Coluna 08 - In-Confidências por Adriana Mayrinck

                                                                          Coluna 08         

Era apenas um pedaço de chocolate.


Estavam mudos naquela manhã, outrora, era tempo de afagos e risadas. 
Um desencontro de palavras e atitudes silenciou sorrisos. Cada um fechado em seus dissabores, prosseguiam pelas horas. 

Ela, em cima da escada, pintando detalhes na sala de estar, na ânsia de alterar 
as cores desbotadas pelo tempo. Sentia falta da voz grave que contava-lhe piadas sem graça, olhava fixamente para os seus próprios movimentos entre a tinta e o pincel, não ousava desviar o olhar e procurar por ele. Faltava-lhe coragem para fugir, tinha medo de falar. 

Ele a observava de relance, enquanto pintava a porta da entrada. Horas entre idas e vindas, sem aproximarem olhares. Ele ainda na ressaca, lutava com sua própria consciência. Nitidamente demonstrava uma inquietação e talvez, desejo de regressar à noite anterior.  

A tarde pálida e a mudez no tempo, sufocavam o ar e ouvia-se no vento parado as ameaças, a discussão, a mão que acertara em cheio o lado direito do rosto, deixando-a tonta e perplexa.

A mesma mão que continuou fechada, movimentando-se no ar e ameaçando-lhe por quase uma hora de embriaguêz e insanidade regados a uísque, vinho e cerveja.

Depois veio a escuridão, o silêncio, o vazio.

Ele engoliu em seco e pegou um pedaço de chocolate.Estendeu a mão com amabilidade, e ela, distraída pelas horas no abismo de si mesma, agradeceu, pegou sem o fitar e colocou no bolso. Engolia as lágrimas contidas e permanecia quase imóvel, olhando para a parede, sem querer descer do refúgio que lhe garantia um mínimo de lucidez naquele momento, em que tentava desistir de todos aqueles anos em que ele fôra o centro do seu mundo e da sua vida, mas o coração insistia em permanecer na paixão que a levara até ali, confundindo os sentidos. 

A vida passou pelos minutos, ao entardecer, uma passagem de avião aproximou-os em palavras banais. De repente, perceberam-se estranhos. Os ecos ficaram, daquela noite que nenhum dos dois conseguiu apagar, mesmo com as novas cores na sala de estar.

As malas prontas e um sorriso triste, empurrou-a para o táxi que esperava. Com olhares mergulhados um no outro, desistiram das palavras, e cada um seguiu pela noite escura, caminhos distintos.

Ele, oprimido, procurou o bar mais próximo, consolava-se, imerso no uísque.

Ela, destruída, refugiou-se em um quarto de hotel, insone, deixava-se afogar em água e sal.


Amanheceu. 
Ela ainda estava em cima da escada...



Com o pensamento em redemoinhos e sentimentos contraditórios ficou olhando para aquele pedaço de chocolate, que guardara como lembrança. Abriu a boca, fechou os olhos e deixou-se absorver por aquele instante, sentindo o chocolate derreter com o calor do beijo que negou, da desculpa que não aceitou, do amor que abandonou, do tapa que não perdoou.


Ele não mais está.


E era apenas um pedaço de chocolate...







Uma homenagem ao dia internacional da mulher - 8 de março
Dedicado a todas as vítimas de violência doméstica.


"São diversas violências domésticas, como física, verbal, psicológica, moral ou patrimonial. Elas vão minando sua autoestima", afirma a psicóloga.
Saiba mais...



* Este texto foi cedido gentilmente para Divanize Carbonieri e publicado na
 Ruído Manifestoem junho de 2019.









Comentários

  1. Um texto forte e infelizmente tão real querida Adriana, e era apenas um pedaço de chocolate...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Prosa Poética | Impiedosa Realidade, por Jeane Tertuliano

Especial Literatura | Vinte autoras de/em Cuiabá

Cinco poemas de Marta Valéria Aires F. Rosa | "Respiro lentamente o prazer da criação"

Três poemas e um conto de TAİ | "DIAMANTEMENTE NO CÉU"

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"

Um conto de Evelise Pimenta | "Foi num sábado qualquer..."

Preta em Traje Branco | A autoestima concebida de Arleide Nascimento

Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça

Resenha do livro infantojuvenil de poemas, POEMEAR DE PERNAS PRO AR, de Adriana Barretta Almeida