MulherArte Resenhas 14 | O "Domicílio" de Marta Cocco: A arte de habitar a poesia contemporânea - Por Eduardo Mahon

 


O Domicílio de Marta Cocco: 
A arte de habitar a poesia contemporânea 

- Por Eduardo Mahon


A beleza de ler um livro ainda não publicado é que, depois que encarna no papel parece ser algo completamente diferente. Exilado no Manso, há mais de 1 ano, li o copião do atual Domicílio (Gesto, 2021). Senti um gosto meio amargo de balanço, fim de festa, noves fora, trocando em miúdos. Talvez fosse a pandemia, o sol escaldante, o cenário do cerrado bruto. Li várias vezes como se, na poesia de Marta, houvesse alguma salvação. Nunca há. Quem sabe, dê-se justamente o contrário. Agora, devidamente vestido de capa e contracapa, o livro confirma a minha sensação inicial. A maturidade cobra uma espécie de retrospecto, antologia ou exposição do que se aprendeu até aqui. Não poderia mesmo ser um livro esperançoso em meio ao nosso contemporâneo desesperançado. 

Domicílio abre-se em cômodos, cada qual dedicado a um estilo e/ou tema, prato cheio para os estruturalistas que babarão de gula com a “antiga decoração” proposta. Essa referência ao passadismo me impressionou. É que a problematização realizada pela autora é justamente essa: demonstrar que a questão central não é a metrificação em si, mas o trato do tema – se passado ou se atual. Daí que a poesia não precisa do quebra-quebra da vanguarda para se renovar. Pode conviver com o tapete gobelin pregado na parede da sala e, ainda assim, ser moderna. Apenas essa referência à antiga decoração já renderia tanto pano para a manga que não me permitiria avançar. Deixemos os bibelôs de lado para ir além.

Marta tem 55 anos. E daí? Daí tudo. São 30 anos de carreira literária. A vida passa a ver vista em perspectiva. Há vários poemas que metaforizam a morte: “Vida é lugar de penar e folgar/ e seus círculos só cedem ao corte/ no justo momento de se enquadrar”. Da primeira vez que li, voltei ao tempo das moiras Cloto, Láquesis e Átropos. Algo de cruel há nelas, algo de triste, algo de fatal. Evidentemente, a tônica de Domicílio não escapa ao fatalismo e, por isso, em variados momentos a poeta chega a ser prescritiva: “Entrem sonhos, correndo/ que a vida passa – avisem:/ olhem mais por onde sentem/ e menos por onde pisam”. Sentir o passar do tempo e divisar a finitude do ser invariavelmente expressam uma certa maturidade de observador.

Marta observadora, um tanto distante, escreve: “e olhos não sentem/ o velho presente”. Esse presente em que estamos, passadíssimo de tão velho, só pode ser percebido por quem está à frente. Os poetas estão em crise e essa crise permanente é a única possibilidade de perceber com mais clareza o nosso próprio tempo. Feliz ou infelizmente, vivemos no presente, inclusive a escritora. Daí o inevitável incômodo: “Por fim/cavamos/ com pá e máscaras/ o túmulo cotidiano:/ cofre de acúmulos./ E já cabemos nele./ E dele já não nos livramos/ como se desatam sapatos/ e dele só nos falta a chave/ de uma inscrição lapidar”. Não seremos nós a encontrar a “chave” e ditar o que será inscrito na lápide. Isso é um problema do futuro e de quem vem com ele. 

De qualquer forma, o clima de balanço geral é bastante intimista e, como não poderia deixar de ser, desencantado: “E eu/ um dia hei de ir também/ na mesma viagem/ sem qualquer bagagem/ nem o que de mais preciso:/ o pulso destes versos/ que, pelo visto,/ pouco servem de aviso”. São poucos poemas que resistem a esse estado melancólico: “e ia dizendo sem cessar:/ conte outra/ morrer pode esperar”. Mesmo negando a morte e celebrando a vida, a simples menção não deixa de gerar uma relação indissolúvel com a perspectiva de fim. 

Felizmente, tudo indica que Marta Cocco não irá se entregar ao silêncio. Um dos últimos poemas do livro é um saboroso diálogo com Drummond e com as fábulas populares. O anjo drummoniano já estava “suspenso” quando Marta nasceu. Essa colocação é de um refinamento bem característico da autora. Diz o eu-lírico que a mãe, antipoética por falta de alternativa, vaticinou um destino de formiga. No entanto, a poeta preferiu cantar como cigarra. Resistiu à condenação mais cruel das desinteligências passadas e atuais – o silêncio. Portanto, resiste ao destino anônimo e calado das formigas: “e canto até/ o último pedido/ que venho de longe carregando:/ quero/ o supremo êxtase/ de estourar cantando”. 

O novo livro de Marta Cocco tem mais de Marta Cocco que os anteriores. É provável que o tom confessional, a retrospectiva amadurecida, o inventário do que já leu, tudo isso tenha construído esse domicílio de muitos cômodos. Quem lê percebe porta-retratos da família. Caberá ao leitor perceber quem são os antepassados poéticos da autora pregados às paredes da casa. Da estrutura literária, a poesia é o cômodo mais incômodo. O domicílio de Marta é, sim, difícil de habitar. Preparem-se para entrar na ponta dos pés. Imaginem quanto rangido fará o “assoalho do tempo” do último poema do livro.


Para adquirir o livro, entrar em contato com
a autora pelo whatsapp (65) 99341 9304



Eduardo Mahon é escritor, mestre e doutorando em estudos literários pela UNEMAT. É autor de Eles não podem tirar isso de mim (Carlini & Caniato, 2020), vencedor dos prêmios MT Artes (2021) e Estevão de Mendonça de Literatura (2020), entre outros.


Marta Helena Cocco é natural de Pinhal Grande-RS, formada em Letras, doutora em Letras e Linguística, professora de Literaturas da Língua Portuguesa na graduação e na pós-graduação da UNEMAT-MT. Faz parte do grupo de pesquisa LER: Leitura, literatura e ensino – UNEMAT/CNPq. Ganhadora de vários prêmios literários, já publicou cinco livros de poemas (DivisasPartidoMeiosSete Dias e Sábado ou Cantos para um dia só), dois de crítica literária (Regionalismo e identidades: o ensino da literatura produzida em Mato Grosso, Mitocrítica e poesia), um de contos (Não presta pra nada) e sete infantis (Lé e o elefante de lataDoce de formiga, SaBichões, Meu corpo é uma fabricazinha, Escrituras animais, As coisas cansadas das mesmas coisas e A menina Capu e as tintas mágicas).




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Quatro poemas de Ana Dos Santos | "Retorno ao Atlântico Negro"

Poema | Nunca Mais, por Jeane Tertuliano

Lançamento | Coletânea Mulherio das Letras para Elas

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Pés Descalços 02 | Uma página para cada coisa

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Para não dizer que não falei dos cravos | Seis poemas de Jansen Hinkel

MulherArte Resenhas 16 | "Chão Batido", de Juçara Naccioli: vozes monumentais de ontem e de hoje - Por Marli Walker