Para não dizer que não falei dos cravos | Um conto de Fernando Andrade

 

Coluna 07


Um conto de Fernando Andrade

Jogo da Velha


O Voo é um pensamento. O tiro é um pensamento que saiu pela culatra. John atira por que não sabe voar. Tinha marcas não do destino, mas sim, em seus braços que eram marcas de jogo. John veio ao mundo tatuado de pequenos jogos da velha. Para cada amigo que fazia ele dizia, complete. Tinha no seu corpo jogos perdidos e jogos vencidos. Na hora de morrer farei meu último jogo com o padre, ele me dará a extrema unção e fará minha última cruz. Para cada três atos que fazia na vida e que dava certo, pois ele era um azarado, ou não prestava atenção na vida? Ele considerava a linha do jogo da velha. Na verdade, John tinha pânico de retorno. Ele quando criança jogando bumerangue tinha horror quando aquilo voltava. A lei do bumerangue era a lei do retorno, das ações que voltam para você, do amor que deu e que um dia uma mulher resolve retribuir. John, portanto, jogava velha na sua pele, pois esta não precisa de bumerangue. Toda vez que três ações davam certo para ele, coisas realmente importantes que pesavam na sua vida influenciando-a ou interferindo na vida dos afetos que lhe demandavam atenção. Ele ganhava seus jogos. Três ações boas eram suficientes para botá-lo em vantagem contra seus oponentes.

 Por isso John uma dia pulou do 10 andar de seu apartamento. Ele viu que todo processo de mentalizar e fazer\ jogar, é um voo. Era afastar-se do mundo palpável e subir para ver tudo lá de cima. Começou a ganhar o estampido no seu ouvido. O tiro é um pensamento que sai pela culatra.  Nestas horas ele tinha medo quando uma nova tabela de jogo aparecia na sua pele, e um amigo chegava e perguntava, vamos jogar? Neste dia ele tinha quase incendiado a casa com um cigarro que caiu no tapete. Um dia John conheceu a vizinha, e ela meio que pediu um pouco de açúcar para fazer um doce. Ele tinha uma ação à favor e uma contra. Portanto o jogo estava no empate, por enquanto. Claro, a cada ação à favor ou contra, aparecia do nada um amigo com a caneta para marcar cruz ou bola. Ela bateu na porta e ele atendeu, tão bonita, que ele necessitaria de um desempate. Mas fazer o quê na frente dela? Uma ação fortíssima que lhe fosse a favor, e um amigo colocando uma cruz errada no lugar errado. E ele tendo a vantagem...

 Como ia explicar o aparecimento do nada de um amigo exigindo a continuação do jogo, ainda mais, nas tatuagens. O voo é um pensamento. Sair momentaneamente de si (narciso de férias) poderia ser considerado um voo? E dentro deste voo, as três ações conseguintes poderiam lhe dar um novo vencimento?


Fonte: pixabay.com



Fernando Andrade, 51 anos, é jornalista,  poeta, e crítico literário. Faz parte  do Coletivo de Arte Caneta Lente e Pincel. Participa também do coletivo Clube de leitura, no qual tem dois contos em coletâneas: “Quadris” no  volume 3 e “Canteiro” no volume 4 do Clube da leitura.   Colabora na revista literária Literatura e fechaduracom resenhas de livros e cd’s e entrevistas com escritores, poetas e músicos. Tem dois livros de poesia pela editora Oito e Meio, Lacan Por Câmeras Cinematográficas Poemoemetria, e Enclave (poemas) pela Editora Patuá.   Seu poema “A cidade é um corpo” participou da exposição Poesia agora em Salvador e no Rio de Janeiro.  Lançou, em 2018,  seu quarto livro de poemas,  a perpetuação da espéciepela Editora Penalux. E lançou, no final de 2019, seu primeiro livro de contos, Logaritmosentido, editora Penalux, que pode ser adquirido aqui: https://www.editorapenalux.com.br/loja/logaritmosentido



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Divina Leitura | O mito da beleza por Naomi Wolf e suas consequências para a vida das mulheres contemporâneas

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

Improvisos & Arquivos | árvore/poemas - publicação coletiva

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Cinco poemas de Angela Dondoni | "Transmutar"

Tertúlia Virtual | uma ideia genial de Marta Cortezão

Resenha do livro infantojuvenil A ÚLTIMA FOLHA, de Adriana Barretta Almeida

Uma crônica de Guiniver | "Essenciais e Perfumados"

Um conto de Carmen Moreno | "Dora"

Três poemas de Maria Cleunice Fantinati da Silva | "Intensa(mente) temperamental"