Cinco poemas de Jacinaila Louriana Ferreira | "a voz que insiste em gritar"

 

Imagem de Speedy McVroom por Pixabay. 

Cinco poemas de Jacinaila Louriana Ferreira

"a voz que insiste em gritar"

 


Palavra

 

Ronda no pensamento

como um ronronar felino

que de tanto insistir

é fera do destino

 

É a voz que insiste em gritar,

nasce no poder materno

de gerar...

 

Não é o acaso

é caso pensado

está pronto!

insiste em sair

povoar...

 

É o mistério do escritor

que curva a alma

e registra,

o que não quer calar!

 

Sim! É como parir...

A palavra está pronta,

insiste em nascer...

Brilhar!

 

 

Armado contra preconceitos

 

Meu cabelo

Nunca fez mal pra ninguém

E mesmo assim

É considerado ruim?!

 

Fuá,

Ninho de guacho,

Grenho,

Bombril,

Bucha,

Cabelo de nego,

Cabelo de suvaco,

Cocô de rolinha,

Pixaim...

 

Triste sina a minha!

Cabelo de mola,

Vassoura de bruxa,

Que impertinência a sua!

 

Esponja de aço

Cabelo doido, duro

Duro é aguentar

Sua discriminação!

Quem disse que o meu é ruim

E o seu é bom?

Bombril é o cérebro

Duro de ignorância

Vassoura de bruxa

São preconceitos

Que roubam nossas esperanças!

 

Esponja de aço

É a falsidade

Sugando a inteligência.

Doido e desproposital

É uma nação amedrontada

Julgada por sua cor

 

Em uma mola dialógica

De feridas que nunca saram

Relembradas em gracinhas

Que destroem

Causam dor

Gosto de quem descreve

Meus cabelos em caracóis

Cachos de mel

Curvilhados

Meu cabelo

É minha raça

Minha poesia é meu rugido

Herdada de um leão

Indomado...

Guarde sua opinião

E lembre-se...

Meu cabelo anda armado!!!!


Imagem de Speedy McVroom por Pixabay. 

Inimigos da cor

 

É a pele que urge

por clemência,

hidratação,

bons tratos.

 

Pele surrada,

pela dor,

da escravidão,

superioridade,

intuitiva,

destrutiva!

 

De quem tem menos melanina,

inimigos da cor!

inimigos do sol!

 

São arranhões

profundos,

que ardem a alma...

das chicotadas

que ainda urgem

estrondos dolorosos

em meus ouvidos!

 

É um eco

que atravessa porões...

é o eco

que ultrapassa gerações!

 

São peles sem sol...

que ainda cobram,

uma cota de sol

que minha pele, sem querer,

interiorizou...

 

A inveja melaninosa...

preconceituosa,

do calor,

da cor!

 

 

Mudo

 

Um dia desses

Prometo que mudo

Fico mudo diante

Da dor

Do caos.

 

Uma utopia sonhada

Vida fria

Amargurada...

 

E os sonhos

Que se dissolvem

E escorrem

Lentamente

Pelos vãos

Da insensatez

E da humanidade

Ferida!

 

 

Vozes do além

 

Ouço vozes,

Preocupa -me

Fere-me os ouvidos...

─ Por que não alisa o cabelo?

─ Fica mais bonita com tons nudes.

─ Amarelo não é pra você!

─ Nossa, seu marido é branco?

─ Seu filho é de outra cor?

─ Passou naquele concurso?

─ Tem certeza? Verificou?

─ Você disse? Não me lembro!

─ Fica melhor preso!

─ Se cortar engorda...

─ Com certeza era preto...

─ Como assim, irmãs?

─ Nossa, agora é moda, né?!

─ Cota é discriminação!

─ Sou preto,

Mas sou honesto.

Enquanto isso

A voz ecoa:

─ Não sou racista

É a "liberdade de expressão"...]

 

Minha cor,

Minha identidade,

Não é da sua conta,

Cale-se!

Deixe-me viver!


Imagem de Speedy McVroom por Pixabay. 





Jacinaila Louriana Ferreira é casada, mãe de dois filhos, apaixonada pela família e pela literatura. Possui graduação em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso, pós-graduação em Docência do Ensino Superior, professora efetiva na rede estadual de ensino, SEDUC/MT. Escritora de poesias e contos, faz parte de mais de dezesseis antologias e recentemente participou juntamente com seis escritoras negras mato-grossenses da obra Rasuras Negras, escreveu o livro Mãe e Filha com sua filha Maria Fernanda Ferreira. É autora da obra Nuances. Mestranda em Letras pela UNEMAT/campus de Sinop/MT.

 


Comentários

  1. Estou encantada com tua belíssima inspiração querida poeta. Você me emocionou ao trazer inquietações pertinenteà nossa identidade. Meus aplausos!!!!🤩🤩👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico imensamente feliz! A poesia nos permite transcrever nossas vivências e conhecer pessoas encantadoras. Gratidão.

      Excluir
  2. A poesia de uma Poeta feito Jacinaila é Poesia! Bravo! Aplausos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bernadete querida... seu exemplo nos motiva! Agradeço por todo apoio e carinho, nobre poeta! 📚😊

      Excluir
  3. Fantásticos os poemas, refletem bem o preconceito vivido e ouvido numa pele negra. Sensibilidade , parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sensibilidade do leitor é o que nos move! Obrigada, Adriana.

      Excluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Poemia 01 | Tempo - por Chris Herrmann

Elas me fazem de gata e alpercata | Desfile de meowdas 1 - Publicação coletiva

Coluna 02 | Mulherio das Letras na Lua - ANA ACTO (Portugal)

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Coluna 04 | Mulherio das Letras na Lua - JAMMY SAID (Brasil)

Preta em Traje Branco | Dois Versos Vibrantes de Oyá

Coluna 04 - In-Confidências por Adriana Mayrinck

Façanha Feminina | Sarau na Favela

Coluna 03 | Mulherio das Letras na Lua - CECÍLIA DIAS GOMES (Portugal)