Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2021

Poema | A(mar), por Jeane Tertuliano

Imagem
|Coluna 12| Não posso diferir daquilo que sou: poesia desabrocha tal qual uma flor quando o assunto em questão é o Amor. Nada sei, mas imagino; sendo assim, concebo o infinito. Embalada pelo tracejo (in)verso que alimenta a ânsia tamanha pelo desvelo conjugo o verbo a(mar) junto à melodia soprada pelo vaivém das ondas, o inebriante cantarolar. Torno a dizer: nada sei, mas posso imaginar.

Poema | Ruína, por Jeane Tertuliano

Imagem
  |Coluna 11| Há cadáveres por onde caminho. Mortes contínuas de mim mesma inibem a cicatrização da ferida que,  erroneamente, julguei estar contida. Meu corpo lívido, em penúria, verte; a poesia nas rimas do meu caminhar já não acalenta o meu desaguar. Me ponho a escrever porque há muito vislumbro o meu próprio ser, padecer. Cruel inconformidade que me fez ver verdade nas quimeras do viver!

Pés Descalços 04 | A visita do papai Noel

Imagem
                                                     A visita do papai Noel O barulho da chuva acorda a menina dentro de mim. Combino com o meu filho como seria legal pendurarmos luzes nos pergolados e montarmos a árvore de natal. A infância me toma por minutos, o suficiente para o resgate de mim mesma. Houve uma vez em que senti o papai Noel. Na rua em que morava havia uma feira com todo tipo de alimentos e brinquedos. Quando chegava perto do natal era mais linda ainda de se ver. O homem da cobra parecia mais vivo, ciganos vendiam suas cores, variações de brinquedos, alimentos e doces. Às vezes me imaginava com uma maçã nas mãos, ou um brinquedo. Ao longo da infância, passávamos por muitas necessidades e esperar por um brinquedo era luxo, a vontade de permanecer em pé vinha em primeiro lugar. Nossos pedidos para papai Noel não chegavam. Era comum faltar o gás e a barriga vazia esperando o almoço calava a fome de brinquedos. Quem sabe por descuido, são tantos pedidos para atender. Mas