Uma crônica de Yvonne Miller | Sobre Mesas e Armários

 

Imagem de Dakub por Pixabay.

Uma crônica de Yvonne Miller


SOBRE MESAS E ARMÁRIOS

 

É a minha primeira lembrança. Devo ter uns três, quatro anos. Restaurante, meia-luz, o tilintar de talheres ao encontro com a louça, vozes, risos, cheiro de queijo gratinado e cebola frita no ar, garçons de camisa branca e calça social se movem ágeis entre as mesas. Numa delas estão sentados meus avós, pais e tias. Enquanto esperam a comida, me deixam explorar a área, correr entre as mesas, brincar com as outras crianças. E lá está ela. Uma menina de cachos loiros e vestido vermelho. Não consigo tirar os olhos dela, como se nunca antes tivesse visto uma criatura semelhante. Ela corre até o fundo do restaurante, dando gritos de alegria, e eu corro atrás. Ela se agacha para engatinhar por debaixo de uma mesa e lá vou eu também. Ela volta correndo para o outro lado e eu a sigo. Não vejo o garçom que balança uma bandeja cheia de copos no ar — só tenho olhos para ela. Ele desvia no último momento, a bandeja lá no alto se inclina perigosamente, mas o garçom logo recobra o equilíbrio e continua o seu caminho. E eu continuo o meu, que é o dela e daqueles cachos selvagens que a cada passo saltitam pelo ar e parecem iluminar o ambiente à volta daquela menina com as bochechas avermelhadas pela brincadeira.

Numa dessas idas e voltas pelo corredor e entre as mesas, chegamos perto da minha família.

— Sempre correndo atrás da menina — ouço minha mãe dizer.

— A primeira paixão — brinca meu pai.

Agora são minhas bochechas a ficarem vermelhas.

Ainda demoraria quase 25 anos até que eu vivesse, de fato, uma paixão com uma mulher. Na minha família, ninguém se surpreendeu. Meus amigos disseram “Até que enfim!”. Não houve saída do armário porque, no meu caso, entrar num armário nunca foi necessário. Para que ficar reclusa, se posso ser livre? Mas eu sei que sou privilegiada. Nem todo mundo tem a sorte de ser acolhido dessa forma.

Amar é natural. Querer ser livre também. Tão natural que eu nem queria ter que escrever sobre isso. Mas ainda é necessário. Porque ainda tem muita gente no armário. Porque ainda há quem tenha medo de viver – ou de morrer – fora dele. Porque a cada hora uma pessoa LGBT é agredida no Brasil. Porque a expectativa de vida de uma pessoa trans no Brasil é de 35 anos. Porque o Brasil é um dos países do mundo que mais mata sua população trans. E porque, por tudo isso, o armário pode parecer um lugar mais seguro; viver às escondidas pode parecer a melhor opção. Porque mesmo sem sofrer violência física, ainda existem os xingamentos na rua, existe o preconceito no trabalho, existem as piadas na escola, existem os comentários no grupo da família, existem lugares onde a gente acha melhor não andar de mãos dadas e os restaurantes onde ficaríamos esperando uma mesa para sempre. Existe a discriminação aberta e velada.

Eu sei que para muita gente, sair do armário ainda requer inúmeros enfrentamentos. Não julgo quem escolhe ficar dentro dele. Eu julgo é a sociedade que não acolhe, que dificulta tanto as pessoas serem livres e viverem a vida como e com quem quiserem.

Mas saiba que você não está só. Somos muit*s. E oxalá um dia possamos andar por aí de mãos dadas, você, eu e todo mundo. Oxalá um dia esta crônica e todos os armários se tornem coisa do passado!


Imagem de Gundula Vogel por Pixabay.





Yvonne Miller nasceu em Berlim, mas mora, namora e se demora no Nordeste do Brasil desde 2017. Tem crônicas e contos publicados em coletâneas e antologias, como Paginário (Aliás Editora, 2019), A Banalidade do Mal (Mirada, 2020), Histórias de uma quarentena (Holodeck Editora, 2021) e Crônicas de uma Fortaleza obscena (Territórios, no prelo), assim como na revista literária feminista Laudelinas. É colunista do coletivo literário feminino @bora_cronicar, do blog Escritor Brasileiro e do ColetiveArts. Além de ficcionista é autora e redatora de livros didáticos.

Instagram: @yvonnemiller_escritora



Comentários

  1. Uma crônica que fala tanto da pureza de como nos reconhecemos homoafetivas.
    Faço dessa última passagem uma prece:
    "oxalá um dia possamos andar por aí de mãos dadas, você, eu e todo mundo. Oxalá um dia esta crônica e todos os armários se tornem coisa do passado!"

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Para não dizer que não falei dos cravos | "Retratos" e "Autorretratos" de José Inácio Vieira de Melo

Poema | Fremente, por Jeane Tertuliano

Um ensaio de Isabel Furini | A Poesia e sua Função

Pés Descalços 01 | Menino ou Menina

Três poemas de Josuelene Souza | Autorretrato

Para não dizer que não falei dos cravos | Cinco poemas de Pedro Vale

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"