Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Marta Cortezão

XI Tertúlia Virtual: Poesia e Empoderamento Feminino

Imagem
  TERTÚLIAS VIRTUAIS |  05 - por Marta Cortez ão Após uma longa pausa, por aqui, por esta despretensiosa coluna Tertúlias Virtuais , retomo minhas andanças poéticas pela literatura contemporânea de mulheres, poetas, escritoras que me concederam, gentilmente, o prazer do abraço poético, ao participarem do projeto Tertúlias Virtuais , o qual já vem construindo história nas redes sociais desde 23 de agosto de 2020. A XI Tertúlia Virtual:Poesia e Empoderamento Feminino , encontro poético sobre o qual me debruço hoje, aconteceu no dia 06 de novembro de 2020, na companhia das poetas convidadas Francis Mary (Acre), Lucirene Façanha (Ceará), Mary Paes (Amapá) e Felicidade Guerreiro (Portugal). As tertúlias virtuais têm propiciado este espaço de interação, de construção de relações sociais, afetivas e poéticas e de fortalecimento do coletivo literário feminino, porque conecta vozes e olhares do feminino neste espaço virtual que se configurou como espaço de aprendizagem, numa abordagem dialéti

X Tertúlia Virtual: Inquietudes Poéticas & As Múltiplas Faces de Afrodite

Imagem
  TERTÚLIAS VIRTUAIS |  04 - por Marta Cortez ão   “A humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si mas relativamente a ele; ela não é considerada um ser autônomo. [...] A mulher determina-se e diferencia-se em relação ao homem e não este em relação a ela; a fêmea é o inessencial perante o essencial. O homem é o sujeito, o absoluto; ela é o Outro.” (Beauvoir, 1970, p.10)   O livro O segundo sexo , de Simone de Beauvoir, teve sua primeira edição em 1949. O tempo que nos separa deste evento são de exatos setenta e um anos, entretanto, há ainda a urgente necessidade de trazer estes questionamentos para o século XXI: qual é o lugar da mulher na atual sociedade? Como estamos construindo este conceito historicamente e culturalmente? Por que é importante discutir acerca do gênero? Por que dizer-se feminista provoca tantos desafetos? Sempre é tempo de despir-nos das velhas amarras da ignorância e buscar entender o real significado do Feminismo que, em poucas palavras, nada