X Tertúlia Virtual: Inquietudes Poéticas & As Múltiplas Faces de Afrodite


 

TERTÚLIAS VIRTUAIS | 04

- por Marta Cortezão

 

“A humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si mas relativamente a ele; ela não é considerada um ser autônomo. [...] A mulher determina-se e diferencia-se em relação ao homem e não este em relação a ela; a fêmea é o inessencial perante o essencial. O homem é o sujeito, o absoluto; ela é o Outro.” (Beauvoir, 1970, p.10)

 

O livro O segundo sexo, de Simone de Beauvoir, teve sua primeira edição em 1949. O tempo que nos separa deste evento são de exatos setenta e um anos, entretanto, há ainda a urgente necessidade de trazer estes questionamentos para o século XXI: qual é o lugar da mulher na atual sociedade? Como estamos construindo este conceito historicamente e culturalmente? Por que é importante discutir acerca do gênero? Por que dizer-se feminista provoca tantos desafetos? Sempre é tempo de despir-nos das velhas amarras da ignorância e buscar entender o real significado do Feminismo que, em poucas palavras, nada mais é que um movimento social, não sexista, liderado por mulheres e que reivindica equanimidade jurídica, política e social entre homens e mulheres. Se nos debruçarmos a estudar o Feminismo, encontraremos inúmeras histórias de lutas de grandes mulheres inspiradoras que nos abriram passo para exercer o nosso grito de liberdade. Já não há como tapar os ouvidos a estas vozes que ecoam cada vez mais alto e, harmoniosamente, alavancadas pelas múltiplas inquietudes que nos movem no mundo.

 

Para quem deseja entender o Feminismo, além do livro O segundo sexo, que traz uma análise detalhada da opressão das mulheres, destaco aqui O feminismo é para todo mundo, de Bell Hooks, que aborda como uma educação para o feminismo pode contribuir para uma consciência crítica e uma sociedade mais justa para todos e todas; Sejamos todas feministas, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, um livro onde a autora discute a importância do feminismo no século XXI, destacando a essencialidade do movimento para toda a sociedade; Quem tem medo do feminismo negro?, de Djamila Ribeiro; Uma autobiografia, de Angela Davis; O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres, de Naomi Wolf, dentre vários outros livros.    


É evidente a necessidade de falar de Feminismo, por isso, a X Tertúlia Virtual, realizada no dia 23/10/2020, intitulada “Inquietudes Poéticas & As Múltiplas Faces de Afrodite” abordou, em linhas gerais, esta importante discussão, de forma saudável e poética, onde estiveram presentes, em nosso palco virtual, as escritoras e poetas: Maria Ligia Caviglioni (Mato Grosso), SilviaGrijó (Amazonas), Verônica Oliveira (Ceará) e Wanda Monteiro (Pará). 



Autoras que fazem da linguagem poética o território simbólico de combate e de transgressão literária, “um lugar que não é o espaço natural, mas o espaço-tempo habitado pelo sujeito poético” (BOSI, 2003, p. 285), terreno das possibilidades. É importante ressaltar que, na criação do texto poético, o fazer literário se origina no mergulho interior de “uma dialética da lembrança pura e memória social; de fantasia criadora e visão ideológica da História; de percepção singular das coisas e cadências estilísticas herdadas no trato com pessoas e livros.” (BOSI, 2003, p. 278). Não se trata apenas do que o sujeito poético observa/filtra no/do seu exterior, mas do diálogo que trava com sua bagagem interior e o mundo lá fora. Vargas Llosa também se une a este pensamento quando afirma que "o que se viveu é a fonte que irriga a ficção" (LLOSA apud SENA, 2020, p. 61).

