A POESIA INSTIGANTE DE VIRGINIA FINZETTO | Projeto 8M

fotografia do arquivo pessoal da autora 

8M (*)

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
Dias mulheres virão, 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)

Sinta na pele, nas veias e na alma, a palavra sempre instigante - em prosa ou poesia - de VIRGINIA FINZETTO:


DESTERRO

dê-se por satisfeito
se te enterrarem uma flecha no peito 
que penetra fundo e dói
não por acaso em tudo há dois gumes
enquanto um cura, o outro destrói 
e para quem não aguenta o intento
vem o suicídio, súbito ou lento
a perseguir a hipotética paz dos cemitérios 
nunca se provou,  nem mesmo a ciência
que no profundo sono da morte 
cada ser [ateu, crente ou cético] leva escondido
um quê de profético e originário 
que une a humanidade 
em um estúpido e último desejo imaginário:
querer perpetuar a mesma incerteza de sentir em tudo
esses dois lados que rejeita
[e  pelos quais se sofre uma vida inteira]
e parte-se com a lembrança de voltar a ver o sol raiar
[mesmo que quadrado]
no dia do juízo final 
[que não há no calendário]

(* poema publicado na antologia Conexões Atlânticas, p. 116)

-*-


-*-

CHISPA!

ilusão enjoada
esse sobe e desce
inferno e céu 
do movimento que oscila
sem sair do lugar
aprecio mais o desembestar
de um unicórnio sem destino
do que o do carrossel a girar

(* poema publicado na Agenda da Tribo 2019/2020, p. 48)

-*-


-*-

SEPARADOS

nossas almas
encontram formas
maneiras
de se atracarem
pelas beiras
nas madrugadas
calmas
alheias aos corpos 
inertes na cama
cochicham
amores
bobagens
e se amam
sem modos

(* poema publicado na Agenda da Tribo 2019/2020, p. 194)

-*-

-*-

CAIDINHA

me diz, pétala...
como preencher
o boletim de ocorrência:
caíste em novo
falling in love
ou foi só reincidência?

(* poema publicado na Agenda da Tribo 2019/2020, p. 255)

-*-


-*-

ESPETACULAR

não é só sexo
é gênero 
teatral
ela, comédia 
ele, musical
um completa o outro 
do primeiro ato
ao final

(* poema publicado na Agenda da Tribo 2019/2020, p. 291)

-*-


-*-

ARROUBO

poeta, de alma, é cirurgião 
a extrair um juízo,
uma lágrima, um sorriso,
uma dúvida, uma pista,
qualquer tesão,
arroubo de paixão. 
Todo poeta é ladrão. 

(* poema publicado na Agenda da Tribo 2019/2020, p. 306)

-*-


-*-

ORAÇÃO DOS PERDIDOS

Senhor, eu juro
salvar a carne
salvar o tempero
salvar o rango
de ser queimado
pelo fogo alto
e a distração 
de toda a tentação 
do facebook
até a hora do
molho pronto
amém

(* poema publicado na Agenda da Tribo 2019/2020, p. 314)

-*-

-*-

DES[A]TINO

Deu você e eu
e essa demora
o meu agora
não casou
com o seu

(* poema publicado em sua TL)

-*-


-*-

O OCO DO VÃO 

súbito colapso
antes do passo, o lapso
e de pronto, entre mim e tu,
o laço,
a aliança,
única presença 
na distraída ausência

(* poema publicado em sua TL, 13.11.2020)

-*-


-*-

GALÁCTICO 

vim de testemunha das coisas 
que não se foram em vão 
bendizer o céu de estrelas 
e o sussurrar da tua voz
a me chamar pelo nome
abraçar dinossauros em pensamento 
beijar o firmamento 
tatuar um cometa no céu da boca
ofertar vagalumes à menina dos olhos
sorrir meia lua ao sopro leve do coração

(* poema publicado em sua TL)

-*-


-*-

NOVISFORA

na tabuada
do desamor
indiferença 
subtrai
multiplicador
sinal de menos
vezes
tanto faz
final das contas
divisor é resto
quociente
que não 
soma mais

(* poema publicado no blog Ex-estranhos)

-*-


-*-

EPÍLOGO

terminar a leitura de um livro, que a arrebatou perdidamente, é como aterrissar, após um período atemporal, fora do seu mundo, e se arrepender de ter voltado antes mesmo de sair do aeroporto. 

(* texto publicado na Agenda da Tribo 2020/2021, p. 25)

-*-


-*-

SOU DE MIM

Nas horas em que não estou de acordo comigo, eu viro minha cara para um lado e o outro lado vira a cara pra mim. Nas horas de descompasso, não há música, não há dança, só um atropelo de pensamentos tolos, tipo assim... Nas horas em que eu não sou quem sou, meio ausente, meio minha, meio de ninguém, é que eu me encontro, enfim.

(* texto publicado na Agenda da Tribo 2020/2021, p. 45)

-*-


-*-

SE EU FOSSE VOCÊ 

Ah, se eu fosse você, agora eu ficaria em silêncio, atrás da cortina do palco, esperando a turma que vai chegar. Espiaria pelo buraco do esgarçado o desenrolar das cenas. Combinaria truques, jogos, nós de laços. Afagaria pelos, crinas, penachos. Trocaria receitas, poções, abraços... Ah, se eu fosse você, agora eu desperdiçaria mais risos e menos estilhaços, e ficaria repassando o refrão do coro, aguardando a hora de entrar e gritar: merda!

(* texto publicado na Agenda da Tribo  2020/2021, p. 340)

-*-



(*) 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas', iniciado em março/2021, por Nic Cardeal.


fotografia do arquivo pessoal da autora 


VIRGINIA FINZETTO é natural de São Paulo/SP, onde reside. Graduada em Comunicação Social pela Faculdade Cásper Líbero, e em História e Letras pela Universidade de São Paulo. É jornalista, editora e escritora. Seus textos estão publicados em diversas  páginas de poesia e literatura na internet e nas redes sociais; também participou de diversas edições da agenda 'Livro da Tribo'; da 'Revista Plural' (Editora Scenarium Plural); da Revista Literária 'O Casulo' (Editora Patuá); da Revista 'Coletivo' (Editora Scenarium Plural); da Revista Literária 'Germina'; e da 'Folhinha Poética'. Teve poema classificado e publicado na coletânea do 16° Concurso de Poesias da Universidade Federal de São João Del-Rei/MG, em 2016. 

Participação em antologias: Coletâneas de Prosa do 'Mulherio das Letras' (edições de 2017 e 2018); 'Casa do Desejo' (Patuá/2018); 'Conexões Atlânticas' (In-Finita/2018, Lisboa-PT); entre outras.

Em 2017 publicou seu livro de poesia Vi e/ou vi que o vento é aqui, pela Editora Scenarium Plural.





Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Dois poemas de Samanta Aquino | "A arte de ser mulher"

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Uma Crônica sobre mulheres - por Rejane Souza

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Vox Marielle, saudades, homenagem e um poema inédito para Marielle Franco - Chris Herrmann

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

UniVerso de mulheres 03 Poesia Alemã e Indígena - Três poemas de Márcia Kambeba

A poesia forte e belíssima de Rosana Paulo - Quatro poemas