Cinco poemas de Carolina Miranda | "A grande roda se abre"

 

Imagem de msandersmusic por Pixabay. 

Cinco poemas de Carolina Miranda

"A grande roda se abre"


Marina


Marina tens o dom de cuidar dos animais com amor

Pôr um girassol no cabelo faz sua alegria

És determinada nos estudos

A matemática a faz estudar com empenho

O ditado na sala de aula tira de letra

Tens os olhos da vó Miriam

A simplicidade de sua mãe Giza

Ama seu irmão Zé a todo instante

Paninho a faz rir a todo instante

Teu sorriso ilumina os dias de todos



Érica


Enfermagem luta

Dormir e pensar no plantão que passou e o que virá

Encaminhar, orientar

Supervisionar, motivar

Na faculdade os mestres com suas histórias

Fazem a mente dos futuros enfermeiros

Produzir ideias humanizadas

Ao formar vê o quanto cresceu

Durante os estágios

Ir atrás da especialização até o doutorado

Hoje o desejo é:

Aprova a PL 2564

Para organizar, valorizar

O trabalho da Enfermagem


Imagem de Pexels por Pixabay. 


A índia passa urucum no rosto

Seus olhos negros seguem os passos de

sua filha que traz nas pequenas mãos um

cocar belíssimo resultado de meses de

dedicação das mulheres da tribo

Caminha para a frente da oca

Aguarda a voz dos guerreiros para o início

da tão esperada dança que comemora a

grande colheita que por muito tempo

matará a fome de todos

Um a um a postos

Lado a lado

A grande roda se abre

A poeira levanta

Celebrar a vitória



Dia do Bombeiro


O sinal de alerta a soar e lá vão eles

Para a missão de salvar vidas

Subir no caminhão

Olhar fixo pelas janelas, mãos a carregar

capacetes

Intercorrência à vista

Descer do caminhão

Orientar quanto às táticas a serem usadas

Braços a postos, enfileirados

Pés parecem estar presos ao chão

Acionar a água para debelar o fogo

Fazer silêncio à procura de vítimas

Carregar em seus braços de recém-nascidos a

idosos e dar uma segunda vida

Viva os Bombeiros



Tens nas mãos o poder do cuidar

És responsável por vidas

Caminhas firme entre os leitos

Nunca deixas de estudar

Interages com sabedoria

Cada plantão uma emoção

Olhar humanizado diante de uma superação

de um paciente

Atento a todo momento

Unir simplicidade e complexidade

Xodó? Tua família

Idealizas um futuro justo

Ler te faz se sentir leve

Importante és a cada dia

Aperfeiçoas-te através de cursos

Recuperas a energia com o abraço

apertado de teu filho


Imagem de AzDude por Pixabay.




"Meu nome é Carolina Miranda do Espirito Santo, nasci em 24 de julho de 1981, em Natal - RN. Sou Enfermeira, formada pela Universidade Católica de Salvador no ano de 2004. Tenho pós-graduação em Saúde Pública com Enfase em Saúde da Família e Enfermagem do Trabalho. Amante de uma boa leitura e por ser Enfermeira, tenho um cuidado em escutar e refletir sobre momentos simples que nos engrandecem. Idealizei e implantei o 'Cantinho da leitura' na umidade em que trabalho no Hospital Geral Roberto Santos em Salvador, o qual vem mudando o dia a dia de todos. Comecei em uma caixa de sapato com cinco livros e hoje são 1000 livros, todos doados. Na pandemia tive que inovar: recitando poemas dos livros doados nos leitos. Isto fez com que começasse a escrever poemas inspirados nos pacientes. Tenho a cada dia aprimorado minhas palavras e estou realizada em poder fazer o bem."




Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

Quatro poemas de Ana Dos Santos | "Retorno ao Atlântico Negro"

Poema | Nunca Mais, por Jeane Tertuliano

Lançamento | Coletânea Mulherio das Letras para Elas

Cinco poemas de Valéria Paz | "Era vida e se quebrou"

Pés Descalços 02 | Uma página para cada coisa

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Para não dizer que não falei dos cravos | Seis poemas de Jansen Hinkel

MulherArte Resenhas 16 | "Chão Batido", de Juçara Naccioli: vozes monumentais de ontem e de hoje - Por Marli Walker