CINCO POEMAS DE GIRLENE VERLY | DO LIVRO "O CORPO SABE QUE É TERÇA, MAS SE DISTRAI"

fotografia do arquivo pessoal da autora 


Cinco poemas de Girlene Verly

do livro 
"O corpo sabe que é terça, 
mas se distrai"

capa do livro O corpo sabe que é terça,  mas se distrai 



CORPO HISTÓRICO 

nascemos cruas
e crescemos
à espera
do que não se sabe bem
o quê

crianças, somos expostas
e crescidas, criamos couraças
armaduras invisíveis
que nos ensinaram a vestir
para nos livrar dos nãos
e de nós

e nossas cores, tão lindas
de nascença
nossos cabelos tão nossos
felizes e displicentes
começam a incomodar
o outro
a ponto de nos afligir
seu embaraço

a ponto
de termos que nos esconder
de nós mesmas
por termos nascido
assim
e não assadas

imagem do Pinterest,  Lucy Campbell
-*-


SÓ SEI SENTIR

sei sentir
por isso dei pra escrever sobre o que me rouba
a paz
sobre o que me cansa
sobre o que me causa
transbordamentos

sento e escrevo
pensando que será uma coisa que
quase
nunca é

permito que o branco da tela se tinja
enquanto retomo a ideia inicial
mutante e
fugidia

leio, releio
de olhos fechados
vejo
o que cheira, o que fere
a carne do verbo
o casmurro pleonasmo

pesquiso a palavra mais próxima e
se der sorte
a exata

o vômito quente prossegue
se espalhando em metamorfose
até que lhe firme alguma consistência
um corpo-esboço
uma esperança em gota
um copo de lágrima
ou
algum contentamento

* O pior é que acontece dessas criaturas não ficarem prontas nunca
mas também acontece de ficarem
e eu voltar a ter as narinas livres para respirar
a cabeça fria para tomar um banho e esquentar o jantar.

imagem do Pinterest 
-*-


DESCOMPASSO 

cá estou fora do tempo
a desconhecer seu princípio
e fim
cá estou a pegar o ritmo
a lutar para decifrar
o código

cá de fora rio
ou será que riem de mim?

posso até acreditar
que conduzo meus próprios passos
que sou amiga do instante
que ele me pega pelas mãos
corremos juntos
e que não me ameaça

mas só
eu sei
como estou cá
por dentro

imagem do Pinterest 
-*-


QUANDO O REAL DILACERA

o resto de esmalte na unha
os pés trincados
a menstruação que demorou
e não veio
é real

também é real o café
coado e comido, às pressas
a roupa amarrotada
que testemunha
o ponto de ônibus lotado
o motorista petulante

o real é beira e borda
é náusea, é trapo
é o tomara-que-caia
que denuncia
o queimado da pele

o real habita o ventre
ingênuo, que pulsa, censurado
nem nasceu e já tem história:
pré-conceito, pré-natal
pré-eclâmpsia, cesárea

agora é amamentar
alimentar e aumentar
a imunidade
para as doenças do corpo

para os males da sociedade
placebo

imagem do Pinterest 
-*-


MATURIDADE 

dizem que o bom da maturidade é a
sabedoria
sinto informar
no meu combo
que inclui ruguinhas fofas
fios brancos e flacidez
faltou esse item

de brinde veio a petulância
um certo desprezo
pelo que me esgota
e até uma ousadia para ser
feliz
sozinha

sem vergonha
nem vontade de prestar
contas
também virei uma contra-lei
sou contra todas
que oprimem o corpo e as ideias
e nos obrigam a nos vestir
dos outros
de carimbos
nacionais ou
made in China

-*-

fotografia do arquivo pessoal da autora 


GIRLENE VERLY é escritora mineira. Formada em dançaterapia, é bailarina de dança oriental. É graduada e mestre em Letras pela UFSJ, e doutora em Literatura Comparada pela UFMG. 

Tem participado de antologias de contos e poesias, e de revistas literárias. Em 2023 publicou o livro O corpo sabe que é terça, mas se distrai (poesia), pela Editora Folheando. Foi selecionada para a Antologia Nós, do Selo Off Flip. Seu novo livro Dança de samambaias (poesia), está em pré-venda pela Editora Patuá. Pode ser encontrada no Youtube: Girlene Verly; e no Instagram: @autora_verly.








Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

A POESIA FASCINANTE DE ANA MARIA LOPES | PROJETO 8M

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

A vendedora de balas - Conto

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

UniVerso de mulheres 03 Poesia Alemã e Indígena - Três poemas de Márcia Kambeba

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"