras invisíveis que nos ensinaram a vestir para nos livrar dos nãos e de nós e nossas cores, tão lindas de nascença nossos cabelos tão nossos felizes e displicentes começam a incomodar o outro a ponto de nos afligir seu embaraço a ponto de termos que nos esconder de nós mesmas por termos nascido assim e não assadas imagem do Pinterest,  Lucy Campbell -*- SÓ SEI SENTIR só sei sentir por isso dei pra escrever sobre o que me rouba a paz sobre o que me cansa sobre o que me causa transbordamentos sento e escrevo pensando que será uma coisa que quase nunca é permito que o branco da tela se tinja enquanto retomo a ideia inicial mutante e fugidia leio, releio de ol

SOLANGE PADILHA EM DOZE POEMAS | DO LIVRO "SOBRE AQUILO QUE NÃO CESSA"

Imagem
fotografia do arquivo pessoal da autora  DOZE POEMAS DE  SOLANGE PADILHA EM  "SOBRE AQUILO  QUE NÃO CESSA" capa do livro Sobre aquilo que não cessa   A construir um pequeno telhado duas ou três coisas que lembrassem portas janelas vaso de flores ( Corpo Flutuante , p. 22) imagem do Pinterest  -*- transgredindo eixos o súbito  chão  ( Territorialidades , p. 35) imagem do Pinterest  -*- faltavam as curvas sobre a calçada a ponte ao outro lado da baía a nave de Niemeyer o passeio por um bairro de Caracas. Faltava o majestoso vale e a rua a (se) perder (d)a página  E parecia indecente o quanto tudo falta, ao corpo solta vertigem deslizando  sua falta a retornar lugar a lugar pulsando sob o lacre teu nome ( Territorialidades , p. 42) imagem do Pinterest  -*- Meu caro, o real não cede ao coração  Ele tem nas mãos as linhas que embaralham arquiteta fios mas não salva: nem das trincheiras do amor nem do solilóquio ( Amares , p. 59) imagem do Pinterest  -*- Na Rua Visconde de Pirajá q