Poema | Fremente, por Jeane Tertuliano


|Coluna 09|

Palavras são vertidas

silenciosamente

dos lábios escarlates

que denotam perversão

aos pútridos olhos

dos cidadãos de bem

que, imersos na maldade, 

provêm egoicos rebentos

do reflexo peçonhento

da grandiosa pequenez.

A densidade corpórea

do sexo oprimido

é fremente.

Anseia por ser lida

e compreendida

nas entrelinhas das rimas

que ecoam ritmadamente

ao som da mudez dorida

infligida a tantas Marias.

Já não podemos ser belas,

recatadas e do lar...




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Quatro poemas de Ana Dos Santos | "Retorno ao Atlântico Negro"

Poema | Nunca Mais, por Jeane Tertuliano

Lançamento | Coletânea Mulherio das Letras para Elas

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Pés Descalços 02 | Uma página para cada coisa

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Para não dizer que não falei dos cravos | Seis poemas de Jansen Hinkel

MulherArte Resenhas 16 | "Chão Batido", de Juçara Naccioli: vozes monumentais de ontem e de hoje - Por Marli Walker