Façanha Feminina | Sarau na Favela

| Coluna 03 |


Conhecendo o Sarau da Favela
por Jeovânia P.

Hoje vamos conhecer o projeto “Sarau na Favela”, idealizado e organizado por Valéria Barbosa.

Primeiro, vamos conhecer um pouco Valéria, ela nasceu na favela da Praia do Pinto, um Quilombo na zona sul do Rio de Janeiro, é mãe, escritora, compositora e canta no coral de Vila Isabel, além disso, se autodenomina uma poeta Marginal. Ela tem quatro livros publicados: “Guerreira”, “Os Grandes Mestres Guardiões da Cidade de Deus_ fazedores de Destino”, “Coração Preso Na cômoda da Incomodada vida” e “200 Gritos por Liberdade”. Está na feitura de uma quinta obra. Participou de várias antologias. E tem lançou três CD’s: “África no Sangue com 18 cantigas”, “Caminhos Abertos, Axé” e “Oceano em Mim”. Portanto, versátil enquanto segui na luta da vida.

O “Sarau na Favela” traz consigo tanto a vivência de uma mulher que nasceu e cresceu na favela, quanto reflete a criação dos novos meios para se produzir arte nos tempos de pandemia. Afinal, o projeto surgiu da necessidade de dar vazão a uma produção literária, que precisava encontrar novas formas de escoar, de chegar ao público mesmo sem sair de casa. E, ao mesmo tempo, reunir artistas de várias favelas, e mostrar o trabalho que eles fazem. Hoje, o sarau vai além, pois tanto os artistas da favela quanto os que não são da favela podem participar dele.

Como diz Valéria, o objetivo do sarau “ultrapassa levar afeto e entretenimento a quem está em seus lares por conta da pandemia, hoje pra mim, é um espaço democrático onde artistas em sua grande maioria de brasileiros tem a oportunidade de mostrar a sua arte e nos encantar, além de ser um espaço de respeito a diversidade cultural do país.”

O “Sarau na Favela” desceu o morro, e abarca uma produção artística variada, abrindo espaço para artistas de diversos lugares, dentro e fora do Brasil. E também, a edição dos saraus é feita intercalando música e poesia, Valéria, que faz todo esse processo de edição comenta que tenta equilibrar a música e poesia frente aos vídeos que vão chegando pra ela compor cada sarau.

Falando sobre os vídeos, eles podem ser feitos por qualquer escritor/a/x ou músico, e enviado para Valéria Barbosa, as pessoas interessadas podem contatá-la através da página do Facebook: Sarau na Favela ou na de Valéria Barbosa.

Já o canal Sarau na Favela está no YouTube, quem quiser conhecer é só entrar em: Sarau na Favela. Aproveita e se inscreve. O canal já conta com mil inscritos, o que demonstra que está alcançando uma boa visibilidade, principalmente por ser um canal voltado para a literatura.

O “Sarau na Favelaé um passarinho ganhando asas, e como nos fala Valéria: “na realidade a princípio e não pensava em divulgação era só um carinho, sanar a saudade, hoje vejo que o Sarau me ensina a fazê-lo assim como as crianças na creche e os idosos me ensinaram, ele me ensina a pensar, a criar e me mostrou que é uma janela para os artistas do Brasil mostrarem o seu trabalho. Está facilitando parcerias, encontros, enfim está aprendendo a ser o Sarau”.


Comentários

  1. Que mulher guerreira e ousada, determinada e forte! Bravo!! Orgulho de mulheres como você Valéria 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Cinco poemas de Jacinaila Louriana Ferreira | "a voz que insiste em gritar"

Poemia 01 | Tempo - por Chris Herrmann

Elas me fazem de gata e alpercata | Desfile de meowdas 1 - Publicação coletiva

Coluna 02 | Mulherio das Letras na Lua - ANA ACTO (Portugal)

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

Coluna 04 | Mulherio das Letras na Lua - JAMMY SAID (Brasil)

Preta em Traje Branco | Dois Versos Vibrantes de Oyá

Coluna 04 - In-Confidências por Adriana Mayrinck

Coluna 03 | Mulherio das Letras na Lua - CECÍLIA DIAS GOMES (Portugal)