Preta em Traje Branco | Ana Paula de Oya em Tríade de Versos

 

Coluna 5


Ana Paula de Oya em Tríade de Versos




Xirê

Motumba a todos os Orisás!

Esu, que me dá caminhos,

Ogum, que me mantém na trilha aberta e certa.

Osóssi, que não me deixa perecer na falta da fartura.

Omolu, que não me deixar faltar a saúde e energia.

Ossain, que não me deixa esquecer da minha raiz.

Osumare, que me abençoa com arco-íris e chuvas de transformações.

Iroko, que me faz firme.

Logun, que me deixa contemplar as belezas.

Osum, que me enche de riquezas, também as de sentimento.

Iemanjá, mãe que me acolhe.

OYA, o vento que me aponta o certo e o errado, força que move, mãe que me ensina.

Oba, que não me deixa desanimar nas lutas.

Ewa, que não me permite deixar de sonhar e concretizar os sonhos.

Nanã, que me abençoa com mais um ano de vida.

Sangô, que me mostra a justiça certa de Orisá.

Osalá, que molda a cada dia minha Ori.

Ibejis presentes na alegria inocente de cada momento de felicidade.

Que no Sirê da vida esses sempre venham ser meus alicerces, minhas bases de amor e proteção!

Asé, asé, asé!

 ***


Florescer.

 

O tempo às vezes fecha as janelas, corre por fora da casa, passeia ávido pelo quintal, até que um dia ao invés de abrir novamente as janelas para arejar, o tempo abre as portas.

Portas laterais, dos fundos, da frente para que todos possam ver com clareza os novos dias e a evolução que acontece, sem que tivéssemos como de dentro olhar.

Convida a todos para que saiam de seus casulos e percebam o crescimento das plantas sem que as mesmas precisassem se soltar de suas raízes. É o novo florescer acontecendo.

Tempo, evolução e crescimento caminham juntos. 

Orquídeas e cravos se misturam, para florescer no jardim da amizade. Convidam-se sem alarde a desfrutar de momentos juntos.

Ninguém precisa ser testemunha de sua própria evolução, a não ser que você queira.

O crescimento dos cravos, orquídeas é pessoal e coletivo ao mesmo tempo. Somente as verdadeiras flores desse jardim percebem e reconhecem o seu crescer.

Floresçam!


 ***

 

"Rejuvenescimento está na convivência com os mais novos.

Sabedoria na convivência com os mais velhos.

O meio termo é o privilégio de viver entre dois tempos e aprender com ambos.

Reconheça suas raízes, seja caule que sustenta folhas e flores.

Seja a ponte entre raiz e frutos.

Desfrute do prazer do meio termo entre gerações.

Tenha humildade para aprender com o ciclo que é a vida...

Circular, se colar, deixa estar...”




Ana Paula de Oya, é Mulher, filha e mãe preta. Tem como principais formações as Ciências Biológicas, Psicopedagogia e Pedagogia.  Professora de Biologia na rede estadual de ensino. Defensora da utilização da escola como espaço de integração entre a Cultura Periférica e educação. Tem na escrita uma arte e terapia, não rotula sua escrita e seus pensamentos, eles são livres.

Instagram: @anapauladeoya






Comentários

  1. Já fui Ana Paula, Paulinha, Orquídea e agora Ana Paula de Oya e sempre grata por aqueles que ajudam meus versos voar... Gratidão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Um conto de Maria Amélia Elói | "Fécula"

Cinco poemas de Claudia Miranda Franco | "Moenda"

Sete poemas de Rozana Gastaldi Cominal | "Aos protagonistas da cultura viva"

Coluna 01 - In-Confidências - Apresentação, por Adriana Mayrinck

Coluna 02 | Fala aí... Isabel Bastos Nunes (Portugal)

Coluna 01 | Fala aí... - Apresentação, por Adriana Mayrinck

PONTE-AR: literatura preta em dia(logo) | Na moda - Catita

Coluna 01 | Mulherio das Letras na Lua - Apresentação

A poesia tocante de Wanda Monteiro

Coluna 04 | Fala aí... Terezinha Malaquias (Alemanha)