Três poemas e um conto de TAİ | "DIAMANTEMENTE NO CÉU"

 

Imagem de WikiImages por Pixabay. 

Três poemas e um conto de TAİ 

"DIAMANTEMENTE NO CÉU"


DOR DE EMOÇÃO ACUMULADA

SEM VEZ DE SER

TROCADA E TOCADA

É DOR INCAUCULADA.


*


OS OLHOS TE VÊM

A VOZ TE CHAMA

O PENSAMENTO TE PENSA

A EMOÇÃO TE PAQUERA

MAS….

O CORAÇÃO NUNCA TE TOCA.


*


DE TANTO

OUVIR, SENTIR E VER

O MUNDO.

DEUS

TONTO E MUDO

EXPLODIU!

ESTILHAÇOU-SE EM ZIL PEDAÇOS

QUE NO AGORA BRILHAM DIAMANTEMENTE NO CÉU.

BELAS VELAS ACESAS

NO VENTO DO TEMPO

SOMOS TODOS!

ESTRELAS À PROCURA DE DEUS.


Imagem de David Mark por Pixabay. 


A DESPEDIDA

 

Ninguém viu

Quando o poeta desistiu e partiu.

Assim sem pressa.

Apenas um alguém...o viu.

O menino.

O poeta partido partiu.

Só o menino viu.

No mesmo lugar os dois a se ligar.

Ao sabor do vento num ritmo lento e profundo, sem saber ele ia...ia.... até o fim.

Neste instante! ...

Um rompante explode dentro do peito do menino.

O menino sente pela primeira vez o pulsar e o acordar do seu coração.

A ida do poeta e a vida do menino se entrelaçam.

Trazendo vida para o coração do menino.

Num lugar...fora do tempo, jazia o poeta que não resistiu viver na dor do desamor.

O menino ria....

Coração em canção,

Aprendia e ouvia o Amor

Corria, brincava e brindava....

Encantado, mergulhou no lago profundo, trazendo um pote cheio de sementes cristalinas.

O tempo passou e se renovou.

Levou cada um para um canto.

O destino e a vida pariram seus novos ciclos em cios macios.

A vida grávida se fez brotar e renovar.

E para acabar esse meu contar...

Se atenta!

Ouve! ...Escuta! ....Vê!..

Não tá vendo?!...

A vida logo ali tecendo um novo acontecimento.

Lá na esquina

Vem vindo no vento algum movimento

Longe..

No longo da estrada

Um homem caído, morto e prostrado.

E acolá...

Vem vindo do lado de lá!!!..

Nosso antigo menino, que ao poeta viu.

No agora, ele se fez homem.

Vem com ele brincando, o seu filho.

Até que de repente....

Olham o corpo morto do poeta na estrada.

Agacham-se junto ao poeta, acariciando seus cabelos emaranhados,

Ficam emocionados ao reconhece-lo.

O filho quando ao poeta viu,

Sentiu um novo pulsar dentro do peito desabrochar...

Então... aprendeu a amar.

Pai e filho abraçam-se e comemoram.

Por todos os cantos...prantos, risos e cantos tanto do pai como do filho.

Traziam vida para o coração do poeta.

No céu um clarão estalou!

O poeta ressuscitou! Algo fidalgo nele desabrochou.

Poeta, Pai e Filho reconhecem-se ao se olharem pela primeira vez.

Apaixonam-se.

Do alto, um arco-íris, dá um salto, escorregando suas sete cores

Ancorando na terra: Amor.

Então! ...

Tudo se renovou.





TAİ: "Me chamo Tônia Tinoco. Posso ter várias definições: a do CNPJ,a profissional, a pessoal, a espiritual e etc... Mas sou e estou POETA, desde os 9 anos de idade. Então nasceu a TAİ. Peregrina da BELEZA,com sua mochilinha cheia de poemas. TAİ atravessa o seu cotidiano. Apaixonada pelas pessoas, pelas amizades, pela arte, pela cultura e pela natureza. Minha trajetória profissional, foi movida por essa paixões aí de cima e por uma necessidade vital de ajudar o próximo. Então a Tônia se tornou: arquiteta, diretora e professora de teatro, dramaturga ,roteirista, recreadora,arterapeuta e terapeuta holística. Além da Poesia, o despertar da consciência, a contemplação, a ação social e a solidariedade me movem e comovem. Como é bom!!.. Tocar e trocar no coração das pessoas que me encontram e me encantam por aí."






 

 


Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Prosa Poética | Impiedosa Realidade, por Jeane Tertuliano

Especial Literatura | Vinte autoras de/em Cuiabá

Cinco poemas de Marta Valéria Aires F. Rosa | "Respiro lentamente o prazer da criação"

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"

Um conto de Evelise Pimenta | "Foi num sábado qualquer..."

Preta em Traje Branco | A autoestima concebida de Arleide Nascimento

Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça

Resenha do livro infantojuvenil de poemas, POEMEAR DE PERNAS PRO AR, de Adriana Barretta Almeida