SEIS POEMAS DE ANNA MIRANDA MIRANDA

(imagem: Facebook)

VERSO LIVRE

assim escrevo na borda do tempo 
linha riscada em giz de sombra pálida 
tempo febril indagações metálicas 
ponta de aço enferrujado em lomba
lomba de páginas lidas em compasso
lomba de canto gasto e atual
lomba de lombra curto verso inverso
lomba de chão arado tenso igual

assim escrevo no raiar da tarde
tarde molhada líquida desfeita 
tarde que logo será noite. E arde.
ardência louca transparente avessa
engole o verso a transparência e a tarde
mais tarde é noite 
antes que anoiteça. 

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-


(imagem: Facebook)

PALÁVIDA

Procura o gozo da palavra fértil 
Transforma o gosto da palavra amarga
Mastiga o fruto da palavra erétil 
Transmuta a pele da palavra gasta

Desfaz o pranto da palavra inerte
Disseca o assombro da palavra muda
Revive a glória da palavra límpida 
Constrói a ponte da palavra alada

Imanta o som da palavra cantada
Inventa a voz da palavra falada
Engravida o silêncio da palavra escrita
Arremessa a flecha da palavra encorpada

Pois que a palavra é encanto, rio e risco

Da sua dor imprevista
Do seu riso improvável 
Não sabemos nada. 

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-


       (imagem: Facebook)

TRANSMUTANTE

Dos meus pés saem raízes 
Das minhas pernas saem memórias 
Das minhas coxas saem estrias
Dos meus joelhos saem sussurros
Do meu útero saem orgasmos
Da minha barriga saem espasmos 
Do meu abdômen saem urros
Do meu tórax saem buracos
Das minhas costas saem cascas
Dos meus braços saem dores
Das minhas mãos saem garras 
Da minha nuca saem facas
Da minha cabeça saem galhos
Da minha mente saem antenas
Parabólicas 
De consciência.

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-


(imagem: Facebook)

MILHO CRU

Ajoelha-te no milho cru da poesia
Reza um terço ou um rosário de penas
Ser poeta é o grande corte na asa
E aquele velho sangramento na veia. 

Deixa que o sangue escorra em profusão 
Deixa que o sangue espirre água 
e dor avermelhada... 
Deixa que a própria poesia te recrie
Em transfusão de cores, sombras, luzes e verdades.
 
Meias verdades são verdades plenas!
Poesia é obra, argamassa, incompletude
O que te resta é preencher a obra aberta
Com teus rabiscos, teu olhar, teu alaúde

Toca o piano da palavra escondida
Nos recônditos profundos do teu medo

O poema espera vir à tona em salto triplo
Em cambalhotas. 
Riso, corte, desapego.

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-


(imagem: carmengoncalves.wordpress.com)

MULHER

A mulher caminha a passos largos
na direção do sol               onde ele brilha
em raios fulgurantes        ou suaves 
O astro- rei abre a luz e a esconde
                                              no ninho

É nessa luz difusa         alternada em vislumbres
Que a mulher caminha e vaga
e lume

E volta a caminhar a passos largos
com filhos escanchados na cintura
Ali               bem mais ali ela descansa
espiando os rebentos     fiando ternuras

E volta a caminhar a passos largos
pois que dona de si ela já é 
importa pouco o que vão pensar dela
se entra e sai na porta ou na janela
Deixa rastros e marcas:
                                          É mulher

A trilha trançada das que vieram antes
pegadas 
sagradas
sustentam o caminho
                     que sempre aparece
na curva da estrada
guiado por ventos
e um bom passarinho.

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-


(ilustração: Juarez Machado)

LAMPEJOS

Beija meus pés pois que te quero aceso!
Levanta da languidez da preguiça 
A ressaca mudou    álcool e amor já não combinam
Agora somos colombina/ pierrot
Viajar nos sonhos é preciso
Viajar no todo incandescente mundo 
Vagabundos.... na vida imprecisa
Tateamos no solo abstrato

Não precisamos de  nenhum retrato 
daquela foto antiga que restou!!

Beija meus pés pois que te quero ardente!
Água fervente           cheiro de lavanda
Lavemos o tapete da varanda

O vômito/ o esperma....  tantos anos!

Agora são carícias preliminares
Alumiando o corpo e seus altares

Derrubados na rota em colisão
Somos refeitos em nova combustão.

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-


(fotografia do arquivo pessoal da autora)

ANNA MIRANDA MIRANDA é escritora, cronista, poeta e cantora. É formada em Comunicação Social pela PUC/RJ. Escreve desde os doze anos. Começou com a crônica e a prosa, inspirada no cronista Rubem Braga. Lendo Carlos Drummond de Andrade, resolveu também enveredar pela poesia. 
Nos anos 80 publicou seu livro de poemas Prova de fogo, prefaciado por Leila Miccolis e lançado em São Paulo, no I Festival das Mulheres nas Artes. 

No período acadêmico fez parte do grupo de editores da Revista Poetagem, onde publicou verso e prosa. Foi gerente do Projeto Torquato Neto, da Secretaria de Educação do Piauí, onde foi gravado o disco coletivo Cantares. Atuou, ainda, como Coordenadora de Editoração da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, em Teresina/PI, onde era publicada a revista Cadernos de Teresina e livros de vários autores piauienses.

No ano 2000 lançou o disco Tropicálido

Depois de um longo tempo cantando e fazendo shows, em 2019 voltou à poesia, participando da coleção Anima II, de Daniela Pace Devisate, o que lhe possibilitou o contato com uma extensa rede de poetas. A partir de 2020 passou a publicar poemas inspirados em imagens, nas páginas do Facebook. Seus textos também passaram a ser interpretados pelo ator e dramaturgo Antônio Cunha, no canal do YouTube. Em consequência dessas divulgações, foi convidada por Artur Gomes para uma entrevista no site de Poesia Falada, onde também foram publicados seus poemas. 

Participação em antologias: Antologia de Escritoras Piauisenses - século XIX à contemporaneidade, organizada por Marleide Lins, Algemira Mendes e Olívia Rocha; Antologia Escrituras da Menarca (Selo Hecatombe, Editora Urutau/2021), com participação especial de Maria Valéria Rezende. 

É autora do livro infantil A tartaruga de sete cidades.


Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Prosa Poética | Impiedosa Realidade, por Jeane Tertuliano

Especial Literatura | Vinte autoras de/em Cuiabá

Cinco poemas de Marta Valéria Aires F. Rosa | "Respiro lentamente o prazer da criação"

Três poemas e um conto de TAİ | "DIAMANTEMENTE NO CÉU"

Uma crônica de Dalva Maria Soares | "A janta tá pronta?"

Um conto de Evelise Pimenta | "Foi num sábado qualquer..."

Preta em Traje Branco | A autoestima concebida de Arleide Nascimento

Preta em Traje Branco | Trinca de Versos de Valéria Mendonça

Resenha do livro infantojuvenil de poemas, POEMEAR DE PERNAS PRO AR, de Adriana Barretta Almeida