De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena



Os casais

por Lia Sena

Depois de três anos, o casamento não ia nada bem. Pequenos rancores acumulados no dia a dia, por coisas bem ínfimas,  os afastava cada vez mais. Foram morar na Espanha, logo no início do casamento devido a uma oportunidade de trabalho para ele. Ela estava muito apaixonada e o acompanhou alegremente, abandonando no Brasil, uma carreira de próspera advogada. Tímida, meiga, mas muito competente no trabalho, parecia transformar-se quando estava diante de um cliente, de um juiz ou de qualquer autoridade a quem precisasse dirigir-se, em função do seu trabalho. Ele se encantou, especialmente por isso. Admirava a excelente performance  dela  no trabalho. Conheceram-se justamente porque, algum tempo atrás, precisara dos seus serviços como advogada. Ficou muito satisfeito com o resultado e começaram uma amizade que logo se transformou em namoro. Como ela conseguia ser tão meiga e carinhosa, fora do trabalho?  Ele pensava. Doutor em física, com a perspectiva de um excelente trabalho na Espanha, decidiu que não iria sozinho e teria que adiantar um pouco as coisas.
Pediu-a em casamento, após seis meses de namoro. Ela, muito feliz, aceitou e tomou todas as providências  para seguir com o marido. Com certeza daria um novo rumo à sua carreira, mesmo de lá.
Foram viver na pequena cidade de Salamanca, onde ele trabalhava em uma importante Universidade, mas Sabrina não conseguiu se encontrar profissionalmente, nessa nova morada. Dava assistência jurídica on line para algumas empresas, mas perdera aquele viço que as atividades de advogada presencial lhe proporcionavam. A admiração de George, caíra consideravelmente diante da mulher mais passiva, caseira, atenta a problemas domésticos, que a esposa se tornara. Por outro lado, o descaso dele com relação às atividades domésticas, o desleixo de jogar as meias pelo chão do quarto, toalha molhada sobre a cama, desinteresse pelos assuntos dela, iam minando o afeto e acumulando pequenas mágoas que refletiam na relação. Estavam bem distantes; sentiam-se estranhos e até o sexo, parecia mecânico, frio. A verdade era que se amavam, mas a admiração mútua, estava descendo pelo ralo.
De repente, o imprevisível. Ouviam notícias de uma epidemia que rapidamente, ganhou o status de pandemia. Estavam perplexos e apavorados , mas a coisa ainda estava lá pela China. George tinha férias e licenças acumuladas na Universidade e resolveu que viajariam ao Brasil. Realizariam o sonho de rever parentes, amigas e amigos e estariam mais longe do vírus que já se imiscuía pela Europa.
Resolveram ficar um mês no Rio de Janeiro, na casa de Válter, o melhor amigo de George, casado com Diana, também muito amiga, tanto dele, quanto de Sabrina. Dali estariam perto da casa dos parentes todos, mas ficariam mais à vontade, ao invés de ir para um hotel ou para a casa dos pais de um deles.
Estavam felizes demais de volta ao Brasil. A recepção de Válter e Diana, foi perfeita. Logo começaram as idas à praia, visitas aos parentes, saídas à noite com amigos. Válter e Diana, assim como eles, ainda não tinham filhos. Quiseram esperar um pouco, pra curtir melhor o casamento que já durava quatro anos.
Num curto espaço de tempo, a perspectiva de passeios, noitadas, viagens e tudo que se planeja em período de férias, perdera o sentido e tornara-se algo impossível de realizar. As notícias sobre a chegada do vírus ao Brasil e a incapacidade de grandes países da Europa, assim como os Estados Unidos de combatê-lo de forma eficaz, minimizando o número de infectados e mortos ,falharam. Rápidas providências foram tomadas por governadores e prefeitos de todo o país, no sentido de estimular o isolamento social, fechamento do comércio, de aeroportos e rodoviárias, escolas, universidades, enfim, o confinamento da população, passou a ser o único recurso eficaz, para minimizar o ritmo de infecções que provocariam um colapso no serviço de saúde do país. Consequentemente, o número de mortos por falta de atendimento, seria enorme. Mesmo em oposição ao desejo do governo federal, conseguiu-se manter o isolamento, embora muitos não o respeitem.
Sabrina e George, viram-se imobilizados  de uma hora para outra. Não voltariam à Espanha, mesmo que fosse permitido, pois a situação por lá já se encontrava caótica. Mas não poderiam também, ficar saindo do apartamento do casal amigo, a menos que por algo extremamente necessário. Válter e Diana, funcionários públicos, concursados, foram dispensados do trabalho e permaneciam em casa.
Ficaram os quatro em casa, confinados e buscando alternativas para preencher o tempo. Logo Válter e Diana perceberam a exacerbada frieza entre o casal amigo. Tão jovens e com tão pouco tempo de casamento, era muito triste, vê-los assim. Participavam efusivamente de atividades que envolviam os quatro  mas quando estavam apenas os dois, os anfitriões percebiam  a estranheza.

