A POESIA LÍRICA DE ROSE ARAUJO | Projeto 8M


fotografia do arquivo pessoal da autora

8M (*)

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
Dias mulheres virão, 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)


Encante-se com a poesia reflexiva e sensível, humanista e delicada, de ROSE ARAUJO (**):


O VOO DO TEMPO

Ao versejar ela percebe
o pontuar do instante
_ sutileza da alma.

Ela espia e cria,
transmuta o momento. 
Absorve o voo livre do tempo.

-*-


POR DIZER

Não é a linha
mas a palavra
Não é a medida
mas a dimensão 
Não é o acabamento 

É a infinitude
daquilo que habita

o dentro

-*-


ÁVIDA

Procura-se gente
grávida de lua

procura-se gente
em estado de poesia

procura-se gente
que partilhe esperança 

-*-


NINFANTES

Que Cecília nos visite,
Ana César nos inspire. 
Manoel de Barros nos provoque
e Hilda se achegue.

Que Quintana nos instigue,
Neruda dê palpite
e traga Pessoa, a convite,
pois o amamos também. 

Que Drummond não silencie
e Borges nos incite
a irmos muito, muito mais além. 

-*-


AFE [S] TIVIDADES

Eu gosto de gente
que goste de 
                   gente
que goste de 
                   bicho
que goste de 
                   livro
que goste de 
                   planta

Eu gosto de gente que sinta

Eu gosto de gente
que narre histórias 
compartilhe memórias 
descubra afinidades
reúna sonhos e vontades

Eu gosto de gente afetuosa
que some sóis
desnublando o dia
de outras gentes

-*-


POESIA

Lugar da fala
                 onde
                 a verdade exala
                                      vocifera
                                 escorre
                                 crua

                  não cala

-*-


ISOLAMENTO

Sobressalto
                do ato ao hiato
                tudo subitamente muda
fica de cabeça pra baixo

O mesmo todo
                  refaz-se em ângulos
                  e em meio aos preâmbulos
escrevemos a espera

-*-


PANDESIA

Ser feliz
em tempos gris

: diretriz

-*-


TURBULÊNCIAS 

Sentires
abruptos
onde o verbo
de ordem

[desordenado e pio]

é esperar

: alcançaremos

-*-

capa do livro Quando Vida poesia


Sobre o livro QUANDO VIDA POESIA:

"(...) 
Quando vida é dividido em três capítulos: Em si; Significâncias; e Pandesias. Por certo, Rose denominou de "capítulos", para deixar evidente sua unificação formal e temática, pois os poemas, embora divididos em partes, possuem um só enredo, reunidos no todo, e unidos por um laço: vida e poesia. Por isso, essas divisões não são estanques e não impedem os textos, de alguma maneira, de se entrecruzarem em vários momentos, interligando-se, emocionalmente. 

Todos têm em comum serem compostos, em sua imensa maioria, por textos curtos, com a utilização do espaço em branco da página, quase um elemento complementar à poesia, sinalizando seus vários aspectos imagéticos; como, o silêncio interior, o vazio, a calma ou a possibilidade de alguma paz!: Há na poesia / algo de paisagem / um quê de imagem, / audíveis silêncios. 

Então, encontramos, em Quando vida, o silêncio ditando o ritmo do próprio livro, dando-lhe o tom. Os poemas são quase aforismos, quase  haicais, quase sempre minimalistas e substantivos. A economia verbal, com uma lógica racional  - pouco emocional -, sem ênfases inúteis, numa simplicidade lírica e sentida; a palavra oculta por trás do verso, das entrelinhas; que se faz muda, para falar alto.

Num poema chamado Simples, no segundo capítulo, ela explica: a / felicidade / habita / o / divino / e / este / o / simples. Nesse "poeminha", tão cheio de significados, Rose Araujo nos ensina ser a felicidade algo divino e que o divino se encontra no mínimo das coisas. A mesma simplicidade ela nos oferta em versos objetivos, diretos, comunicativos, sem falsas e fúteis erudições. Inteligente, sabe e entende que, em poesia, muitas vezes, o menos é mais.
(...)"

(Tanussi Cardoso, poeta, contista, crítico literário, jornalista, tradutor e letrista - um excerto do preâmbulo de "Poesia - Semente de resiliência e esperança", prefaciando o livro Quando Vida poesia)

-*-

(*) 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas', iniciado em março/2021, por Nic Cardeal.

(*) todos os poemas foram extraídos do livro Quando Vida poesia, Curitiba: Editoral Casa / Inside, 2022).


fotografia do arquivo pessoal da autora 


ROSE ARAUJO é natural de Londrina/PR, e reside em Niterói/RJ. 

Graduada em Desenho Industrial, é design gráfica,  fotógrafa e poeta. Dedica-se a diversos projetos gráficos, principalmente na área da fotografia, do design e da música. Produz eventos musicais com sua irmã Gerli Araujo Goldfarb (cantora) e seu cunhado Haroldo Goldfarb (músico e maestro).

Coordena o Espaço das Artes CasAmarelinha em Niterói, fomentando a cultura em variadas expressões, principalmente na poesia, com a idealização e coordenação de saraus poéticos, como o evento poético-virtual Sarau da CasAmarelinha, do qual já participaram mais de 40 poetas e artistas de todo o país. O referido evento recebeu em 2021 o Prêmio de Sarau Revelação, pela Associação Profissional de Poetas no Estado do Rio de Janeiro - APPERJ. Participa de lives, entrevistas e diversas antologias literárias. Quando Vida poesia marca sua estreia em livro publicado individualmente. 





Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

CELEBRAÇÃO POÉTICA PARA ROSEANA MURRAY | Poetas Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Isabel Furini, Maria Antonieta Gonzaga e Jucélia Betinardi

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

A vendedora de balas - Conto

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende