Poema | Fremente, por Jeane Tertuliano


|Coluna 09|

Palavras são vertidas

silenciosamente

dos lábios escarlates

que denotam perversão

aos pútridos olhos

dos cidadãos de bem

que, imersos na maldade, 

provêm egoicos rebentos

do reflexo peçonhento

da grandiosa pequenez.

A densidade corpórea

do sexo oprimido

é fremente.

Anseia por ser lida

e compreendida

nas entrelinhas das rimas

que ecoam ritmadamente

ao som da mudez dorida

infligida a tantas Marias.

Já não podemos ser belas,

recatadas e do lar...




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Isabel Furini, Isabel Regina Nascimento e Gisela Maria Bester e Angela Dondoni: Teatro

Divina Leitura | O tutano da experiência viva em "Jardim de ossos" de Marli Walker

Uma Crônica sobre mulheres - por Rejane Souza

Cinco poemas da baiana Luh Oliveira