Araceli Otamendi e Isabel Furini: Sonhos

Imagem gerada pela IA do Bing
O sonho de Facundo

O General Facundo Quiroga entrou no carro. Ele olhou para o céu estrelado, ouviu o relincho de um cavalo. Também cães latindo ao longe.

Mentalmente ele começou a escrever uma história que o tivesse como protagonista. Não tinha papel nem lápis nesse momento. Naquela noite, durante a viagem, ele  teve um sonho. Em seu sonho teve uma morte violenta e acordou. Ele então pensou que esse poderia ser o final da história que havia imaginado. 

Ele não imaginava que os assassinos estivessem tão próximos.

Nem imaginava que mais tarde alguém escreveria a sua história e que o seu nome e fama chegariam tão longe.

© Araceli Otamendi


Imagem gerada pela IA do Bing

Um peixe no espelho


meus olhos são invadidos pelo sono,
fecham-se as pálpebras,
abre-se o olho infinito dos sonhos
desafiando abismos
um peixe nada em um espelho convexo
(estranha fantasia
profundo simbolismo)
nesse teatro de sombras
um peixe voa
entre os sulcos de minha imaginação

abro os olhos
submergida em imagens
a minha mente duvida...
o peixe usurpou meu sonho
ou eu (impensadamente)
capturei o sonho do peixe

Isabel Furini


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

A vendedora de balas - Conto

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes