coluna 01- Nas trilhas Femininas do Cordel - Apresentação

                                                                      coluna 01
 

Dedo de prosa com as (os) leitoras (es)


Olá! Eu sou Zezé Matos. Eu sou Sueli Valeriano! Enviamos a todos saudações poéticas!

Esta é nossa casa de "escrevinhar"; aqui vamos nos encontrar em trilhas femininas do Cordel e cordelizando vamos tecer rendas de afetos e encantos. Venha conosco. Eu, Zezé Matos Poeta e a nossa Diva do Cordel Baiano Brasileiro, Sueli Valeriano temos muito a prosear com todos(as) (es) e nesta prosa queremos ouvir o falar de todas (os) (es). Prepara o café que a conversa vai render!

Um abraço carinhoso,

Sueli Valeriano e Zezé Matos.



Amanhece! Ela, mulher nordestina desperta. O Sertão arde. A aurora é incerta, mas certamente ela traz em seu olhar o verde esperança! Foi lhe dado mais um dia e quem sabe é o dia da chuva cair e de tudo melhorar. É assim o pensar da mãe sertaneja, da mulher nordestina. Valente ela segue, não aceita a derrota, a desesperança como sina.

É dádiva divina dos bravos resistentes, ela é mulher que sofre, mas luta. É resiliente e faz do seu mundo o melhor lugar para os seus. Ela tem em seus braços o calor e o aconchego que transborda em seu lar.
E ninguém pode negar que o amanhecer nordestino tem os aromas do cuscuz, do café coado preparado com esmero no fogão a lenha por esta mulher. O crepitar das chamas só não são mais sonoros que o seu coração a bater de alegria pela chegada de mais um dia.

Assim segue a mulher nordestina nas trilhas do cordel de cada dia, do ser Nordeste! Com todas as mazelas do solo rachado, do sol a pino e as belezas do mandacaru a florir anunciando a chuva, mesmo que tão rara.

Esta é e será nossa cara, nossa escrita. Venha conosco conhecer e se encantar com as histórias, os causos e muita literatura das mulheres reais e valentes nas Trilhas Femininas do Cordel.

por Zezé Matos




Literatura de Cordel Poesia que abençoa


O Cordel é poesia
Divinamente inspirada
Reflexo de uma gente
Vivida e experimentada
Que apesar dos seus temores
Não se entrega por nada.


E se alguém se entrega
Por um dilema qualquer
Um poema de cordel
Falando de força e fé
É capaz de levantá-lo
Pra lutar pelo que quer.


E se alguém quer mudar
Mas lhe falta confiança
Um poema de cordel
Falando sobre esperança
Faz este alguém animar-se
E começar a mudança.


Quando pensamos em alguém
Que está em outra cidade
Um poema de cordel
Falando sobre saudade
Vai trazer boas lembranças
De um tempo, uma amizade.


E completa, é abrangente
Esta rica poesia
Pode ter longa metragem
Ou curta dramaturgia
É riqueza literária.
Cheia de democracia.


Tem cordel para elogios
Também para criticar
Cordel para fazer rir
Cordel pra fazer chorar
Tem versos pra refletir.
Tem versos pra emocionar.


É um rico universo
Para o poeta inspirar
Do espaçoso universo
Às profundezas do mar
É uma rica aventura
Então vem se aventurar.


por Sueli Valeriano










Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Prosa Poética | Impiedosa Realidade, por Jeane Tertuliano

Especial Literatura | Vinte autoras de/em Cuiabá

Cinco poemas de Marta Valéria Aires F. Rosa | "Respiro lentamente o prazer da criação"

Três poemas e um conto de TAİ | "DIAMANTEMENTE NO CÉU"

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"

Um conto de Evelise Pimenta | "Foi num sábado qualquer..."

Preta em Traje Branco | A autoestima concebida de Arleide Nascimento

Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça

Resenha do livro infantojuvenil de poemas, POEMEAR DE PERNAS PRO AR, de Adriana Barretta Almeida