Poema | Nunca Mais, por Jeane Tertuliano

|Coluna 10|

Entre quatro paredes,

a solidão perene ecoa

e o vazio destoa a voz

que, chorosa, sufoca

l e n t a m e n t e.

Toda a gente padece

um pouco maia

a cada manhã dorida

de verdades fingidas.

Nada mais tem valor

no vão ostensivo

que reluz incolor.

Empatia é sonora

nos lábios sem amor

de homens e mulheres.

Eu sempre me questiono:

o que eles pretendem

falando do que não sentem?

Mentiras há muito contadas

desfilam encorpadas nas ruas,

nos lares e nos corações frios.

Apenas eu divago adoidado

sobre os nossos temidos vazios?!

Ignorar a escuridão à janela

não apagará as sequelas.

Nada mais será como antes!

Deitada em minha gélida cama

escuto o crocitar da ave medonha

que sobrevoa o alto do meu ser... 

"nunca mais" — eu a ouço dizer.




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

SEIS POEMAS DE MARIA GABRIELA CARDOSO | LUA PINKHASOVNA

A ESCRITA DE GIOVANA DAMACENO | por Nic Cardeal

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

A POESIA DE HELENA ARRUDA | por Nic Cardeal

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Nada mais vai ao caixão | Marilia Kubota

A POESIA E A PROSA DE ADRIANA BARRETTA ALMEIDA | por Nic Cardeal