Improvisos & Arquivos - Vamos falar de Trova?

| improvisos & arquivos - 04 |


Vamos falar de Trova?
por Chris Herrmann

Antes de trazer a esta publicação trovas improvisadas por mim com uma bela interação com amigos virtuais, gostaria de falar sobre o que é a trova, suas origens e como ela é construída nos dias de hoje. Embora eu não me considere uma típica trovadora, gosto de estudar e experimentar diversos gêneros literários, sem preconceitos. 

Mas vamos lá: a trova é, na literatura, um poema autônomo monostrófico, isto é, que apresenta uma única estrofe com sete sílabas poéticas em cada verso. Os quatro versos em redondilha maior** devem oferecer ao leitor o significado completo da mensagem a ser transmitida.

**A redondilha menor (ou pentassílabo = verso de cinco sílabas) e a redondilha maior (ou heptassílabo = verso de sete sílabas) foram sempre usadas na poesia popular portuguesa desde os seus primórdios. Os poetas "eruditos" nunca as desdenharam. Camões cultivou-as com mestria: “Aquela cativa / que me tem cativo“ (em redondilha menor) e “Perdigão perdeu a pena / não há mal que lhe não venha“ (em redondilha maior) são disso exemplo.

O nascimento da trova está estreitamente relacionado à poesia da Idade Média, quando esta composição poética se referia a qualquer poema e letra de música. Tal criação literária desenvolveu-se no tempo das Cruzadas, do sistema feudal e do prestígio do clero.

Na Europa, mais especificamente na região sul da França e em Portugal, prosperou um movimento poético denominado Trovadorismo. Os poetas que se dedicavam a compor esses poemas eram conhecidos como trovadores.
Os portugueses trouxeram a trova para o Brasil, e continuou com Anchieta, Gregório de Matos, Tomaz Antonio Gonzaga, Claudio Manuel da Costa, Gonçalves Dias, Casimiro de Abreu, Castro Alves, Olavo Bilac, Vicente de Carvalho, Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade.
Trago um exemplo de trova, escrita há alguns anos pelo meu irmão Paulo Magalhães (filósofo, residente em Taubaté/SP) - observe que a sétima sílaba métrica está em azul:
          Não vou além dos meus passos
          Quem dera fugir de mim
          A dor me faz em pedaços
          Na noite que não tem fim
Atualmente, a trova é o único gênero literário exclusivo do português.
A trova é um poema monotrófico, isto é, que contém apenas uma estrofe, com quatro versos heptassílabos (redondilha maior). O significado completo da mensagem que o trovador deseja transmitir deve estar contido nos quatro versos. Trata-se do menor poema da língua portuguesa e deve obedecer a características rígidas.
A rima é obrigatória na trova, mas não é obrigatório haver um título. Esta composição poética possui a sua conceituação própria e diferencia-se da quadra e da poesia de cordel, da Trova Gauchesca, do Repente e do poema musicado da Idade Média.

E como se dá a métrica na Trova? Em poesia cada linha se chama verso e assim a Trova possui quatro versos, sendo que cada um deve ter sete sílabas métricas: quando a sétima sílaba é contada pelo (sétimo) som entonado, e não pela sétima sílaba natural.

E por que ter métrica? Isso não “engessa“ o poema? Não tira a liberdade de expressão/criação? Não, porque nesse caso a métrica é que regula a cadência e o ritmo dos versos, assim como ocorre na música. Isso torna a construção do poema aparentemente mais difícil do que o chamado “livre“, no que diz respeito à escolha dos vocábulos. Mas não necessariamente.

Contudo, não se engane, já que essa “dificuldade“ é a mesma que os músicos de hoje têm ao criar uma letra com melodia. A habilidade do poeta de trovas, sonetos, haikai e qualquer outro gênero de poesia com regras especiais e de metrificação, está na mesma proporção de um bom músico ou um bom poeta contemporâneo.

Não há, em essência, um “poema livre“ na poesia contemporânea, mas um poema que como qualquer outro, necessita ser bem elaborado, sonoro, com escolhas cuidadosas de determinadas figuras de linguagem (conforme o autor achar necessário), com cadência e estética que o torna único.

Não fosse por isso, não seria poesia. Basta observarmos que a maioria dos poemas contemporâneos mais cotados para se tornarem canções, são exatamente os que possuem maior cadência e ritmo. E o que é isso se não a herança da poesia dos cantadores e trovadores do passado?

