Minicontos de Quarentena - por Sonia Nabarrete

Imagem Pinterest


Cabelo

Combinou com a cabeleireira: tão logo terminasse a quarentena, ela iria ao salão fazer alisamento para “dar um jeito” em seu cabelo afro. Odiava o cabelo, mas não poderia se aventurar sozinha ao procedimento. Foram meses de espera. Para se expor, nas poucas vezes em que precisou ir ao mercado ou à farmácia, usava um turbante. O recurso também era usado para participar de reuniões virtuais ou chamadas de vídeo.
Ao final da quarentena, a cabeleireira ligou para propor um horário de atendimento. Ela olhou-se no espelho e descobriu uma linda mulher. O cabelo havia crescido e, com ele, sua autoestima. Confirmou o horário, mas apenas para uma hidratação.



Pablo Picasso


Lembrancinha

Anotou o endereço de entrega, pagou a taxa, já incluindo a gorjeta, e explicou ao motoboy que era um presente para o namorado, na verdade, uma lembrancinha.
— Posso saber o que é?
— Um perfume.
Ele achou que o pacote estava leve demais para ser um perfume e ficou encafifado. “E se esta velha estiver me fazendo de mula e isto aqui for droga?”
O velhinho recebeu a encomenda com surpresa. Dentro de casa, higienizou a embalagem e só então abriu o pacote. Dentro de um saco plástico, uma calcinha dela, devidamente usada, que ele cheirou extasiado.

"O Beijo na Cama", de Henri De Toulouse-Lautrec

Marido


Não sabia o que era o pior da quarentena: ficar longe do amante ou ficar o tempo todo com o marido. Nos primeiros dias, controlou-se para não cometer um homicídio, irritada com a presença daquele que um dia amou. Depois foi ficando deprimida com saudade do outro. Sem ter o que fazer, começaram a ver velhas fotos, registros de um tempo feliz, de quando os filhos, agora casados, eram crianças. Dividiram a cozinha preparando a comida. Tomaram muito vinho e tiveram tempo para conversar. Treparam como se não houvesse amanhã. Ao final da quarentena, avisou ao amante que não poderia encontrá-lo: estava com dor de cabeça.

Imagem Pinterest

Namoro

Ele tomou um viagra. Ela se lubrificou com muita vaselina. Ele achou que ela estava linda de batom vermelho, contrastando com os cabelos brancos, e excitou-se com o sorriso safado. Ela percebeu que ele havia se preparado: os pelos do nariz e das orelhas estavam aparados. Ambos imaginaram que o outro deveria estar cheiroso. E começaram a sacanagem virtual, cada um em sua casa. Foi bom para os dois.



Leonid Afremov 

Bolero

Conheceram-se em um baile de terceira idade. Conversaram, descobriram afinidades, dançaram boleros de rosto colado e aceitaram a sugestão da canção “Béssame mucho”.  Ela sentiu uma umidade entre as pernas e não era incontinência urinária. Ele propôs que fossem para um lugar mais tranquilo. Em outros tempos, teria ido, perdeu a conta dos parceiros sexuais eventuais que teve. Mas quis que com ele fosse mais que sexo. Marcariam um novo encontro. Não deu tempo. Agora, em isolamento social, ligou o vibrador e decidiu que não pensaria em George Clooney ou Antonio Bandeiras. “Hoje o homenageado é você, Antenor”.

***



Paulista de São Caetano do Sul, Sonia Nabarrete é jornalista profissional e atualmente trabalha como freelancer na produção e revisão de textos. É autora da novela Eretos, de Contos Safadinhos e do romance Abusada, além de ter participado de várias antologias, de contos e poemas, no Brasil e em Portugal. Sua escrita é marcada por erotismo, sob olhar feminino e feminista, e um toque de humor. Foi selecionada cinco vezes para a coletânea do Concurso de Microcontos do Salão de Humor de Piracicaba.



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A Poesia renova esperanças: Júlia Alberto, 14 anos, Poeta.

PodPapo 01 | Entrevista com a escritora Rosângela Vieira Rocha

Alma&Luz - A poesia de Ana Cleusa Bardini - seis poemas

Uma crônica em tempos de quarentena - Por Marta Godoi

A poesia terna e lúdica de Alessandra Sanches

Fotografia 5 | Projeto Pixel Ladies + Revista Ser MulherArte - Francine Tobin

PodPapo 02 - entrevista com a escritora Lia Sena

Uma Mulher Admirável - Chris Herrmann

Em uma Metáfora bem-humorada, o passado alerta o futuro: crônica de Marisa Zani

depois O Amor | um Romance apaixonante de Lia Sena