A POESIA DE ADRIANE GARCIA | Projeto 8M


(fotografia do arquivo pessoal da autora)

8M

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
Dias mulheres virão, 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)

Hoje é dia de maravilhas poéticas da fantástica escritora ADRIANE GARCIA:

1)

UM DEUS NOS ACUDA

Quando a gente precisa
E o outro também precisa
É um deus nos acuda
Um corre pra cá um corre pra lá
Uma fila de formiga (no meio) quando uma folha cai.

(* poema publicado no livro 'O nome do mundo')


(capa do livro O nome do mundo)

-*-*-*-

2)

DE MEU ÂNGULO 

Estou de cabeça para baixo
Todos estão, mas só eu percebo
O céu embaixo de minha cabeça 

Se olho para cima só vejo Terra
E acima de mim é pura superfície 
O difícil é essa posição incômoda 

O mar não é profundo 
Profundo é o abismo azul
Ou negro de longínquas estrelas

E o homem acha que ascende
Quando de fato submerge
No seu equívoco celeste.

(* poema publicado no livro 'O nome do mundo')

-*-*-*-

3)

ALEIJÃO

Um peixe é um pássaro 
Sem asas
Mas um pássaro é um peixe
Sem águas 
E não são como nós incompletos
Porque o pássaro 
É um contente emerso
O peixe
Bem submerso
O homem escava
Submarinos
E se alada
A descontento:
Os pés de terra.

(* poema publicado no livro 'Só, com peixes')

(capa do livro Só, com peixes)
-*-*-*-

4)

A CORCUNDA

Tanta invenção 
E essa água que sai de mim
Vem de onde?
Não vejo salvação alguma 
Se meus olhos constantemente 
Turvam
Quando Deus me abençoou
Botou suas mãos pesadas
Sobre os meus ombros.

(* poema publicado no livro 'Só, com peixes')

-*-*-*-

5)

PARA DENTRO E PARA CIMA

Quando escurece
É preciso apagar
Ainda mais as luzes
A necessária coragem
Para habitar o noturno:
As estrelas brilham
É no breu.

(* poema publicado no livro 'Garrafas ao mar')

(capa do livro Garrafas ao mar)
-*-*-*-

6)

ESCREVER

Dou água para os meus
Unicórnios
E à tarde vou à costureira
Deus é engraçadinho
Deu-nos por dentro
Um irmão Lumière
Não pesquei nuvens
Hoje
Vou beber na taverna
E com um pouco de sorte
Talvez
Me perder na floresta
Quero contar
Mil mentiras 
Pra cada verdade 
Insuficiente.

(* poema publicado no livro 'Garrafas ao mar')

-*-*-*-

7)

I

Tangidos os bois
Suas patas amassam o barro
Depois das chuvas

Manso mugido trazendo
Todos os mugidos do mundo
Portal do antes e do depois
Dos bois

Canga dos homens sob o disfarce
De atrelar animais
Carroça/Carpinteiro/Abate/Couro/Martelo

O primeiro som do universo:
O rugido arrastado
Do eixo oprimido da roda.

(* poema publicado no livro 'Arraial do Curral del Rei - a desmemória dos bois') 

(capa do livro Arraial do Curral del Rei)

-*-*-*-

8)

EVA INSONE

Fora
Tudo cala
Dentro
Tudo fala.

(* poema publicado no livro 'Eva-proto-poeta')

(capa do livro Eva-proto-poeta)
-*-*-*-

9)

PARAÍSOS ARTIFICIAIS

O paraíso 
É quando Adão 
Está dormindo.

(* poema publicado no livro 'Eva-proto-poeta')

-*-*-*-

10) 

A BOLA AZUL DE YURI GAGARIN

Que tudo tenha fim
Menos a bola de Yuri Gagarin

Não é plana
Como dizem
Os quadrados

Bola oval
Safira azul
Com alguma terra
Incrustada

Nave e casa
Onde nos ferimos
Como quem proclama
Que não merece

A joia do universo
Refletida
Na pupila azul
De Gagarin

"Através da janela 
Eu vejo a Terra
O chão é claramente identificável
Eu vejo rios e
As dobras do terreno

Tudo é tão claro."

(* poema publicado no livro 'Estive no fim do mundo e me lembrei de você')

(capa do livro Estive no fim do mundo e me lembrei de você)

-*-*-*-

11)

TERRA MINGUANTE

Sento-me na superfície 
Da Lua
Traindo mais leis
Que as gravitacionais

A poeira lunar
Por vinte e oito dias
Aumenta o contraste
Com o azul

Tudo perdido
Entrego-me ao sonho:
Durmo em crateras e
Avisto um planeta

Terra nova
Terra crescente
Terra cheia
Terra minguante.

(* poema publicado no livro 'Estive no fim do mundo e me lembrei de você')

-*-*-*-
* 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas' iniciado em março/2021, por Nic Cardeal. 


(fotografia do arquivo pessoal da autora)

ADRIANE GARCIA é natural de Belo Horizonte/MG, onde vive. É graduada em História pela UFMG, especialista em Arte-Educação pela UEMG e atriz, além de escritora de livros infantojuvenis, de teatro, contos e poesia. Vencedora do Prêmio de Literatura do Paraná  - Helena Kolody, em 2013, com o livro de poesia Fábulas para adulto perder o sono. Integra o site 'Escritoras suicidas'.

Livros publicados: Fábulas para adulto perder o sono (poesia, vencedor do Prêmio Paraná de Literatura 2013, Curitiba/PR: Biblioteca do Paraná, 2013; e Rio de Janeiro/RJ: Confraria do Vento, 2017, 2a. edição); O nome do mundo (poesia, Fortaleza/CE: Armazém da Cultura/2014); Só, com peixes (poesia, Rio de Janeiro/RJ: Confraria do Vento, 2015); Enlouquecer é ganhar mil pássaros (poesia, e-book, Vida Secreta/2015); Embrulhado para viagem (poesia, plaquete, org. Ana Elisa Ribeiro e Bruno Brum, Belo Horizonte/MG: coleção Leve um Livro - Segunda Temporada, 2016); Garrafas ao mar (Guaratinguetá/SP: Penalux, 2018); Arraial do Curral del Rei - a desmemória dos bois (São Paulo/SP: Conceito Editorial, 2019); Eva-Proto-Poeta (poesia, Nova Lima/MG: Caos & Letras, 2020); Estive no fim do mundo e me lembrei de você (poesia, São Paulo/SP: Peirópolis, 2021).






Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Preta em Traje Branco | Cordel reconta: Antonieta de Barros de Joyce Dias

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

Uma resenha de Vanessa Ratton | "Caminho para ver estrelas": leitura necessária para a juventude

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende