A POESIA DILACERANTE DE CINTHIA KRIEMLER | PROJETO 8M


fotografia do arquivo pessoal da autora 

8M (*)

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
Dias mulheres virão, 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)

Leiamos a poesia dilacerante de CINTHIA KRIEMLER:


UM DIA SEREMOS TUDO ISSO 

um dia faremos silêncio
seremos pausa como as coisas gêmeas colocadas
sobre as mesas de centro, sobre as estantes altas em salas
nobres e intocadas. 
pares perfeitos, banhados pelo sol que escapa
pela fresta da persiana discreta
seremos para sempre mudos
inertes
parelhos e empoeirados como as matrioskas
os elefantes os macacos os candelabros de prata
teremos esquecido como é amar — esse praticar de infinitos
em pequenos gestos
e não saberemos dizer qual foi o instante
em que cessaram riso, abraço, murmúrio ou o toque das nossas
mãos entre as cobertas felpudas, ou os códigos trocados
por nossos olhos treinados em acender vontades
teremos rasgado cartas
e escondido fotos amarelecidas no fundo
das gavetas de uma cômoda velha
e derramado na pia os nossos vidros de perfume prediletos e empurrado
goela abaixo a cumplicidade de uma vodca gelada
seremos choro e choro
: o que escorre sem controle, o que molha só a alma.
um dia seremos tudo isso

(* poema publicado na Revista Gueto, 18/06/2018)

imagem do Pinterest 
-*-


NEBULOSA

nuvens demais
num céu de sábado
a boca seca buscando
o copo
o corpo suado buscando
a água
o céu orgulhoso
segurando o choro

(* poema do livro Exercício de leitura de mulheres loucas)

capa do livro Exercício de leitura de mulheres loucas 
-*-


OUTONAL

faz outono
mesmo que seja de primavera
a aquarela esparramada nos
cantos da cidade retangular
aqui em casa as folhas amarelas
se acumulam nos desvãos
nas linhas que entremeiam os tacos
arranhados do soalho marrom
têm conserto — avisam as vozes
mas gosto que as coisas da casa
se pareçam comigo
a madeira dos armários 
em tom de folhas velhas
a cadeira vermelha 
que ainda assim também é cor de outono
as janelas 
semicerradas :  semiabertas
— tantos anos aprendendo o que fazer com elas
ventando para dentro a primavera 
dos outros
as flores dos outros 
o cheiro-cor dos outros
faz outono
e o segredo não está mais
em insistir no abraço das árvores 
mas em ser folha bailarina 
que compreende o vento 
das despedidas

(* poema do livro Exercício de leitura de mulheres loucas)

imagem do Pinterest 
-*- 

FÉRETRO
somos tantas as que vivemos
carpimos
rezamos
trepamos
amamos
partimos
somos tantas
que me confundo
sobre qual de nós
morreu desta vez

(* poema do livro Exercício de leitura de mulheres loucas)

imagem do Pinterest 
-*-


LAMA SOBRE TELA

macerado pela boca do tempo
o graveto seco das décadas 
não sustenta mais ninhos.

os olhos expressionistas de Van Gogh 
devoram a indigência
mais que as batatas.

(* poema publicado em Germina - Revista de Literatura e Arte, março/2020)

-*-

Pin em poema do Pinterest 
-*-


CAPO DI TUTTI CAPI

Quando eu era pequena 
aprendi que os monstros eram feios opacos
amarronzados esverdeados arroxeados
Tinham olhos imensos e distorcidos, bocas enormes garras encurvadas

Quando eu era pequena aprendi que os monstros pegavam as criancinhas para fazer mingau
(assim como o lobo mau, mas isso daria uma 
rima infame) 

Quando eu era pequena aprendi que os monstros vinham à noite ou apareciam no escuro para pegar as meninas e os meninos que não queriam dormir que não queriam comer que não queriam estudar que não queriam tomar banho, ou que batiam nos coleguinhas

Quando eu era pequena esses monstros dormiam comigo muitas noites 
E não me deixavam dormir em tantas outras

Depois, eu cresci 
Descobri que os monstros tinham se mudado para dentro de mim
Tive que matar ou dominar quase todos deles
(alguns ainda se escondem nas dobras da mente)

Mas nada, absolutamente nada me preparou para o Monstro que eclodiria no Ano da Desgraça de 2018

Esse me roubou até Deus.

(* poema extraído de sua TL, 10/03/2021)

imagem do Pinterest 
-*-

ORAÇÃO AO ARCANJO SÃO MIGUEL OTÁVIO 

São Miguel Otávio Santana da Silva,
Arcanjo da Veneza brasileira

Protege-nos com o escudo das tuas asas
pretas contra as ciladas dos demônios 

Que lançam em voos de queda livre meninos
como tu.

Miguel, Príncipe da milícia dos céus 
precipita no inferno as milícias terrenas

que andam por este mundo matando de tiro
e de queda crianças pretas e pobres

Guarda-nos dos homens do castelo que dominam
o mundo do alto das suas torres milionárias 

[de onde, eles, nunca caem.]

(* poema publicado no site Mirada - miradajanela.com, 14/06/2020)

fotografia: Rio da Paz, no Facebook 
-*-

(*) 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas', iniciado em março/2021, por Nic Cardeal.

fotografia do arquivo pessoal da autora 

CINTHIA KRIEMLER é natural do Rio de Janeiro e reside em Brasília, graduada em Comunicação Social e especialista em Estratégias de Comunicação, Mobilização e Marketing Social (Universidade de Brasília, UnB). É romancista, contista, cronista e poeta.

Organizou a antologia Novena para pecar em paz (contos, Penalux/2017); e participa de diversas antologias, entre elas: Contos Mínimos S/A (minicontos, Penalux/2013); 
TOC140 – Fliporto (Carpe Diem/2013); Vinagre: uma antologia de poetas neobarrocos (2ª ed. ampliada); II Concurso de Poesia Autores S/A (Multifoco/2013); Bar do Escritor (Tomo IV/2013); Prêmio SESC DF Monteiro Lobato de Contos Infantis (2013); Deep Blue (SindEscritores-DF/2014); Coleção Poesia, Crônica, Contos (org. Anabe Lopes da Silva, FAC-DF/2014); Quintas Barnasianas (Bar do Escritor/2014); Respeitável público — Histórias de circo e outras tragédias (Penalux/2015); Horas partidas (Penalux/2016).

Livros publicados: Para enfim me deitar na minha alma (contos, projeto pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal, 2010); Do todo que me cerca (crônicas, Patuá/2012); Sob os escombros (contos, Patuá/2014); Atos e omissões (novela policial, e-book, Amazon/2014); Contações (contos, e-book, Amazon/2015); Mesa posta (conto, e-book, Amazon/2015); Na escuridão não existe cor-de-rosa (conto, Patuá/2015, semifinalista do Prêmio Oceanos 2016); Boneca (conto, Patuá/2016); Uma moça feliz (conto, e-book, Amazon/2016); Todos os abismos convidam para um mergulho (romance, Patuá/2017, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura de 2018); Exercício de leitura de mulheres loucas (poesia, 2018); Tudo que morde pede socorro (romance, Patuá/2019); Viúvas de sal (romance, Patuá/2022).


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

A beleza poética de Ana Maria Másala - Poemas&Frases

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

A POESIA FASCINANTE DE ANA MARIA LOPES | PROJETO 8M

A vendedora de balas - Conto

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes

Jucélia Betinardi e Vanice Zimerman: Crônicas sobre a Amizade