UniVerso de Mulheres 14 - A poesia sagaz e contundente de Suene Honorato, por Valeska Brinkmann

 




UniVerso de Mulheres 14 


    Entidades, intstalação de Jaider Esbell      foto © Caio Flavio (@_cf_drones_bh)


A  poesia sagaz e contundente de Suene Honorato, por Valeska Brinkmann 


1.7 Justificado

Na hipótese de viver à margem

das benesses do mercado

seriam mortos por um

explorador qualquer que

impressionado com a miséria

diria: Sabe, eu não choro

só porque a lágrima

me desalinha me envelhece.

Preciso rir

as tantas vezes que

o orbicular o risório o bucinador

movimentem diariamente.

Mas se fosse por mim

,ah se fosse se sesse,

lágrima ia lágrima vinha.

Pena não ter escolha.


E de lá revoltariam

sem ter sido assujeitados:

N'oré îukaî xûéne!


5.1 Introdução à lírica moderna


De quanta teoria

se precisa

para ler poesia?

Não introduzamos

a lírica moderna

em nenhum orifício

nem mesmo

pelo buraco dos olhos

até os ossos do ofício.


Michel Temer é poeta.


5.6 Patativa no centro


Os poeta niversitáro

quer dos críco literáro

elogio sem função.

Os poeta da perifa

tá cansado das burrice,

quer poesia com potênça

de criar a resistênça

contra a doutrinação.


2.8 Palavração


A palavra não pode

tudo.

Ainda bem.

Se pudesse, era meu

esse poder

também.


5.7 Intransitividade


O valor estético

matou "hordas selvagens"

para que donzelas suspirosas

se condoessem com Iracema.


O valor estético

tem cor: é branco. Tem gênero:

é masculino. Tem formas

reconhecidas pela tradição.


O valor estético

defende família papai-mamãe

e acumulação de capital intelectual

– formas de propriedade.


O valor estético

tem ciúmes das poetas

que não se importam com ele

e escrevem apesar dele.


O valor estético

ensurdeceu-se

de tanto gritar.

E não aprendeu Libras.



Suene Honorato nasceu em Goiânia, em 1981. É professora de literatura no curso de Letras da Universidade Federal do Ceará, em Fortaleza. Foi professora de língua portuguesa no curso de Educação do Campo da então Universidade Federal do Tocantins, em Tocantinópolis. Publicou N'oré îukaî xûéne! (Patuá, 2020) e Vinde, e poetizaremos!: Poemas-fichamento sobre O mestre ignorante, de Jacques Rancière (Plebeu Gabinete de Leitura; Sem Nome Editora, 2020).

Os poemas acima foram retirados de N'oré îukaî xûéne! (Patuá, 2020) www.editorapatua.com.br




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

SEIS POEMAS DE MARIA GABRIELA CARDOSO | LUA PINKHASOVNA

A ESCRITA DE GIOVANA DAMACENO | por Nic Cardeal

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

A POESIA DE HELENA ARRUDA | por Nic Cardeal

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Nada mais vai ao caixão | Marilia Kubota

A POESIA E A PROSA DE ADRIANA BARRETTA ALMEIDA | por Nic Cardeal