De Prosa & Arte | Do latim expectare, reagi!


Coluna 39

Foto StockSnap by Pixabay


Do latim expectare, reagi!

De todas as expectativas que criei, você foi a maior decepção. Talvez, porque eu tenha idealizado no continuum mental, um alguém que nunca fora. Falseei nos meus desejos, nos mais profundos, um porvir que jamais chegou.


O erro está em criá-las, em sua etimologia a palavra expectativa  vem do latim "expectare", com o sentido de "à espera de". Então passei anos da vida “à espera de um milagre”.


Hoje, costumo acumular desejos possíveis, que minhas pernas alcancem e executo a mudança a partir de mim, o outro não se fez extensão do que sou.

Cada um é um. E eu agora cuido desse um - único, que sou eu mesma e minha complexidade ruidosa.


Recolho, cacos miúdos que me sangram os pés, na caminhada diária pra longe da sua falta de empatia, da sua irresponsabilidade afetiva, do seu egoísmo, da sua insensibilidade frente ao mundo.


Tendo a acreditar, que na forja dessa sua passagem, não lhe foi atribuída a propriedade de se afetar das coisas e pessoas caras. Não foi por falta de tentativas de toda gente que te amou. 


Pessoas como você são frias, calculistas, materialistas… Só lhes pesa a perda do que carregam nos bolsos da calça e dos casacos. Pessoas e sentimentos são irrelevantes. Talvez, sejam úteis se lhe servirem.


Gratidão, companheirismo, parceria, não são encontrados no seu vocabulário, tampouco nas suas atitudes. Ora, veja… caíram os véus da minha ignorância sobre quem sempre foi.


Decepção, do latim deceptio.onis… desapontamento, comportamento censurável, desgosto e desalento... dia após dia, fazem a distância. 

Ver no outro um completo estranho.


Como posso ter me negado por tantos anos?

Permitido que me roubassem a identidade, dignidade, a estima por mim?


Distância, do latim "distantia,ae", com o sentido de espaço entre uma coisa e outra. É isso, saia e devolva meu espaço, ocupado com suas falácias, com seus destemperos, imaturidade e afins.


Amor, do latim "amor,oris", com o sentido de amizade, afeição, desejo intenso. Tenho desacreditado, que saibamos manejar esse vocábulo.


De tudo, que sobrou no meu profundo abismo de desilusões, reencontrei vestígios da minha essência perdida. E ao tomá-la nas mãos, sacudir a poeira e arejá-la ao Sol. Vesti-me. Tudo que você deixou, não me cabe mais. Então descartei. 


Recolho, meus retalhos rotos, durante a nova caminhada. No fim dela, terei um lindo mosaico de histórias bem vividas, e tristezas superadas.











 

Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

TRÊS POEMAS DE ISABEL FURINI

A POESIA DE WANDA MONTEIRO | por Nic Cardeal

Um Conto inédito de Sandra Godinho

Cinco poemas de Catita | "Minha árvore é baobá rainha da savana"

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

UM POEMA DE MARIA DOS NAVEGANTES QUEIROZ

REFLEXÃO SOBRE O LIVRO E A LITERATURA NO DIA MUNDIAL DO LIVRO | VANESSA RATTON