Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Literatura de autoria feminina

A POESIA IMPRESSIONANTE DE IVY MENON | por Nic Cardeal

Imagem
fotografia do arquivo pessoal da autora   8M Mulheres não apenas em março.  Mulheres em janeiro, fevereiro, maio. Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios. Mulheres quem somos, quem queremos. Mulheres que adoramos. Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato. Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas. Mulheres de verdade, identidade, realidade. Dias mulheres virão,  mulheres verão, pra crer, pra valer! (Nic Cardeal) Navegue pela poesia sempre impressionante de IVY MENON : IN_ADEQUAÇÃO   infelicidade a minha nasci poeta não há muito o que dizer à rua o dia se vende e de mercado nada entendo pouco sei de sangue suor e lágrimas derramados no campo não comercializo Poesia ocupo-me de desimportâncias gastei-me noutra dimensão fugi da linha de combate desgostam-me enfrentamentos meus dedos uivam sílabas eu temo mediocridades luas novas idade das trevas e fogueiras bruxuleantes a incinerar-me as letras teimo-me cobrir de cores abstratas riscar-me de giz e as margens não comportam in_adequ

Minha Lavra do teu Livro 02 | "CHÃO DE EXÍLIO", de WANDA MONTEIRO, por Nic Cardeal

Imagem
  Minha Lavra do teu Livro 02  – resenhas afetivas  –  "CHÃO DE EXÍLIO":  TODAS AS ÁGUAS DO TEMPO  – O GRANDE RIO  –  Em CHÃO DE EXÍLIO (Belém/PA: Amo! Editora, 2021), WANDA MONTEIRO substitui a poesia pela prosa poética, para falar sobre a perseguição política diretamente sofrida por seu pai e, indiretamente, por toda a sua família, durante o período da ditadura militar. A autora homenageia o pai – o escritor, jornalista e advogado paraense Benedicto Monteiro (1924-2008) – trazendo sua história ao conhecimento dos leitores através de contos poéticos profundamente marcantes. A narrativa é ora fictícia, ora surpreendentemente realista, repleta de recortes das lembranças de sua infância. Memórias que jamais se apagarão, pois marcadas de todas as dores possíveis pela frequente ausência do pai – acusado de subversão à ordem, devido à atuação em defesa da reforma agrária no Pará, quando acabou fugindo e, mais tarde, foi capturado e preso em Belém. Os personagens de Chão de exíl

A POESIA SURPREENDENTE DE MICHELINY VERUNSCHK | por Nic Cardeal

Imagem
fotografia do arquivo pessoal da autora   8M Mulheres não apenas em março.  Mulheres em janeiro, fevereiro, maio. Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios. Mulheres quem somos, quem queremos. Mulheres que adoramos. Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato. Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas. Mulheres de verdade, identidade, realidade. Dias mulheres virão,  mulheres verão, pra crer, pra valer! (Nic Cardeal) Hoje é dia da espetacular poesia de MICHELINY VERUNSCHK : DA ROTINA Varrer o dia de ontem que ainda resta pela sala, o dia que persiste, quase invisível pelo chão, nos objetos sobre os móveis da sala. Varrer amanhã o pó de hoje. Varrer, varrer hoje. (E domingo quebrar nos dentes o copo e sua água de vidro. Segunda, não esquecer: varrer todos os vestígios.) (* poema extraído de poesia.net - n. 186, 25/10/2006) -*- imagem do Pinterest   a palavra amor comporta todo esse desastre todo esse choro e desencontro todas as guerras pelo nome Helena ou Fatma ou Maria ou César ou

Três poemas de Josuelene Souza | Autorretrato

Imagem
  Imagem de Ilona F. por Pixabay. Três poemas de Josuelene Souza AUTORRETRATO     Sou mulher: Ser frágil em sua incompletude Ser forte em sua completude   Sou mulher: Ser forte em suas batalhas da vida Sou mulher: Em seus encantamentos e desencantamentos   Sou mulher: Ser ora incansada, ora cansada Sou mulher: Ser libertária   Sou mulher: Ser geradora de outro ser Sou mulher: Ser com vontades e desejos   Sou mulher: Ser mãe Ser amada Ser amante.   Sou mulher: Ser de liberdade Ser de amizade Ser de lealdade   Sou mulher: Ser fera Ser animal Ser angelical   Sou mulher: Ser das fusões De Afrodite De Atenas De Artêmis De Vênus   Sou mulher: Ser de uma junção de todas as mulheres: Cleópatra Helena Maria Paraguaçu Xica da Silva Anita Garibaldi Dandara Maria Quitéria   Sou mulher: Ser mitológico Ser angelical Ser guerreiro Guerreiro ser. * RITO DE PASSAGEM   Em comemoração aos meus 40 anos   Somos passagem do tempo Ora sorrimos Ora cantamos Ora choramos Ora amamos Somos feitos de marcas Somos