Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça


Coluna 20

Trinca de Versos de Valéria Mendonça


Ela chega de mansinho

Abrindo caminho, 

curando feridas

De almas oprimidas

Mentes acorrentadas


Liberando dores,

 antes encurraladas

A poesia liberta.

Pensamentos aprisionados,

sentimentos sufocados


Traz a tona o que estava escondido

Palavra por palavra

Passa a fazer sentido

A poesia salva


Como remédio

 em doses homeopáticas

A poesia ampara

Vira acalento


Nesses tempos sombrios

Como um cobertor

Em dias de frio 


*****************************


Odoyá, minha mãe

Minha mãe, Odoyá

Minha gratidão

Rainha do mar

Dona do meu Ori


Que me traz a luz

Em meio a escuridão

Seca minhas lágrimas

E me faz sorrir


Na beira das águas

Faz uma transformação em mim

Lava todo o ódio e rancor

Tira tudo que é de ruim


Me acolhe 

e me enche de amor

Odoyá, minha mãe

Minha mãe, Odoyá


*****************************


Passa tempo

Tempo passa

E como passa

Cabelos brancos, nascem

Quilos aparecem

O corpo reclama

A mente padece


 E como competir com o tempo?

 Ah.. tempo

Mesmo que os cabelos...

 fiquem brancos

Os corações,

 permanecem jovens

Mesmo com os quilos a mais

O espírito permanece forte


Corpos cansados, 

respiramos e oramos

Para que a mente não padeça 

e se lembre o que e resiliência



Valéria Mendonça, Mãe, mulher e filha. Trabalha na área da 
saúde - é técnica em necropsia - é cuidadora de idosos e no meio a pandemia se descobriu poeta. Traz o viço da leitura e o desejo de que as mulheres alcancem os lugares de prestígio e liderança.







Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Para não dizer que não falei dos cravos | "Retratos" e "Autorretratos" de José Inácio Vieira de Melo

Poema | Fremente, por Jeane Tertuliano

Um ensaio de Isabel Furini | A Poesia e sua Função

Pés Descalços 01 | Menino ou Menina

Três poemas de Josuelene Souza | Autorretrato

Para não dizer que não falei dos cravos | Cinco poemas de Pedro Vale

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"