Marli Boldori, Chris Herrmann, Sonia Cardoso, Divani Medeiros e Rita Delamari : Teatro

 


Hoje, 19 de  Setembro, é comemorado o Dia Nacional do Teatro.
Com o objetivo de divulgar a religião, o teatro iniciou no século XVI no Brasil. Em 1808, recebeu um novo impulso com a chegada da Família Real Portuguesa. Os nobres gostavam de  teatro, e  foram convidadas companhias estrangeiras para apresentar diferentes peças. Era uma maneira culta de entretimento, de vida social, e uma oportunidade para as mulheres encantar com seus elegantes vestidos e suas joias.
O gênero cômico, iniciou no século XIX. E era muito popular. 
O teatro mais antigo do Rio de Janeiro, foi inaugurado em 1813, por Dom João VI, com o nome de Real Theatro de São João. Depois de um incêndio, foi reconstruído e inaugurado em 1930, com o nome de Teatro João Caetano.
Na continuação, nossa homenagem poética para todos aqueles que mantêm viva a Arte do palco.
Aplausos para todos os profissionais de Teatro. E que a magia do  palco continue...
Isabel Furini - Colunista


Teatro da vida

As cortinas do teatro abrem-se
sob aplausos intensos.
Um homem bem vestido
Pisa no palco.
Com voz bonita dá as boas-vindas a todos.
Fala sobre o que vai acontecer.
Faz um reverência e sai
A plateia não quer saber de ouvir, quer ver.
Em seguida, a peça começa a ser encenada
Muitos atores envolvidos
Eles concentram-se na coxia.
Enquanto isso
o público vai ao delírio
pouco a pouco os personagens vão
Interpretando a história, mostrando à memória
o que passou há um século,
toda a verdade encenada
em tempo atual.
Resgatada e registrada
pelos atores, a história de uma vida,
que até ali era desconhecida
agora desfez-se a lenda
graças ao palco do teatro.

Marli Terezinha Andrucho Boldori-Porto União-SC

Imagem gerada pela IA do Bing

Os florais de Bárbara

na alma
rosa de hiroshima

no coração
magnólia

nos olhos
erva-doce

na boca
dente-de-leão

no palco
comigo-ninguém-pode

nas mãos
as palmas

Chris  Herrmann


**


Teatro:  A  Vida através da Arte 

A vida é a arte da sabedoria 
Dance, cante e sorria, com maestria.
Não feche a cortina da imaginação 
O palco é fonte de inspiração 
Transforma figurante em vilão 
Encontra nele formas de expressão 
Busque no conhecimento a reflexão 
As  mentes são  ávidas para aprender 
No teatro surge o olhar, os gestos, 
as  formas de saber viver. 
Teatralize-se,  aflore sua emoção 
Estimule a criatividade
Ela se faz presente 
em qualquer encenação. 

Divani Medeiros


Imagem gerada pela IA do Bing

A mulher e o teatro 

No teatro da vida 
A mulher se apresenta 
Para qualquer papel 

Veste inúmeros figurinos 
Sua persona é coragem 
Superação muitas vezes 

Aplausos são raros 
Mas ela não os espera 
Para desempenhar 

Com maestria 
A mãe, a esposa, 
A profissional. 

Sonia Cardoso


**




Aplausos

Nos palcos da vida
A mulher é protagonista.
Exerce tantos papéis
É diretora, dramaturga,
Atriz, bailarina e contista.
Decora bem o texto,
É mestra em contracenar. 
Em cena, ela dá aula
Com perspicácia e malícia.
Sua voz firme, a empoderar!
No teatro, elas são tantas
E tantas foram as histórias:
A lindíssima Tônia Carreiro,
Laura Cardoso, a Dira e a Bibi,
Ruth de Souza, negra pioneira,
A épica Fernanda Montenegro
E o feminismo da Letícia.
A exuberante Claudia Raia,
E a força, nas palavras da Dercy.
Taís, Eva Wilma e a Glória...
Todo dia, é dia de estreia.
A elas, todos os aplausos!
Os mais calorosos da plateia.

Rita Delamari


Comentários

  1. Parabéns colegas, Isabel Furini, Carlos e todos que tão bem desempenham seus papéis na vida e no teatro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

CELEBRAÇÃO POÉTICA PARA ROSEANA MURRAY | Poetas Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Isabel Furini, Maria Antonieta Gonzaga e Jucélia Betinardi

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

A vendedora de balas - Conto

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende