A PALAVRA POÉTICA DE ANA CARDEAL | Projeto 8M

fotografia do arquivo pessoal da autora 


8M (*)

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
Dias mulheres virão, 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)

Conheça a palavra poética de ANA CARDEAL:


Hoje,
quero toada de festas
e a noite inteira para que 
os sonhos alcancem a dança das borboletas.

E hoje também, 
nessa outra face de mim,
existe força 
e vida de novo nascendo.

O tempo sopra minha calça desbotada.
O vento me empurra para cima
dos degraus
que se tornam cada dia mais distantes,
mas continuo, mesmo assim.
Continuo
e sei que vou chegar até lá!


imagem do Pinterest 
-*-


Com o chão 
coberto de pó e silêncio 
eu padeço a hora que o sol se põe 
e tento acender a chama
que um dia deixou de queimar.


imagem do Pinterest 
-*-


Dos pássaros 
as asas são a vida

Dos homens
outros homens são o coração 


imagem do Pinterest 
-*-


Deixe-me levantar os olhos
em direção às outras paragens
que estão ao longe
como um recolhimento de mim
aos poucos transeuntes desta avenida escura.

Deixe-me levantar os olhos
em busca do que perdi pelo caminho
à procura do que até aqui não encontrei.

Deixe-me,
de olhos altos e coração quieto,
em direção à nova primavera que quer começar.


imagem do Pinterest 
-*-


Cerrarei meus olhos
num tempo que chegará breve
e não calarei a voz
com as palavras 
que nunca fiz por mim mesma
pois que sou como todos
pois que sou como sempre quis
parte da centelha viva de um ser humano.


imagem do Pinterest 
-*-


FUSÃO 

Se pudesse
ter teu coração 
desenhado
sobre o meu
teria a vida
num duplo compasso.


imagem do Pinterest 
-*-


TRANSPARÊNCIA 

Debrucei-me
à beira d'água
para ver se lavavam 
                 se levavam
de mim
tua presença. 
Mas olhei ao fundo 
com olhos de concha
e coração de sol
e entendi
que o sol n'água
não se dilui
é só luz
(se 'diluz').


imagem do Pinterest 
-*-


ENCONTRO

Buscarás
todos os caminhos
mais amplos, eu sei.
E não encontrando nada
voltarás vazio de dor
triste do amor
quieto - silente - sem cor.
E terás chegado ao fim
como quem chega absoluto
à beira do mar
a molhar os pés.
Então,
vislumbrarás em ti
todos os caminhos
do oceano.


imagem do Pinterest 
-*-


RETRATO

Juntei 
palavras.
Uma a uma...

Colhi 
flores.
Milhares...

Tomei nas mãos 
todas as folhas
dos outonos que se passaram...

Tudo por ti.

Inaugurei
dentro de mim
as salas mais secretas
com tua presença. 

No mais profundo
de mim
te coloquei.
Te fiz.
Te inventei.
Agora
teu desenho em mim
sou eu.

fotografia do arquivo pessoal da autora 
-*-


UNI(VERSO)

Não penses
que este que
te faz nascer
todos os dias
é teu Deus.
Mais teus
são todos os silêncios 
       todos os vazios
aí sim terás toda amplidão 
dele em ti!

imagem do Pinterest 
-*-


Já olhei tantas vezes
os meus olhos
refletidos no espelho
da tua face
que, te vendo assim,
com o coração 
da alma que trago,
é que sinto
o quanto sou tu.

fotografia do arquivo pessoal da autora 
-*-


A VIDA DE OLAVO

"(...) Olavo tinha que decidir entre estar ali de novo ou seguir de asas abertas para parar em qualquer lugar do mundo, do espaço, do cosmos. Ele sempre poderia ir para qualquer lugar, se quisesse. Qualquer. Ou para "lugar nenhum". Estar em "lugar nenhum" era uma sensação tão profunda que ele não sabia sequer achar palavras que pudesse definir. Ele apenas estava. Era. Era e estava. Sentia-se indefinido. Sentia-se vazio. Mas também preenchido de tudo. Esta era uma sensação exata? Talvez apenas uma metáfora.  Daquelas bem compridas e inexatas, mas daquelas que poderiam definir em alguma coisa o que era estar no nada ou em "lugar algum"! Mas suas asas estavam fechadas agora...

E assim ele sabia que ficaria por algum tempo ainda naquele momento. Somente poderia partir quando as asas se abrissem, e ele nunca sabia quando elas se abririam de novo. Era sempre um mistério. 

Teria que ter um vento especial, umas folhas secas caindo do céu, uma nuvem branca com o desenho de um longo fio de cabelo e uma aranha tecendo sua teia quase que no meio daquela cerca alva que o separava do mundo. Seriam cadências de eventos, sempre repetitivos, sempre certeiros, sempre definidos. E assim ele poderia partir para qualquer lugar, e qualquer lugar poderia ser o "lugar nenhum". Qualquer lugar poderia ser um lugar fantástico, ou daqueles lugares chatos e pequenos. Não importava. Nada mais importava dentro daqueles olhos tão grandes e serenos. (...)"

(* excerto do livro A Vida de Olavo, pp. 17/19)

capa do livro A vida de Olavo 
-*-


Se puder
Pendura a vida
Na janela da alma 
E deixa secar
Todas as águas 
Todos os banhos
Todas as ânsias 
Todos os medos.
E nasce de novo!

-*-

(*) 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas', iniciado em março/2021, por Nic Cardeal.


fotografia do arquivo pessoal da autora 

ANA DINÁ CARDEAL é natural de Brusque/SC, e atualmente reside em Viamão/RS. É graduada em  Fisioterapia, possui especialização em Acupuntura, e foi professora em cursos de Yoga e de Fisioterapia. 

Participante da Antologia do Varal Literário - Textos Escolhidos pelo Público (org. Alcides Buss, Florianópolis/SC: Editora da UFSC, 1983); autora de Música Outonissa (poesia, livro artesanal,  Curitiba/PR, 1986) e do livro A Vida de Olavo (conto, edição da autora, Viamão/RS, 2019). Possui outros guardados em prosa e verso a serem publicados.


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)

Cinco poemas de Maria Alice Bragança - Beleza e força poética

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Dois poemas de Samanta Aquino | "A arte de ser mulher"

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

A vendedora de balas - Conto