Nesta linha de raciocínio, as inquietudes poéticas presentes no poema Pietá na casca do andrajo, de Wanda Monteiro, se apresentam em um jogo de contrastes e semelhanças que, além de dialogarem com a Pietá de Michelangelo (1475-1564) – obra influenciada pelo phatos grego, cuja expressão dolorosa do rosto de Maria contrasta com a angústia, tradicionalmente, retratada no Renascimento Italiano – dialogam também com o mundo exterior do sujeito poemático. O escritor e retórico latino, Quintiliano, ao reaver o conceito grego de phatos, o traduziu por affectus e o considerou como um intenso sentimento (BOSI, 2003, p. 279). A Pietá, de Wanda Monteiro, em inúmeras modalidades do discurso construído no poema, esculpe, em palavras-mármore, esse phatos, representado pela intensa dor do desamparo, de tristeza e piedade, também captadas pelas lentes do(a) atento(a) leitor(a) que, no ato de sua leitura é tomado(a) por um violento sentimento de afetividade, que atordoa e que empatiza com esta Pietá, invisibilizada pela “casca do andrajo”, que, em súplica, estende a mão pela dor da fome, murmurando “suas imprecações de infortúnios” “e atira seu silêncio/ no vazio da indiferença”, enquanto “o filho sorve a fome” de seus seios:


A PIETÁ NA CASCA DO ANDRAJO 


Antes fosse o destino de uma guerra

mas é o tiro do escárnio

sobre a face da fome

 

a fome

povoando as calçadas

dormindo sob fétidas marquises

 

a fome

na dança dos malabares

de limão

no mínimo gesto de súplica

da mão

 

a pietá em sua casca de andrajo

murmura suas imprecações de infortúnios

à espera de um deus

que não vingou

 

nos seios da pietá

o filho sorve a fome

e atira o seu silêncio

no vazio da indiferença

de quem passa

 

Os textos poéticos, ofertados, gentilmente, à X Tertúlia Virtual pelas autoras Maria Lígia Caviglioni, Silvia Grijó e Verônica Oliveira pintam o quadro tertuliano que intitulei de “As Múltiplas Faces de Afrodite” por trazerem uma temática em comum: o erotismo poético. E, neste contexto, temos a linguagem literária utilizada como veículo de transgressão, no sentido em que evidencia “o corpo como espaço simbólico de luta e resistência” (LOUSA, 2017, p. 01). Mas é possível falar de uma relação entre o caráter erótico da poesia e o caráter poético do erótico? Octavio Paz afirma que:

“A relação entre erotismo e poesia é tal que se pode dizer, sem afetação, que o primeiro é uma poética corporal e a segunda, uma erótica verbal. Ambos são feitos de uma oposição complementar. A linguagem – som que emite sentido, traço material que denota ideias corpóreas – é capaz de dar nome ao mais fugaz e evanescente: a sensação; por sua vez, o erotismo é mera sexualidade transfigurada: metáfora.” (PAZ apud RODRIGUES, 2012, p.18)


O poema O Balançar, de Silvia Grijó, conjuga, harmoniosamente, erotismo e poesia, quando utiliza, tendo como cenário a natureza, a linguagem poética para narrar a consumação do ato sexual através da metáfora do movimento das águas, apoiada no campo semântico-sensorial do substantivo-verbo “balançar”. É o movimento da canoa nas águas o leitmovit do poema que deságua na sensação de calmaria, no “lenitivo”:


O BALANÇAR

 

Na canoa

O amor

Acorda as águas

O balançar

Espanta as piabas

Assusta os mergulhões

Afugenta as garças

Encanta as gaivotas

Assanha o Boto

A flor da uapiê

Enrubesce...

No lenitivo

Remamos...

 

Sobre como a personagem feminina é perfilada na literatura canônica, Ruth Silviano Brandão afirma que esta personagem, ao longo da história, “construída e produzida no registro do masculino, não coincide com a mulher. Não é a sua réplica fiel, como muitas vezes crê o leitor ingênuo. É, antes, produto de um sonho alheio” (BRANDÃO apud LOUSA, 2017, p.4); esta afirmaçao dialoga, diretamente pela via histórico-filosófica-literária, com o que afirmou Simone de Beauvoir, já em 1940: “toda história das mulheres foi feita pelos homens” e que “o problema da mulher sempre foi um problema de homens” (BEAUVOIR, 1970, p.166). Para tanto, cito abaixo os poemas Puta, mas nunca tua, de Maria Ligia Caviglioni e Dualismo, de Verônica Oliveira, como exemplo desta poética que busca a transgressão do espaço simbólico deste universo estruturalmente opressor de uma sociedade patriarcal, revelando o outro lado do “não dito”, onde a voz poética se (re)afirma “dona de si” para (des)construir a representação feminina literária feita pelo olhar do masculino ao longo dos séculos e romper com o interdito:


