O Tempo sonha em travesseiros de pedra: cinco Poemas de Lua Serena



Tempo virá
em que o mundo
há de ficar
sozinho

Gemem as mãos
na repulsa
das carícias
choram as estrelas
no apagão
dos olhos descrentes

Contar o tempo
é mania que se apanha
e não se aprende
não se rende
o corpo da teimosia
ainda que falhe a fé
e cale a alma
...
Tempo virá
ainda que tarde
o entendimento
há de ficar sozinho
o mundo
na imensidão dos céus
...
Logo anoitece.


A vida
é um encantamento
que o tempo tira
pra dançar com o vento
ora tempestade
ora brisa mansa.

Mas as secas chegam...

Mas a vida cansa.



Eu moro na fé dos desesperados
nos joelhos dobrados
dos sem teto
sem chão
sem eira
nem beira de estrada
nem caminho a seguir.

Eu moro na esperança dos caídos
sofridos até a raiz
dos cabelos
dos fios e meados
da vida
enredados
alma e breu
coração.

Eu moro na certeza
incerta
    do talvez
quem sente
quem sabe?

Eu moro no lado de dentro
e dentro a gente    sonha
e                                    sobrevive!
       ...
A realidade é um sopro...  e se morre.


Perdoa
palavra
que eu não falei
O amor que
(em mim)
calei
por um triz
...

Foi medo
de ser feliz.




Outono 
soprando
na face
e os fios
de orvalho
serenando
o telhado
emaranhado
de dedos
marcados 
de lembranças.

Fardo pesado
do tempo!

O alento
de quem sente
o passar
de outonos
tantos
é um manto
perolado
de conhecimento.

Só peço
ao Deus
de tantas estações
não permita
que eu entre
no céu
careca de vivências. 

Quero a presença
de flores 
no topo
da minha sanidade
apesar das frágeis
folhas
idas com o vento.

(...) Ou terei que levar 
meu velho
chapéu
de fitas.

*as ilustrações de Walter Lewy.



Lua Serena, poeta gaúcha,  apaixonada por filosofia e litetatura, escreveu seu primeiro poema aoa 12 anos de idade, poema esse que recebeu o prêmio literário pela dia da árvore. Com 4 livros publicados,  não se considera poeta, mas uma amante da arte. Lua Serena é mãe,  avó,  mulher e poesia. "Penso,  logo escrevo."  Lua Serena.


Comentários

  1. Nossa, fantástica edição!

    Gratidão profunda!

    🙏❤

    ResponderExcluir
  2. Lua Serena, todos os seus poemas são belos! Eu moro na fé dos desesperados e perdoa palavra que eu não falei me tocaram mais de perto. Mas, o conjunto da sua obra me convida a novas leituras. Obrigada, por compartilhar!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A poesia bela e visceral de Jade Luísa

Uma Colher de chá pra ele - Fabrício Brandão

Improvisos & Arquivos 06 | O que eu observei nessa pandemia - publicação coletiva

Zezé Freire | 4 poemas

Camila Pina | Uma pausa pra falar de gênero

Pôr do Sol | um conto de Vera Ione Molina

Coluna | Ouvindo Mulheres 11 - O poder sagrado de Auritha Tabajara

Isabel Furini & Luciane Valença | 5 poemas 5 telas

A poesia magistral&impecável de Águeda Magalhães