A POESIA ENVOLVENTE DE DIANA PILATTI | Projeto 8M

fotografia do arquivo pessoal da autora 

8M

Mulheres não apenas em março. 
Mulheres em janeiro, fevereiro, maio.
Mulheres a rodo, sem rodeios nem receios.
Mulheres quem somos, quem queremos.
Mulheres que adoramos.
Mulheres de luta, de luto, de foto, de fato.
Mulheres reais, fantasias, eróticas, utópicas.
Mulheres de verdade, identidade, realidade.
Dias mulheres virão, 
mulheres verão,
pra crer, pra valer!
(Nic Cardeal)

Navegue na poesia envolvente de DIANA PILATTI:


POESIA DIÁRIA 

enquanto o poeta grita
sob águas serenas
e sangra
tempo liquefeito
a poesia dissimula 
empapada de rotinas
uma poesia cronometrada
                   escancionada
              a s q u e r o s a e s í n i c a
no enleio diário 
das bocas salivando mentiras

enquanto o poeta afunda
e grita
borbulha versos mudos
como as lágrimas puras
das crianças violadas

(* poema do livro Palavras avulsas)

capa do livro Palavras avulsas 
-*-


ENCONTRO MARCADO

        Hoje à noite 
  ali no terceiro verso
vista sua melhor rima

(* poema do livro Palavras avulsas)

-*-

poema/imagem do arquivo pessoal da autora
-*-


DRUMMONDIANA

          não rolei
         não pulei
       nem desviei
a pedra no caminho 
           sou eu...

(* poema do livro Palavras avulsas)

-*-

poema/imagem do arquivo pessoal da autora 
-*-


ANSIEDADE 

mil vozes
murmuraram aqui dentro
gritam
debatem
num ruflar de mil pássaros 
cativos 
seus pequenos pulmões que nunca
dantes respiraram o ar pesado do
cárcere sufocam ao bater apressado
de seus fortes corações numa cadeia
de explosões 
falta-me ar
a palavra amordaçada
é a justa rima que falta.

(* poema do no livro Palavras avulsas)

-*-

poemas/imagem do arquivo pessoal da autora 
-*-


ECOS

por um segundo
uma lágrima
é eternidade

(* poema do livro Palavras póstumas)

capa do livro Palavras póstumas 
-*-


ANDARILHO

não sou ninguém 
nada tenho
andarilho 
nos teus átrios 
aos teus serviços 
na ponta dos meus dedos
teus flancos pardos
entre o enleio laço
do meu abraço-servo
me acho
nos meus olhos
teus olhos de mil estrelas
faíscas na minha noite
a relva
a chuva
sopras no meu rosto
teu hálito de eternidade
rasgo meu tempo
lanço mão de todos compêndios
só para fazer reverberar no meu peito
todo meu medo
e alegria incrédula 
prostrados
ante teus vitrais sacros
úmidos 
das manhãs de domingos
chove
em minha boca de deserto
oásis sagrado
entre todas as minhas miragens
tu, Lua Alta,
meu altar sagrado,
sou teu servo
teu bardo
e as rimas vadias que teço
teu nome sacro
ecoa
meu desejo lacaio
de adorar-te.
lento 
e morno
na vastidão da tua boca
ressoa
essa risada úmida
onde quero morrer

(* poema da antologia Mulherio das Letras Portugal - Poesia)

-*-

poemas/imagem do arquivo pessoal da autora 
-*-


na poesia que esvazio
a agonia da sua fuga
a tortura do seu nunca
neste momento-súplica
que as fiandeiras se compadeçam
da minha rudeza

(* poema do livro Palavras diáfanas)

capa do livro Palavras diáfanas 
-*-


ASTRO LÁBIO

no sopro da noite
o dorso nu
Cavaleiro da Lua
meu beijo
tua omoplata prateia
e te permito
bem o sabes
todos os meus horizontes

(* poema do livro Palavras diáfanas)

-*-

poemas/imagem do arquivo pessoal da autora 
-*-


SIGNIFICANTE

uma palavra
perdida
no viés da boca
escapa
no plissê dos lábios
foge
no fôlego
que me sorve
no meu silêncio
faz-se ocaso
no meu rosto
arrebol
e desejo
na poesia
que me desenhas

(* poema do livro Palavras diáfanas)

-*-

poemas/imagem do arquivo pessoal da autora 
-*-

(*) 8M: 8 de Março = Dia Internacional da Mulher: Projeto 'Homenagem a mulheres escritoras/artistas', iniciado em março/2021, por Nic Cardeal.


fotografia do arquivo pessoal da autora 


DIANA PILATTI é natural de Foz do Iguaçu/PR, e reside em Campo Grande/MS desde menina. É graduada em Letras pela UCDB, e fez mestrado em Estudos de Linguagens pela UFMS. É professora da rede estadual de MS desde 2007. Possui poemas publicados em antologias e revistas. Seus textos estão no blog 'Pré-Livre' (dianapilatti.blogspot.com.br) e nas redes sociais (@dianapilatti).

Livros publicados: Palavras avulsas (poesia, volume 7 da 'I Coleção de Livros de Bolsa do Mulherio das Letras', Belo Horizonte/MG: Venas Abiertas/2019); Palavras póstumas (poesia, volume 5 da 'II Coleção  de Livros de Bolsa do Mulherio das Letras', Belo Horizonte/MG: Venas Abiertas/2020); Palavras diáfanas (poesia, São Paulo/SP: Patuá/2021).

Participação em antologias e coletâneas: Mulherio das Letras Portugal - Poesia (org. Adriana Mayrinck, Lisboa-PT: In-finita/2020); A vida em poesia (poesia, org. Lura Editorial/2021); Quatro estações - haicai/haikai/haicu (volume 4 - org. Carla Ivana, 2021); entre outros.


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

A POESIA FASCINANTE DE ANA MARIA LOPES | PROJETO 8M

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

A vendedora de balas - Conto

Resenha do livro juvenil TÃO LONGE... TÃO PERTO, de Silvana de Menezes

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

UniVerso de mulheres 03 Poesia Alemã e Indígena - Três poemas de Márcia Kambeba

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"