Breves anotações sobre o tempo e o (a)mar - Rejane Dockhorn


Monika Luniak

Uma prosa poética
- por  Rejane Dockhorn

onde iremos amar
onde irão se passar os dias mais serenos
e todas nossas conversas de vida, presenças e ausências de esperança
na areia macia e branca que guarda o sal que o mar deixou e onde nossos passos de sonhos ficam por breves minutos marcados
depois são apagados se misturando a todos demais no mar
pelas ruas de Lisboa, de Roma, de Siena, de Veneza, de Atenas, de Viena, de Strassburg, de Paris, de Toulouse, de Amsterdam, de Bruxelas, em Bremen, em Dresden onde a história nasceu antes daqui, já ergueu e derrubou catedrais, o vento frio varreu das almas utopias, separou homens e mulheres por muros e ideologias, onde se ouviu o canto de grandes vitórias e derrotas, referências de civilidade e coragem
na Lübeck de Mann, na Göttingen dos Grimm, na Berlim de Brecht, na Köln de Böll, na Suiça de Frisch
em Andorra
nos pampas do sul próximo à fronteira onde Giuseppe e Manoela Garibaldi e Anita fizeram juras de amor às estrelas
numa planície, num plano alto onde um índio entre vários outros valentes levava uma estrela na testa
onde Pedro amou 
Ana Terra 
onde?

Cinco poemas

Delphina Pace

O Tempo
repousou seu olhar sobre a máquina de escrever

e pensou se nas suas teclas
no teclado com algumas letras já um tanto desbotadas
os dedos da poeta

acariciaram e sentiram as palavras
se foram brandas como a brisa

ou bravias como o mar revolvendo a areia

e se os dias que ele
o Tempo
e a Escrita viveram juntos ainda tinham algum sentido

alguma razão de ser

e se tinham algum Futuro
sobre as teclas agora repousava o
Passado
e o Presente os aguardava


bom gosto
serás sempre

um apreciador curioso
das minhas formas

e cheiros
mas mais ainda

do meu paladar
pelas palavras

 ***
na enchente
de palavras

não sei
se mergulho

ou se nado
impossível

ficar no raso
Monika Luniak

não pensa que sei (te) escreVer

eu faço de conta
que domino a gramática
e a sintaxe
a linguagem dos ventos e dos versos
de amor
mas não
sou sede pagã de ti
e se invento traços
com as letras
dramática minha sina
de viver longe dos teus olhos claro(s)
e da tua respiração


Monika Luniak

De tão forte,

tornou-se leve
Na leveza
a força
A destreza
de flutuar com
as oscilações
dos ventos
Ou na contramão
do seu tempo.




 Rejane Dochorn Estudou Letras Português/Alemão na Unisinos, São Leopoldo RS
Pós Graduação em Literatura Alemã na mesma Universidade, onde também atuou como docente. Extensão em Língua e Literatura na Universidade Trier, Alemanha. Mora em Porto Alegre. Atualmente prepara o seu primeiro livro solo que publicará em breve.









Comentários

  1. Belíssimos textos, Rejane! Linguagem suave e forte, antítese que se completa em sua produção literária!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Para não dizer que não falei dos cravos | Poemas e videopoemas de Rogério Bernardes

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Três poemas de Oluwa Seyi | A fagulha da vida