"ATRÁS DO OLHO FECHADO": UMA HISTÓRIA INFANTOJUVENIL DE ALESSANDRA ROSCOE | Projeto 8M



fotografia do arquivo pessoal da autora 

8M (*)

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
Dias mulheres virão, 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)


Mergulhe em um pedacinho dessa viagem emocionante que é a história de Atrás do olho fechado, de ALESSANDRA ROSCOE, escrita para todas as crianças: pequenas, crescidinhas ou adultas:

"(...) 

Capítulo 30 - Sonho!

"Querida mamãe,

Hoje resolvi escrever esta carta para você, primeiro porque adorei todas as histórias sobre cartas e gente que escreve cartas que você me contou. Depois porque fiquei imaginando príncipes e princesas em outros tempos trocando segredos escritos, amigos que dividiam pedacinhos de suas vidas com seus destinatários e acho que escrever cartas é um ato de amor e um jeito de nos doarmos um pouco para os outros. Um jeito de encher os vazios de nossa solidão.  Fiquei com vontade de ter amigos de papel e de ser também uma missivista! A minha primeira carta tinha que ser para você, mamãe, e vou escrever aqui a história do sonho que você me contou para guardá-la eternamente no meu coração, nas nossas lembranças e na sua caixa de cartas!

Você disse que eu era bem pequena quando aconteceu. Tinha brincado o dia todo com meu primo João e de madrugada, dormindo, gritei várias vezes por ele. Você chegou perto da cama e viu que eu estava meio confusa, procurando pelo João no quarto e perguntou-me docemente se eu estava sonhando com ele.

Eu respondi: 'não, mãe, estava só bincando com ele atás do olho fechado'. Até hoje você conta pra quem quiser ouvir que a minha foi a mais póetica definição  de sonho que você já ouviu. Eu fico feliz porque era poeta e nem sabia. Mamãe, eu amo muito você que enche meus dias com tanta poesia!

Beijo da sua filha, Nina." 

Capítulo 31 - Atrás do olho fechado

Nina dobrou a carta, colocou num envelope azul, espirrou nele de longe um pouco do seu perfume favorito e o guardou na gaveta dos segredos. No outro dia, assim que acordou, entregou o envelope ao Toni e pediu a ele que colocasse no correio. Toni não foi curioso. Levou o envelope sem olhar para quem era. Dois dias depois, viu na caixa de correio o mesmo envelope que havia postado e foi entregar para Clara com um sorriso largo no rosto. Clara leu a carta e, com lágrimas no rosto, sentou-se ao piano e compôs: "Atrás do olho fechado", uma cantiga de ninar.

Capítulo 32 - Cantiga para ninar Nina

Atrás do olho fechado

Dorme criança, fica sempre em paz.
Anjinhos e fadas não a deixarão jamais.
Fecha os olhinhos,
Não tenha medo do escuro.
Em todos os seus caminhos,
Haverá sempre futuro.
Sonha colorido
Com o mundo encantado
Do seu universo escondido
Atrás do olho fechado.

Fez à mão mesmo a partitura, pegou outra folha pautada e escreveu:

"Nina, meu amor! Fiz a música depois de ler a sua carta e de pensar em todos aqueles seus medos que, de vez em quando, escapam do armário trancado. Dedico a você e ao seu irmão e espero que acalente vocês sempre que estiverem tristes e inseguros.
Com amor,
Clara."

Dobrou então as duas folhas, colocou-as num outro envelope azul e foi para o correio.

(...)"

(Três capítulos extraídos livro Atrás do olho fechado, São Paulo: Callis/2012, pp. 75-82)

capa do livro Atrás do olho fechado 

Sinopse do livro Atrás do olho fechado:

"Uma história sobre sonho, imaginação e fantasia costurada com a poesia que se revela nas coisas simples do cotidiano. Aventuras, medos, saudades, lembranças, descobertas... Tudo muito bem guardado no cofre que se esconde atrás do olho fechado e que mistura música, leituras, cheiros, gostos e toques para celebrar não apenas um, mas todos os cinco sentidos."

