Maria da Glória Colucci: Três poemas

 

Imagem gerada pela IA do Bing

PALAVRAS AO VENTO

Maria da Glória Colucci


Sem sentido, sem coração,

Sem propósito, sem razão.

Palavras rudes, inveja cruel,

Disfarçam o medo, amargo fel.

Porque me feriu, se estou ferida?

Porque me agrediu, se sofro tanto?

Palavras ao vento, pura maldade:

- Dores espalham, perversa saudade.


**


POR INTEIRO

Maria da Glória Colucci


Metade de mim ama você;

A outra metade também.

Metade de mim sente sua falta;

A outra metade também!

O que restou de mim?

 Da metade de dentro?

 Da metade de fora?

Depois que você partiu,

Nada ficou, meu bem!

*


TRÊS COISAS

Maria da Glória Colucci


São difíceis de entender

Três coisas comuns de acontecer:

  A ingratidão de quem não agradece,

Apesar de tudo que recebe.

 A mentira que distorce a verdade,

Encobrindo-a com toda falsidade.

 A traição que destrói a confiança,

Desprezando o amor e a esperança

De sinceros e leais corações.


Maria da Glória Colucci é poeta, escritora e professora.



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

A vendedora de balas - Conto

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Araceli Otamendi e Isabel Furini: Sonhos

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes