Coluna 07 | Mulherio das Letras na Lua - CECÍLIA PESTANA (Portugal)

                                                                      coluna 07

Divulgando autoras Lusófonas, um poema de CECÍLIA PESTANA



Místicos cansaços



Horas mortas as que não te ouço

Não te vejo, não te sinto,

Horas infindáveis essas

As que não te pressinto.

Horas lentas as do bater do relógio

Como se fossem de repente parar,

Deixando-me pra aqui queda, muda

Na ausência de tanto esperar.

Horas mortas que me dás com silêncios

Inquebráveis e profundos,

Como se quisesses matar-me,

Surdas as horas, que não te oiço chegar.

Horas de místicos cansaços

As que não te vejo, não te sinto…

De mansinho a noite chega a soluçar,

A soluçar devagarinho!...




Funchal, 22 de Julho de 1985




Cecília Maria Pereira Pestana nasceu a 4 de Dezembro de 1957, em Torres Novas, distrito de Santarém. Filha de pais madeirenses e pai militar, passou a infância em Torres Novas, Lourenço Marques (Maputo), Águeda, e veio residir para a cidade do Funchal, Ilha da Madeira, aos 9 anos de idade. Amante de leitura de poesia desde jovem, apaixonou-se rapidamente pela escrita poética. É coautora de cerca de 30 antologias e coletâneas, e seis e.Books. É membro de algumas academias poéticas: Mulherio das Letras de Portugal, Solar de Poetas, Mundo Latino Poesias e Prosas, etc. Participa em Saraus e eventos de Poesia. Publica o seu primeiro livro de Poesia “A Voz do Poeta “, em Fevereiro de 2020.








Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

A Força e o talento de Ize Duque Magno

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

Crônica | Sobre inclusão e suas pequenas revoluções

Uma resenha de Vanessa Ratton | "Caminho para ver estrelas": leitura necessária para a juventude

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Resenha do livro de poesia infantojuvenil GARIMPO, de Líria Porto