-*-

(*) 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas', iniciado em março/2021, por Nic Cardeal.


fotografia do arquivo pessoal da autora 


ALESSANDRA ROSCOE  é natural de Uberaba/MG, e vive em Brasília/DF desde os três anos de idade. Aos nove anos teve seu primeiro conto publicado numa antologia póetica, organizada pela 'Fundação Educacional do Distrito Federal'. 

É graduada em Jornalismo pelo CEUB, e em Artes Cênicas pela UnB. Além de jornalista, é escritora, contadora de histórias e mediadora de leituras.

Trabalhou em rádio e jornal, mas fez carreira basicamente na TV, passando por quase todas as emissoras de Brasília e chegando à direção do jornalismo local. 

É coordenadora do 'Uniduniler - Clube de Bebês Leitores', desde 2010; e do 'Uniduniler Todas as Letras - Festival Itinerante de Leitura' (que promove ações de leitura com bebês, idosos e pessoas com necessidades especiais), desde 2013.

Também é coordenadora e idealizadora dos Projetos: 'Aletramento Fraterno' (incentivo à leitura desde o ventre, com grávidas e casais); 'Experimente a Palavra' (leitura sensorial com bebês e pré-leitores); e 'Caixinha de Guardar o Tempo' (com idosos e pacientes de Alzheimer, tendo as leituras como forma de reconstrução da memória). 

É escritora convidada do 'Projeto Contadores de Histórias', da Academia de Línguas e Letras de Brasília. 

Possui um canal direto de interação com seus leitores no blog:
https://contoscantoseencantos.blogspot.com. 

Também escreve para a Revista Claudia (Editora Abril).

Livros publicados: A menina que pescava estrelas (Editora LGE/2004 - após várias edições, em 2008 o livro virou filme de curta metragem, dirigido pelo premiado animador Ítalo Cajueiro); O jardim encantado (Franco/2007); A fada emburrada (Elementar/2008, indicado para o catálogo da Feira de Bolonha, na Itália); O jacaré Bilé (Biruta/2008, indicado para o catálogo da Feira de Bolonha, na Itália); JK, o lobo guará (Melhoramentos/2010, indicado em 2011 e 2012 para o catálogo da Apex, para a Feira de Frankfurt, na Alemanha); A façanha da dona aranha (Elementar/2010); A outra história da cigarra e da formiga (Mundo Mirim/2010); Caixinha de guardar o tempo (Gaivota/2012, finalista do Prêmio Jabuti de Literatura - categoria melhor livro infantil do ano de 2013); Atrás do olho fechado (Callis/2012); O Senhor Pavão (Elementar/2013); A primeira vez numa noite do pijama (Franco/2013); Dedé e os tubarões (Escarlate/2013); O minhoco apaixonado (Canguru/2013); Minhoca não quer pipoca (Edelbra/2013); Jacaré não tem chulé (Edelbra/2013); Jabuti não lê gibi (Edelbra/2013); Mico não usa penico (Edelbra/2013); Urubu não come chuchu (Edelbra/2013); Dentro do escuro mora um segredo (Gaivota/2015); Receita para bem crescer (Rovelle/2016); O palhaço picolé (Casa Cultural/2018); O sumiço do ouriço (Krauss/2019); Que porquinho é este? (Saber e ler/2019); Era uma vez um lobo mingau (Saber e ler/2019); Voos (Ciranda Cultural/2020); entre muitos outros.






Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Dois poemas de Samanta Aquino | "A arte de ser mulher"

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Uma Crônica sobre mulheres - por Rejane Souza

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Vox Marielle, saudades, homenagem e um poema inédito para Marielle Franco - Chris Herrmann

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

UniVerso de mulheres 03 Poesia Alemã e Indígena - Três poemas de Márcia Kambeba

A poesia forte e belíssima de Rosana Paulo - Quatro poemas