Poemia 01 | Tempo - por Chris Herrmann

| coluna 01 |


Estreando esta nova coluna, onde trarei sempre dois poemas autorais e uma imagem artística. Hoje quero falar do tempo...


O tempo

o que me assombra
não é o tempo que perdi
reverenciando inutilidades,
nem a imagem refletida
que tiveram de mim.

me assombra é o tempo,
o que se perdeu na carcaça,
que me fez caça e prisioneiro,
que não mais me serve.

mais ainda me assombra
não é a sombra que eu era,
mas a que ficou vazia e só
nas águas de um tempo ido.



Aquarela de Lu Valença


Muda

nunca tive a certeza das árvores
vi minhas raízes crescerem
nômades, avançar rios, lágrimas
cachoeiras sem eira nem beiras
fazer cabo de força de mim
entre continentes e oceanos

nunca tive a certeza dos troncos
mas a dos trancos e barrancos
das tempestades sem fim

a certeza, eu aprendi
foi com a muda
que teve a planta dos pés
queimada
e as folhas arrancadas
por outonos atrevidos

a muda me ensinou a falar
para sobreviver
à próxima estação

me ensinou também
a ter a certeza
de que tudo
muda.

Comentários

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Mulher Feminista - 16 Poemas Improvisados - Autoras Diversas

200 palavras/2 minicontos - por Lota Moncada

A POESIA FANTÁSTICA DE ROSEANA MURRAY | PROJETO 8M

Nordeste Maravilhoso - Viva as Mulheres Rendeiras!

De vez em quando um conto - Os Casais - por Lia Sena

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Preta em Traje Branco | Cordel reconta: Antonieta de Barros de Joyce Dias

UM TRECHO DO LIVRO "NEM TÃO SOZINHOS ASSIM...", DE ANGELA CARNEIRO | Projeto 8M

Uma resenha de Vanessa Ratton | "Caminho para ver estrelas": leitura necessária para a juventude

Resenha 'afetiva' do livro O VOO DA GUARÁ VERMELHA, de Maria Valéria Rezende