Cinco poemas de Shelly Bhoil (traduzidos por Cláudia Santana Martins) | "No mar dos versos"

 

Fonte: pixabay.com


Cinco poemas de Shelly Bhoil


(traduzidos por Cláudia Santana Martins)

"No mar dos versos"


 Querido poema em construção,

 

Tendo descartado você

incontáveis vezes

temendo que viesse a se tornar

anônimo no mar dos versos

eu finalmente o deixei flutuar

depois de ser beijada

por um pingo de chuva

do céu confuso de hoje

 

                       Atenciosamente

 

 

Anonimato

           

            Como eu gostaria, meu Deus,

            de evaporar até uma nuvem

            chorar muito para o Céu

            e viver o anonimato em teu Oceano!


Fonte: pixabay.com


Criação

 

Água   ca

                  indo

                       na orla das ondas

néctar divino

                         res pingando

                                         em ventre encaracolado

                                         de autoabraço

de onde flui

                             A sua poderosa graça…

 

           

Sentença: prisão perpétua

 

Uma vida sentenciada

palavra a palavra

cuidadosamente

pontuada

após algumas palavras

deliberadamente

para atrasar o ponto final

não de anos


 

Leva-me, meu mentor

 


Leva-me, meu Mentor

 

para além da visão

embaçada pela razão da insensatez

 

até a expressão férrea

no fundo da paixão

 

até o nome

sem a estrutura humana de gênero

 

leva-me

até a fama dos anônimos

em Teu incontável Vazio

 

Fonte: pixabay.com




Shelly Bhoil é da Índia e mora em São Paulo, Brasil. Ela é doutora em Estudos Literários em Inglês, poeta e escritora. Publicou o livro de poesia An Ember from His Pyre (2016) e duas coletâneas de ensaios acadêmicos, New Narratives of Exiled Tibet (Lexington Books, US, 2020) e (com Enrique Galvan Alvarez) Tibetan Subjectivities on Global Stage (Lexington Books, 2018), além de poemas e artigos acadêmicos em várias antologias e revistas. Seus próximos projetos incluem um livro de poesia em português, Preposição de Entendimento pela Editora Urutau, e a primeira coletânea de poesia tibetana no exílio em tradução para o português para os Cadernos de Tradução da Universidade de São Paulo. 

 

Cláudia Santana Martins é doutora em Letras na área de Estudos Linguísticos e Literários em Inglês, pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, na qual ela também fez seu pós-doutorado em Estudos de Tradução. 



Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

A terapia da palavra em quatro poemas da jovem escritora Maria Luiza Brasil

A beleza no humanismo e na denúncia da poesia de Edir Pina de Barros

PodPapo 09 - entrevista com a escritora, editora e coordenadora do Focus Brasil NY Nereide Santa Rosa

Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Divina Leitura | As multiplicidades de "Santuário" de Maya Falks

Quatro poemas de Helenice Faria | Uma poética da resistência

Três poemas de Dayane Soares | Uma poética do tempo e da ancestralidade

Um miniconto de Silviane Ramos | "De que cor ficou?"

Seis poemas de Mara Senna | Ponta de estrela