Tua ikebana tem flor de banana | Marilia Kubota

 

MOSAICO Coluna 24    Crônica

TUA IKEBANA TEM FLOR DE BANANA
por Marília Kubota

Escrevi, há tempos, um poema que entrelaçava ikebana e flor-de-banana. Na época, não sabia que ikebanas poderiam ser arranjadas com flores de banana. Quem me ensinou isto foi a artista e professora Élia Kitamura. Ouvi o nome  dela como uma famosa mestra em Curitiba durante anos. Eu a entrevistei por telefone uma vez, para que explicasse sobre o estilo de sua escola, a Ohara Ryu.
Élia explicou que no Japão há mais de 400 escolas/estilos de ikebana. No Brasil, só conhecemos quatro. Para a Ohara Ryu, as flores e plantas usadas no arranjo devem ser o mais naturais possível, evitando amarrações de galhos e outros contorcionismos.  Também se deve usar flores e plantas da região em que o aluno vive. A mestra aprendeu sua arte no Japão, com Teiko Itoh. Quando Teika veio ao Brasil  ficou fascinada com a espécie nativa brasileira esponja de ouro. Ciou muitas composições com a flor. 
Só fui conhecera Élia pessoalmente quando estava namorando aquele que seria meu companheiro. Frequentavam o mesmo círculo social. Logo que nos vimos pela primeira vez, Élia se mostrou espontânea e carinhosa. 
Apesar de minha inabilidade em artes manuais, cheguei a fazer aulas com ela, por causa de seu carisma. Consegui, graças à sua paciência e bom humor, criar alguns arranjos. Foi através dela, também, que reencontrei uma ex-professora do curso de Jornalismo, a socióloga Eliana Heeman. 
Eu estava me sentindo deprimida com o luto de meu companheiro. Élia quis me ajudar, abrindo o atelier para eu orientar oficinas de haicai. Divulgou a oficina entre seus alunos. Nunca esquecerei este gesto . 
Por várias vezes, depois, nos encontramos. Em eventos do Nikkei Curitiba, o clube para o qual trabalhei como assessora de imprensa. Élia era convidada por ter ensinado a arte do arranjo floral a quase todas as mulheres influentes da cidade. Comemoramos um Natal juntas, passeamos na serra de Santa Catarina. Para ela, o importante era celebrar a vida com os amigos. Gostava de beber cervejinha e tomar banho de rio. 
Nos últimos anos, por conta de confusões com relacionamentos próximos a nós, nos afastamos. Semana passada, Eliana anunciou que Élia havia partido. Só consegui lembrar de sua doçura, disfarçada por um dissimulado mau-humor. A brabeza dela a protegia de olhos ávidos pela beleza de espírito, aquela a  que  só os chegados desfrutaram.




tudo passa
celebre a breve
floração

(Marilia Kubota)
*

Não se esqueça:
caminhamos pelo inferno
contemplando flores
(Bashô)
*

Uma abelha parte
do fundo do cálice de uma peônia:
isso é que é uma despedida!
(Bashô)

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Um conto de Maria Amélia Elói | "Fécula"

Cinco poemas de Claudia Miranda Franco | "Moenda"

Sete poemas de Rozana Gastaldi Cominal | "Aos protagonistas da cultura viva"

Coluna 01 - In-Confidências - Apresentação, por Adriana Mayrinck

Coluna 02 | Fala aí... Isabel Bastos Nunes (Portugal)

Coluna 01 | Fala aí... - Apresentação, por Adriana Mayrinck

PONTE-AR: literatura preta em dia(logo) | Na moda - Catita

Coluna 01 | Mulherio das Letras na Lua - Apresentação

A poesia tocante de Wanda Monteiro

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)