Eu concluo que livre é o pensamento e não o poema. Este último é a (des)construção e a reorganização do caos que é o nosso pensamento para transformá-lo em uma obra poética. Forma, signos, cheiro, sabor, sonoridade, cadência, enfim, toda uma estrutura estética e de consistência própria a ser apresentada ao leitor como ‘produto final‘, único e artístico. Alternam-se apenas as ferramentas e apetrechos trabalhados com e na linguagem literária (e visual), mas o fio condutor que permeia e acompanha este caminho ao seu destino é o mesmo.

Voltando às trovas, como são as rimas? As rimas de uma trova podem unir o primeiro ao terceiro verso e o segundo ao quarto, seguindo a estrutura rimática alternada (ABAB). Pode também apresentar outra disposição, com o segundo verso se ligando ao quarto, conforme a estrutura ABCB (rima simples). Existem também trovas com rimas no plano ABBA (rima interpolada) e AABB (rima emparelhada).
São três os gêneros básicos da trova:
  • Trovas líricas – Abordam sentimentos;
  • Trovas satíricas – São as engraçadas;
  • Trovas filosóficas – Contêm ensinamentos.
A trova também é chamada de “quadra” ou “quadrinha”, porém esta comparação apresenta problemas, uma vez que as regras da trova não ocorrem necessariamente na quadra. É importante ressaltar que a quadra é uma poesia mais longa, enquanto a trova se resume a uma estrofe completa em si.
[ fontes: arquivos pessoais, site: estudopratico ]

꧁☬꧂
Agora, aos improvisos! As sugestões de palavras que os amigos me deram e os resultados:


Vera Ione Molina sugeriu ABRAÇO:

CH - Trova 1

tristes notas de pesar
doendo do peito ao baço
depois que tudo passar
quero te dar um abraço


Silvia Maria Ribeiro sugeriu LAÇOS:

CH - Trova 2

chorei por laços desfeitos
pensava ser minha culpa
ignorava os defeitos
estagnei-me em pupa


Helena da Rosa sugeriu ENCANTO:

CH - Trova 3

encanto-me por tão pouco
sorriso, beijo, abraço
mas se prenderem o louco
eu dou aquele festaço


Lia Sena sugeriu EMPATIA:

CH - Trova 4

pinoquio que não é mudo
não merece anistia
nesse homem falta tudo
falta amor, falta empatia


Claudia Manzolillo sugeriu TRANÇA:

CH - Trova 5

menina-mulher de trança
perdeu o baile da vida
por deixar de ser criança
por ser pouco atrevida


Divanize Carbonieri sugeriu LIBÉLULA:

CH - Trova 6

hoje eu vi uma libélula
seu voo me paralisa
do último poro à célula
arrepio que eterniza


Andrea Lucia Guarçoni sugeriu JUSTIÇA:

CH - Trova 7

justiça de deus? que nada.
justiça dos homens? piada.
se esperar vira indigente
a gente conta é c’oa gente!


Tê Caroli sugeriu MEMÓRIA:

CH - Trova 8

quem tem memória, tem muito
quem honra a história, tem mais
pois que em tempo fortuito
quem não tem culpa, tem paz


Ada Zanirato sugeriu SERENA:

CH - Trova 9

a esperança é serena
pra quem não sai do lugar
uma tv sem antena
uma alma sem lutar


Denise Moraes sugeriu ENTEDIADA:

CH - Trova 10

sente-se entediada?
no seu apê moribundo?
faz de conta que é balada
pega um livro e dance o mundo


Elisa Campos sugeriu ESTRELA:

CH - Trova 11

pensou ter visto uma estrela
delirante e cadente
era nada, era só ela
e aquela fome indecente


Celso José Ferreira de Oliveira sugeriu GREGÁRIO:

CH - Trova 12

será o instinto gregário
vírus pior que o corona?
pergunte ao seu Olegário
no grupo do zap da mana


Inês Lempek sugeriu LOUCURA:

CH - Trova 13

costuraram a realeza
nas roupagens da loucura
enganaram a safadeza
que cavava a sepultura

Comentários

  1. Parabéns pela matéria, Chris. Edição, trovas, tudo muito bem cuidado!

    ResponderExcluir
  2. Uma trova se bem feita
    tem que ser bem analítica
    mesmo que seja refeita
    sobreviver sobre a crítica.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Machismo estrutural | Quando a imprensa também exclui as mulheres

Uma resenha de Marta Cocco | "Uma Diva na passarela estreita do Jabuti"

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Uma série pictórica de Neide Silva | Flores do Cerrado

Yedda Maria Teixeira | o prêmio da arte de amar

A poética que roça os sentidos | Banquete poético

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

De Prosa & Arte| Nosso Corpo não é Bagunça!

IX Tertúlia Virtual | Vozes e Olhares de uma Poética do Feminino

Um conto de Ciça Ribeiro | "O doce bombom"