Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2022

"COSTURANDO DEVANEIOS NAS VENTANIAS CÓSMICAS", ARTIGO DE ISABEL CORGOSINHO

Imagem
  COSTURANDO DEVANEIOS  NAS VENTANIAS CÓSMICAS sobre o livro "Costurando ventanias",  de Nic Cardeal  por Isa Corgosinho   O livro de Nic Cardeal Costurando ventanias me acompanhou na volta de João Pessoa para Brasília, as suas páginas vieram impregnadas da maresia de Jampa e agora experimentam o ar seco e a energia revitalizante do cerrado candango. Tive que interromper a leitura várias vezes em virtude da organização desse retorno. A cada retomada, experimentei novos sentidos em suas particulares costuras, por isso fui tomada pelo desejo de escrever sobre elas.    Nas costuras da prosa, as ventanias da poesia    O escritor Julio Cortázar [1] , ao refletir sobre as características do conto, afirma que escrever contos e poemas é algo parecido, quase um estado de transe. Esse estado seria provocado pela escolha de um material significativo. O livro Costurando ventanias conjuga-se no hibridismo de gêneros, ao associar acontecimentos da realidade (crônicas) com element

Minha Lavra do teu Livro 02 | "CHÃO DE EXÍLIO", de WANDA MONTEIRO, por Nic Cardeal

Imagem
  Minha Lavra do teu Livro 02  – resenhas afetivas  –  "CHÃO DE EXÍLIO":  TODAS AS ÁGUAS DO TEMPO  – O GRANDE RIO  –  Em CHÃO DE EXÍLIO (Belém/PA: Amo! Editora, 2021), WANDA MONTEIRO substitui a poesia pela prosa poética, para falar sobre a perseguição política diretamente sofrida por seu pai e, indiretamente, por toda a sua família, durante o período da ditadura militar. A autora homenageia o pai – o escritor, jornalista e advogado paraense Benedicto Monteiro (1924-2008) – trazendo sua história ao conhecimento dos leitores através de contos poéticos profundamente marcantes. A narrativa é ora fictícia, ora surpreendentemente realista, repleta de recortes das lembranças de sua infância. Memórias que jamais se apagarão, pois marcadas de todas as dores possíveis pela frequente ausência do pai – acusado de subversão à ordem, devido à atuação em defesa da reforma agrária no Pará, quando acabou fugindo e, mais tarde, foi capturado e preso em Belém. Os personagens de Chão de exíl

A POESIA MÚLTIPLA DE ETEL FROTA | por Nic Cardeal

Imagem
fotografia do arquivo pessoal da autora   8M Mulheres não apenas em março.  Mulheres em janeiro, fevereiro, maio. Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios. Mulheres quem somos, quem queremos. Mulheres que adoramos. Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato. Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas. Mulheres de verdade, identidade, realidade. Dias mulheres virão,  mulheres verão, pra crer, pra valer! (Nic Cardeal) Viaje na poesia múltipla e impressionante de ETEL FROTA : Ah, como eu queria que fossem meus os olhos que se alinham às estrelas no campo de girassóis Não importa Antes um poema requentado que poesia nenhuma (* poema do livro Artigo oitavo - poesia escrita, falada e cantada ) -*- capa do livro Artigo oitavo Não me confunda desse jeito com minha poesia com meu bordado Uma cria cruel e fria levo trancada no peito a cadeado (* poema do livro Artigo oitavo - poesia escrita, falada e cantada ) -*- poema de Diálogos lunáticos   LÍNGUA   Insano insensato insuficiente apêndice