Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Poesia feita por mulheres

A POESIA DE ADRIANE GARCIA - por Nic Cardeal

Imagem
(fotografia do arquivo pessoal da autora) 8M Mulheres não apenas em março.  Mulheres em janeiro, fevereiro, maio. Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios. Mulheres quem somos, quem queremos. Mulheres que adoramos. Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato. Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas. Mulheres de verdade, identidade, realidade. Dias mulheres virão,  mulheres verão, pra crer, pra valer! (Nic Cardeal) Hoje é dia de maravilhas poéticas da fantástica escritora  ADRIANE GARCIA : 1) UM DEUS NOS ACUDA Quando a gente precisa E o outro também precisa É um deus nos acuda Um corre pra cá um corre pra lá Uma fila de formiga (no meio) quando uma folha cai. (* poema publicado no livro 'O nome do mundo') (capa do livro O nome do mundo ) -*-*-*- 2) DE MEU ÂNGULO  Estou de cabeça para baixo Todos estão, mas só eu percebo O céu embaixo de minha cabeça  Se olho para cima só vejo Terra E acima de mim é pura superfície  O difícil é essa posição incômoda  O mar não é profundo  P

UniVerso de Mulheres 14 - A poesia sagaz e contundente de Suene Honorato, por Valeska Brinkmann

Imagem
  UniVerso de Mulheres 14       Entidades , intstalação de Jaider Esbell        foto © Caio Flavio (@_cf_drones_bh) A  poesia sagaz e contundente de Suene Honorato, por Valeska Brinkmann  1.7 Justificado Na hipótese de viver à margem das benesses do mercado seriam mortos por um explorador qualquer que impressionado com a miséria diria: Sabe, eu não choro só porque a lágrima me desalinha me envelhece. Preciso rir as tantas vezes que o orbicular o risório o bucinador movimentem diariamente. Mas se fosse por mim ,ah se fosse se sesse, lágrima ia lágrima vinha. Pena não ter escolha. E de lá revoltariam sem ter sido assujeitados: N'oré îukaî xûéne ! 5.1 Introdução à lírica moderna De quanta teoria se precisa para ler poesia? Não introduzamos a lírica moderna em nenhum orifício nem mesmo pelo buraco dos olhos até os ossos do ofício. Michel Temer é poeta. 5.6 Patativa no centro Os poeta niversitáro quer dos críco literáro elogio sem função. Os poeta da perifa tá cansado das burrice, quer

PALETAS DA ALMA/ POESIA: APRESENTE-SE A SI MESMO POR GABRIELA LOPES

Imagem
Coluna 01 Paletas da Alma - Estreia Quero primeiramente agradecer o convite da querida Chris Herrmann  em poder fazer parte desse lindo espaço da Revista internacional Ser MulherArte. Fico muito honrada e feliz.  Minha primeira coluna será um poema da minha autoria. Seguirei nesse espaço contribuindo  com as paletas da alma.  Às vezes as cores dela são vívidas, às vezes são misturas diversas ou apresentam turvação e, de um modo geral, são parte das acontecências em estar vivo. Apresente-se a si mesmo É diferente sim. Sempre foi... Desde anos remotos... Na volta do trabalho fazia poesias no ônibus, O rascunho do celular era pergaminho, as curvas do caminho faziam jorrar letras. É diferente sim. Como quando criança escrevendo doces linhas do que pensava saber da vida. Mesmo não sabendo absolutamente nada, acreditar que possuía entendimentos, fazia brotar rimas e confiança. É diferente sim, quando choro pelo amor amado pelo abraço bem dado, pela alegria do b

UniVerso de Mulheres 13 - A memória e o erotismo na poesia de Anastasia Candre, 3 poemas traduzidos por Valeska Brinkmann

Imagem
UniVerso de Mulheres 13                                                                                                             arte  ©Eliana Muchachasoy A memória e o erotismo na poesia de Anastasia Candre 3 poemas traduzidos por Valeska Brinkmann        A chagra   Avó da abundância Avó dona da dança de frutas Ela planta as sementes E delas cuida com amor maternal Pau de yuca, yuca brava, yuca doce, yuca para beber Vovó eu quero ir para a chagra Semear tubérculos, inhame, banana da terra, milho, abacaxi Replanto muitas árvores que foram derrubadas Cipós que foram cortados e sangram A terra que queimaram Vem meu irmão  E que venha a abundância Na chagra se ensina os conselhos  Na chagra foi onde me ensinaram Na chagra, a avó transmite seus saberes A seus filhos e filhas, netos e netas * Chagra é uma pequena área de terra cultivada, de aproximadamente um hectare, geralmente localizada a no máximo dois quilômetros de distância da aldeia indígena. É considerado um espaço de fecundidad

Poemia 01 | Tempo - por Chris Herrmann

Imagem
| coluna 01 | Estreando esta nova coluna, onde trarei sempre dois poemas autorais e uma imagem artística. Hoje quero falar do tempo... O tempo o que me assombra não é o tempo que perdi reverenciando inutilidades, nem a imagem refletida que tiveram de mim. me assombra é o tempo, o que se perdeu na carcaça, que me fez caça e prisioneiro, que não mais me serve. mais ainda me assombra não é a sombra que eu era, mas a que ficou vazia e só nas águas de um tempo ido. Aquarela de Lu Valença Muda nunca tive a certeza das árvores vi minhas raízes crescerem nômades, avançar rios, lágrimas cachoeiras sem eira nem beiras fazer cabo de força de mim entre continentes e oceanos nunca tive a certeza dos troncos mas a dos trancos e barrancos das tempestades sem fim a certeza, eu aprendi foi com a muda que teve a planta dos pés queimada e as folhas arrancadas por outonos atrevidos a muda me ensinou a falar para sobreviver à próxima estação me ensinou também a ter a certeza de que tudo muda.