PUTA, MAS NUNCA TUA


Que fale de mim

Tua língua

Que tantas outras

Já conheci

 

Posso até ser Puta,

Mas nunca tua

 

Gosto de homem

Que sabe ser macho

Que me enlouqueça

Por cima

e por baixo

 

Gosto das orgias

Sussurradas no ouvido

Como profanas declarações

de amor e poesia

 

Nunca saberá a dama

Que bem sei ser

Quando as luzes apagam

Em busca de prazer

 

Posso até ser

Puta,

Mas nunca tua

 


DUALISMO


 Um me beija a boca,

me acha linda

o outro me arrepia,

me faz delirar

um me põe no colo,

me acalenta,

o outro me estimula

me deixa voar

um me quer

pra sempre

o outro nem tanto

um me corta

as fantasias

o outro advinha,

quer realizar

o gostar de um

me deixa grata

o do outro me encanta

em um eu me encontro,

no outro me perco

um é porto seguro,

o outro alto mar...

 

Nestes dois poemas, cada sujeito poético feminino, do alto de evidente discurso de empoderamento, possui plena “consciência e entendimento de seu corpo e de sua voz” (LOUSA, 2017, p. 19). Portanto, este discurso poético atravessa a realidade, suscitando questionamentos sobre a sexualidade para além do espaço privado, vez que transfere esta discussão para as esferas do social e do político, onde (co)existem os mais diversos tabus; ou traz ainda, à roda de discussão, certos (pre)conceitos presentes na esfera literária, como por exemplo, a representação da mulher como objeto de desejo ou como a musa inspiradora. Há, nos dois poemas acima citados, veemente negação do sujeito feminino poético a “ser o objeto, o Outro”, já que esta versão do "Outro", como afirma Beauvoir,  "permanece sujeito no seio de sua demissão” (BEAUVOIR, 1970, p. 70)

É a escrita tábua de salvação, resistência e transgressão, é também linguagem simbólica que liberta corpo e mente da violência do silenciamento, dos flagelos da invisibilidade social e por que não da cruel sina de apêndice do homem?  

X Tertúlia Virtual, emitida em 23/10/2020.

Referências:

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BOSI, Alfredo. A interpretação da Obra Literária – in “Céu, inferno: ensaios de crítica literária e ideológica. Editora Ática, 2003.

LOUSA, Pilar Lago e. Corpo com resistência: questões de gênero em poemas de Elizandra Souza. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/325771713_Corpo_como_resistencia_questoes_de_genero_em_poemas_de_Elizandra_Souza. Acesso em 06 de novembro de 2020.

RODRIGUES, Claudicélio da Silva. 'Corpo de Deus, Boca Minha': Adélia Prado e o Erotismo do Sagrado. Disponível em https://revistas.ufrj.br/index.php/flbc/article/view/17241. Acesso 21 de novembro de 2020.

SANTOS, Aldenise Cordeiro; BEZERRA, Ada Augusta Celestino. O Segundo Sexo de Simone Beauvoir: estudo acerca da construção do conceito mulher. Disponível em https://eventos.set.edu.br/enfope/article/view/5243. Acesso 28 de outubro de 2020.

SENA, Odenildo. Aprendiz de escritor - sobre livros, leituras & escritos. Manaus: Editora Valer, 2020.



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Dez autoras negras para seguir nas redes | E seus livros incríveis para ler

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

A Poesia Contundente de Jovina Souza

MulherArte Resenhas 18 | Sobre "Ao pó" de Morgana Kretzman - Por Irka Barrios

Pés Descalços 04 | A visita do papai Noel

MulherArte Resenhas 17 | "O Olho Esquerdo da Lua" de Jade Luísa - Por Antônio Torres

Uma Mulher Admirável - Conceição Evaristo

Um trecho de romance de Babi Borghese | "Em nome do papa"