Poema | Sequela do Amor, por Jeane Tertuliano

|Coluna 02|


Sequela do Amor


O tempo chicoteia a memória

i n c e s s a n t e m e n t e.

Entretanto, o sádico ignora

um pequeno-grande porém:

quando se ama alguém,

esquece o esquecimento;

resistindo, assim, ao tormento.

O romântico é, 

primordialmente, 

um semideus:

mediante a prévia do fracasso, 

concebe um desfecho do seu agrado,

crendo piamente na sua veracidade.

Devaneando no mar do amor genuíno, 

fica insone e dá asas ao vil desatino:

chora e ri de si mesmo ao naufragar.




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Para não dizer que não falei dos cravos | "Retratos" e "Autorretratos" de José Inácio Vieira de Melo

Poema | Fremente, por Jeane Tertuliano

Um ensaio de Isabel Furini | A Poesia e sua Função

Pés Descalços 01 | Menino ou Menina

Três poemas de Josuelene Souza | Autorretrato

Para não dizer que não falei dos cravos | Cinco poemas de Pedro Vale

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"