"Together" - Aquarela de Luciane Valença

A rotina diária de Diana e Válter era um exemplo de cumplicidade solidária. Quando Diana estava cozinhando, Válter limpava a casa e assim por diante, em todas as tarefas, sem que um cobrasse nada do outro. Além disso, pequenas gentilezas recíprocas, eram frequentes, como levar o café na cama, massagens carinhosas e conversas estimulantes, quando um deles estava mais desanimado. George observava aquilo tudo um tanto sem graça, empenhava-se em ajudar o amigo nas tarefas, mas não raro, Válter pedia que ele auxiliasse  Diana ou Sabrina, no que elas estavam fazendo. Era um exemplo de homem pró-feminismo e George sentia-se constrangido, por se enxergar agora tão diferente, no trato com Sabrina. Percebia o quanto era machista em algumas  situações, desatento às qualidades de Sabrina e egoísta. Sentia que algo estava se transformando dentro dele e começava a sentir vergonha do homem no qual se transformara nos últimos tempos. Focado no trabalho, no brilho pessoal, no dinheiro, deixara de lado, tudo que dizia respeito à mulher com quem se casou e tanto amava.
Percebia também, o olhar de admiração e carinho de Diana para o marido, enquanto  conversavam. O afeto evidente e, muitas vezes, os pequenos carinhos que acompanhavam essas conversas. Afagos nos cabelos, um carinho nas mãos e os olhos sempre conectados aos olhos do outro.
Certo dia, Sabrina conversava com Válter, sobre o andamento de um processo e ele percebeu a admiração com a qual o amigo a escutava. Sentiu até uma pontinha de ciúmes, mas percebeu ali, o quanto estava desconectado da mulher maravilhosa, brilhante que era a sua esposa. Ultimamente, uma reflexão vinha o tempo todo à sua cabeça. “Meu Deus, como pude ser tão idiota, tão egoísta?”. Tentava se reaproximar com atitudes desajeitadas, mas havia muito mais a fazer.
- Gente, quem topa um filmezinho, agora à noite? O tempo tá frio, a gente se joga nos sofás, embaixo do edredom. Ainda temos um vinho gostoso e eu me proponho a preparar uns petiscos.
A ideia de Valter foi super aceita. Escolheram o filme, arrumaram tudo e depois de um belo banho,  deitaram-se, cada casal em um sofá da sala, sob um edredom confortável para começar a “sessão de cinema”.
O casal anfitrião, super aconchegado como sempre, não ficava inibido com a presença do casal amigo, enquanto George e Sabrina estavam visivelmente constrangidos ali, sob o edredom.
Válter e Diana tinham um plano estratégico para “salvar” a relação dos amigos que, eles tinham certeza, ainda se amavam e muito. Depois de algum tempo de filme e algumas taças de vinho, começaram a se beijar e trocar carinhos cada vez mais quentes. George e Sabrina fingiam continuar atentos ao filme, mas perderam totalmente a concentração e se aconchegavam cada vez mais. Sabrina, deitada no ombro do marido, deslizava as pontas dos dedos, do seu peito, até o abdômen e ele estava visivelmente excitado, mas ainda fingiam olhar pro filme.
- Gente, desculpa aí, mas nós vamos lá pro quarto, outra hora a gente termina o filme.Falou Diana, grudada ao marido e com um risinho de satisfação no rosto.
Sabrina e George, entregaram-se a um beijo apaixonado e envolvente, como não acontecia há muito tempo. O beijo foi só o princípio de carícias, carregadas de desejo e afeto. Amaram-se como nunca.
A conversa na madrugada, foi estimulante. George expôs as suas fragilidades, os seus erros e disse tudo, olhando nos olhos da mulher que aproveitou o momento pra também se penitenciar por alguns erros. Estavam inteiros e cúmplices. Extremamente apaixonados, entregaram-se mais uma vez ao amor.
Os dois casais acordaram bem tarde; a noite foi longa e maravilhosa. Havia um clima saudável no ar, apesar do confinamento, do vírus e de todos os erros da humanidade. Havia no apartamento agora, quatro pessoas extremamente esperançosas e felizes.



Lia Sena é escritora baiana, tem quatro livros do gênero poesia, publicados, participação em várias Antologias e Revistas eletrônicas. De vez em quando um conto, uma crônica e recentemente, concluiu o seu primeiro romance que sairá em breve. Recebeu o prêmio Sosígenes Costa de Poesia em 2018 e o livro premiado, Na Veia da Palavra, será lançado pela Editus (Editora da Uesc). Integrante do Mulherio das Letras e Articuladora do Mulherio das Letras da Bahia, atualmente é editora adjunta da Revista Ser MulherArte.




Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

PodPapo 07 | Entrevista com a cantora e multiartista Lica Cecato

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks