Para não dizer que não falei dos cravos 03 | "PALMAS PARA A URSINHA MARROM", um conto infantil de DIAS CAMPOS


Para não dizer que não falei dos cravos (03)


"PALMAS PARA A 
URSINHA MARROM"

Um conto infantil de 
DIAS CAMPOS 


"Ursinha Marrom acordou bem disposta e com muita fome.

Mamãe Ursa tinha acabado de colocar um montão de comida na mesa.

Ela tomou leite, comeu cereal, e se lambuzou de mel.

Mamãe Ursa ficou satisfeita.

Em seguida, Ursinha Marrom pediu para ir brincar no bosque.

Mamãe Ursa deixou, mas pediu que ela não fosse muito longe.

E Ursinha Marrom saiu cantando e saltando.

Depois de alguns minutos passeando, ela começou a ouvir uma doce canção.

Era tão suave, tão agradável, que Ursinha Marrom parou e ficou só ouvindo.

Ela estava encantada com aquela música!

Mas não conseguia saber de onde vinha.

Fuça daqui, fuça dali, e ela percebeu que a canção vinha detrás de uns arbustos.

Ursinha Marrom era curiosa. E foi se aproximando, se aproximando...

Até que viu uma linda menininha sentada no chão, vestida de camponesa.

E enquanto brincava com suas bonecas, cantava como se fosse um anjinho.

Só que Ursinha Marrom começou a ficar chateada.

É que ela via aquelas bonecas, e ouvia aquela voz...

Mas as bonecas não eram suas; nem ela cantava com a mesma suavidade.

Ela atravessou os arbustos, fez cara de brava, e urrou o mais forte que pôde!

A menininha correu assustada. E foi se esconder dentro da sua cabana.

Ursinha Marrom começou a brincar com as bonecas. E ficou contente.

Mas logo se entristeceu, pois quis cantar como a menininha, e só saíram urros.

Então ficou muito brava! E começou a morder as bonecas!

A menininha via o que se passava através da janela da cabana.

E passou a rezar pedindo ajuda, pois seu pai tinha saído para trabalhar.

Eis que uma Pomba Branca apareceu. E voou sobre a cabeça da Ursinha Marrom.

E depois que já tinha chamado a sua atenção, foi pousar em um galho próximo.

Ursinha Marrom se sentiu incomodada. E urrou para a Pomba Branca ir embora.

Mas o pássaro não tinha medo. E não desgrudou os olhos dela.

Ursinha Marrom ora mordia as bonecas, ora olhava para a Pomba Branca.

Até que largou as bonecas e perguntou o que ela queria.

Pomba Branca respondeu que a menininha queria voltar a brincar e a cantar.

Ursinha Marrom disse que ela também queria brincar e cantar como a camponesa.

Mas Pomba Branca questionou se tomar o que é dos outros deixava todos felizes.

Ursinha Marrom não respondeu.

Então ela indagou se querer ser igualzinha aos outros fazia Ursinha Marrom feliz.

E ela continuou muda.

Por fim, Pomba Branca quis saber se Mamãe Ursa ficaria feliz com o que ela fez.

E Ursinha Marrom largou as bonecas, sentou no chão, e começou a chorar.

Ouvindo o seu choro, aquela menininha reapareceu, cheia de dó.

Ursinha Marrom percebeu, enxugou as lágrimas, e se levantou.

A menininha retirou um pirulito do bolso, desembrulhou, e entregou para ela.

E como Ursinha Marrom adorava doces, pegou o pirulito, e começou a lamber.

Hum!... Estava delicioso!

Ursinha Marrom estava muito envergonhada. Mesmo assim, continuou a lamber.

A menininha ficou confiante. E sugeriu que brincassem juntas.

Ursinha Marrom ficou surpresa. Mas aceitou com prazer.

E deram as mãos, em sinal de amizade.

Daí Pomba Branca bateu asas e foi pousar sobre as mãos das novas amigas.

Ambas tomaram um susto! E riram da situação.

Ursinha Marrom pediu mil desculpas. Disse que estava arrependida.

E prometeu não tomar o que é dos outros, nem querer ser igualzinha aos outros.

A menininha sorriu.

Brincaram por um bom tempo. E nem ligaram se as bonecas estavam mordidas.

Até que a saudade apertou... E ela quis voltar para os braços da Mamãe Ursa.

Ursinha Marrom e a menininha combinaram de se reencontrar muitas vezes.

E toda vez que isso acontecer, a Pomba Branca da paz estará sempre ao lado delas."


fotografia do arquivo pessoal do autor


DIAS CAMPOS é escritor, foi destaque literário 2020, concedido pela Mágico de Oz. Embaixador da Literatura, título concedido pela Corte Brasileira de Letras, Artes e Ciências - COBLAC, 2020. Ambassadeur Honneur et Reconnaissance aux Femmes et Hommes de Valeur, título concedido pelas Luminescence Académie Française des Arts, Lettres et Culture – Literarte, 2020. Destaque Cultural 2019; Destaque Social 2019; Embaixador da Paz; e Comendador da Justiça de Paz, com a Comenda Internacional Diplomata Ruy Barbosa “O Água de Haia”, os quatro títulos conferidos pela Organização Mundial dos Defensores dos Direitos Humanos – OMDDH, 2020. Prêmio Internet Coblac – Corte Brasileira de Letras, Artes e Ciências, 2020. Destaque Literário no 32º (2020) e no 28º (2018) Concurso Literário de Poesias, Contos e Crônicas, promovido pela Academia Internacional de Artes, Ciências e Letras a Palavra do Século 21 – ALPAS – 21. Ganhador do Troféu Destaque na 7ª Edição do Sarau Musical Cultural, 2019. Menção Honrosa no Prêmio Nacional de Literatura dos Clubes – 2019. Selo Destaque do mês de agosto, conferido pelo site Vozes da Imaginação, 2017. “Embajador de la Palabra”, título concedido pela Asociación de Amigos del Museo de la Palabra, 2014. Foi o 3º colocado no I Concurso de Crônicas da Academia Bragantina de Letras, 2014. Ganhador do Prêmio Latino-Americano de Excelência, 2013; Medalha de Ouro no I Concurso Oliveira Caruso, 2011. Vencedor do Concurso Mundial de Cuento y Poesía Pacifista, 2010; 3º colocado no II Prêmio Araucária de Literatura, 2010. 

É membro da Academia Mundial de Cultura e Literatura – AMCL; do Núcleo Acadêmico de Cultura, Letras e Artes do Brasil – NACLAB; da Academia Independente de Letras – Ail Ordem Scriptorium; da Academia Luminescense da Devoção as Artes e Letras – Sucursal Brasil; da Academia Caxambuense de Letras; da Academia Cachoeirense de Letras, da Academia Internacional de Artes, Letras e Ciências a Palavra do Século 21 - ALPAS 21, da Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos, da Asociación de Amigos del Museo de la Palabra, do Movimento Poetas del Mundo, e da Revista Itinerário Imprevisto. 

Colunista do Jornal ROL; do (atual) site Cultura & Cidadania; do Portal Show Vip; e do (atual) portal 'Pense! Numa notícia'. 

É autor do romance As vidas do chanceler de ferro (Lisboa: Chiado Editora, 2009), e do romance A promessa e a fantasia (Promise and fantasy), ambas as versões em Amazon.com.br, 2015; além de diversos outros textos literários; como também de livros e artigos jurídicos.



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)

Cinco poemas de Maria Alice Bragança - Beleza e força poética

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Dois poemas de Samanta Aquino | "A arte de ser mulher"

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

A vendedora de balas - Conto