Preta em Traje Branco | Deságues de Susana Malu Cordoba



Coluna 33


Foto by Arek Socha from Pixabay


Deságues de Susana Malu Cordoba

DERRAMAR
ESCORRER 
SE DEMORAR

Verbos transitivos que enfeitam GARGANTAS


***********************************

O que separa as meninas das mulheres

Ouviu-se apenas um disparo
"Eu queria que você me amasse"
De repente um silêncio morno
o beijo no rosto
e o impacto
da bala que ricocheteou


***********************************


Liberdade em gotas

Foi uma gargalhada daquelas bem dadas
Estava só
E ali, onde as confissões só são permitidas 
aos que queimam

Duvidou do matrimônio


***********************************


Um segredo

Gosto de mergulhar em pessoas, se pudesse 
mergulharia em você


***********************************


Tem noites em que minha maior ânsia é
derramar em sua boca o líquido quente
e escorregadio dos desejos que me tiram o sono
São nesses momentos que imagino 
meu sussurro clandestino de fêmea
lambendo seus ouvidos
É ali que minhas intenções te mordiscam
o sono, os lábios, o falo
E ao amanhecer te devolvo ao mundo batizado
Nesse fio prata que me corrói aos poucos





Susana Malu Cordoba. 32 anos, paulistana, moradora da Vila Brasilândia mais precisamente do bairro Jardim Elisa Maria. Formada em Recursos Humanos, é diretora sindical do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Através deste sindicato atua no núcleo da diversidade racial, é poeta e iniciou seu contato com a poesia através do Sarau Elo da Corrente em 2016, desde de então vem escrevendo pequenas prosas poéticas.




 

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

TRÊS POEMAS DE ISABEL FURINI

A POESIA DE WANDA MONTEIRO | por Nic Cardeal

Um Conto inédito de Sandra Godinho

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

UM POEMA DE MARIA DOS NAVEGANTES QUEIROZ

REFLEXÃO SOBRE O LIVRO E A LITERATURA NO DIA MUNDIAL DO LIVRO | VANESSA RATTON