Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Ivy Menon

Preciosidades Antológicas 09 | Helena da Rosa, Ines Lempek e Ivy Menon

Imagem
|  coluna 09  | Preciosidades Antológicas - três autoras Helena da Rosa, Inês Lempek e Ivy Menon por Chris Herrmann Na coluna de hoje, destacamos os poemas das três autoras acima, da  I Antologia Digital de Poesia  Porque Somos Mulheres , lançada em Maio/2020 pelo selo  Ser MulherArte Editorial . Foram 149 poetas selecionadas e/ou convidadas das 208 inscritas, que nos orgulharam muito pela qualidade e diversidade das obras. Desejamos a vocês boas leituras! clique na imagem para ler o e-book gratuito Ser MulherArte Editorial, 2020

A intensa e ousada poética de Amanda Helena em uma crônica e um poema

Imagem
Pinterest, sem anotação de autoria A MENINA ESCUTA RAY, ENQUANTO O MUNDO ENFUMAÇADO SORRI.                             por Amanda Helena                                 Ai de mim que contemplo o muro caiado dos sepulcros e seu portão de ferro bruto e roubo a história dos ossos em meu pensar. Sim, chego a sentir inveja dos ossos que se tornam vivos em minha mente , penso na mesa posta, numa família reunida, nas músicas que ouviram, no sexo que suaram e nas batalhas perdidas. Repousam agora serenos e não há mais épocas e talvez alguma alma ali recolhida também me mire e sinta inveja por eu ter vida (???) Digo, pois, a tal alma perdida " não se engane, há em mim mais pó, que das almas partidas". Naquelas lajes encerraram se histórias com sentido, de uma simplicidade pacífica e dão enfim descanso as que nessa terra andaram perdidas. Quem nasce pra pó, de infância se percebe, já vem com uma dor indefinida e um estranhamento pretérito, enquanto as mamães d

Gelo e fogo se abraçam na instigante Poesia de Michelle Ferret, em seis Poemas

Imagem
Wendell Well FRIO O dia escureceu os meus olhos Não tinha mais fogo para acendê-los Todos os fósforos foram usados Não sobrou nada Procurei pelos isqueiros Mas eles não tinham gás                        Nenhum incêndio foi possível hoje Verônica Trigo Arte DEPOIS Abro demoradamente porta por porta de todas as gaiolas e desafio a gravidade atravessada de silêncio avisto outro país, outro planeta este, agora em esperas mesmo depois de tantas (v)idas Todo parto tem seu peso e todo tempo sua vertigem imersos na coragem da criança que pula o abismo de todas as manhãs seguimos Todos os versos são planos de fuga despedida do corpo em riste alucinando as vias públicas, ora vazias asfaltadas no peito O inferno de Dante é pouco para tanta chama acesa e inaugura nossa febre em continuar, apesar de tu

Em uma Metáfora bem-humorada, o passado alerta o futuro: crônica de Marisa Zani

Imagem
Salvador Dalí MÓVEIS MEMÓRIAS *                     por  Marisa Zanirato Tudo começou quando o discreto guarda roupa colonial apaixonou-se pela culta e rebelde estante de livros. Ele, legítimo jacarandá, viúvo da distinta e refinada cristaleira, tinha desse casamento uma filha: mesa de jantar – donzela de certa idade, educada para servir discretamente. Entretanto, no final dos afazeres, depois de esvaziadas as taças de vinho, mesa de jantar entrava em devaneios nos quais ela se transformava na macia e aconchegante cama, protegida e amada pelo criado-mudo.     Estante de livros não tinha linhagem nobre. Pertencia à geração beat: aglomerado de madeira revestida com padrão cerejeira. Ainda jovem, acolheu Platão, Marx, Sartre e Nieztsche, com a mesma irreverência com que acolhera atlas geográficos, dicionários, literatura védica e revistas em quadrinhos. Já na maturidade, permitiu-se algumas veleidades, ostentando sem constrangimento um aparelho de TV e um DVD. Porém

A Poesia renova esperanças: Júlia Alberto, 14 anos, Poeta.

Imagem
Autoria anotada na imagem liberdade de tão falada corri atrás dela da tão esperada por todos sonhei com ela ansiosamente sua chegada, a alegria de todos quando me falavam dela meus olhos brilhavam quando enfim ela chegou corri sorri dancei compartilhei asas coloridas com os amigos enfim o dia mais belo do ano sem anotação de autoria   um lar um lar talvez seja o lugar que deitamos nossa cabeça talvez onde vamos para nos sentir bem talvez não seja apenas onde temos uma cama não sei ao certo o que é apenas sei que anseio pelo momento que encontrá-lo. Josef Kote além a varanda velha meus pensamentos e esse cenário morto sufocando cada lado tem suas belezas convivemos com isso assim como temos de viver com feridas feitas pela saudade queremos estar vivos amanhã quando o sol nascer para que de tarde possamos ir além dos pensamentos vulneráveis que te

A presença da Poesia de Mariana Stelko, na quarentena francesa. Com tradução livre para o português

Imagem
Sem anotação de autoria, em: Foto Premium La Solitude vit sa vie  Elle marche en écoutant Nikita d’Elton John, et soudain, la nuit se convertit en karaoké au 17ème arrondissement.  En arrivant à la maison, l’Attente devient l’unique, l’attraction, elle se jette sur la canapé et balade son verre de rouge dans le salon, se retourne au lit, joue avec les draps, éteint la lumière, soupires, transpiration - de la pure provocation - tout ce dont elle insinue qui dépend de son temps. L’Ecriture s’interpose, jalouse, elle se rend bien compte que l’Attente instigue des songes de l’inconnu et des délires profus, c’est à quoi elle répond, que ce soit par la thèse ou par des poèmes, qu’elle provoque des éblouissements! Elle suggère les germes du service public dès le Moyen Age à 1791, d’interroger quoi de la solidarité dans les entretiens d’évaluation – elle dit - que ce soit des manageurs du Pôle Emploi, ou dans les fiefs des seigneurs, de la part des patrons, tou