Um trecho de romance de Sandra Godinho | "Tocaia do Norte"

 




Um trecho de romance de Sandra Godinho


Tocaia do Norte


Sinopse:

A história de Tocaia do Norte é baseada em fatos reais que aconteceram nos meses de outubro e novembro de 1968 no Amazonas e que tratam das circunstâncias misteriosas envolvendo o massacre da expedição do Padre Giovanni Calleri e a matança de quase 3000 índios Waimiris-Atroaris. Em Tocaia do Norte, o padre Chiarelli, pertencente à congregação Missionários da Consolata, foi escolhido pela Funai em 1968 para afastar os índios da área que os militares escolheram para construir a rodovia BR- 174, ligando Manaus a Boa Vista. O religioso, escolhido pelos governantes do Amazonas e Roraima, Funai e DNER para chefiar uma missão de pacificação, leva consigo o seminarista João de Deus, dado à igreja como paga de promessa por seus pais. Durante a expedição, desenreda-se uma trama de anseios políticos e econômicos, em que fica evidente o interesse da elite governante, dos militares do DER e da Funai regional para que o padre fosse sacrificado e assim justificar o massacre de milhares de índios moradores da área que atravancam as obras da estrada. João de Deus escapa do atentado, assim como Paulo Dias, o mateiro encarregado de guiar a expedição (arregimentado pelos militares para guiar a expedição para a armadilha fatal). Ao final da frustrada empreitada, Paulo Dias e João se Deus travam um embate de forças, em que não há ganhadores. Esse livro é também o resgate de uma história real que muitos querem ver esquecida.


**


Prólogo


Às cinco da manhã, a hora do silêncio profundo, eu ainda cambaleava sonolento para o rio sem ter conseguido dormir, com a barriga empachada de novo. Uma névoa encorpada, quase pegajosa, cobria a água gelada. Escorreguei pelo barranco para pegar um pouco do rio escuro nas mãos e molhar o rosto. A ideia de pai e mãe de querer que eu acompanhasse o padre nunca me pareceu mais besta. Se queriam que eu aprendesse alguma coisa era a certeza de que não dava para essa vida.

Tomei um pouco d´água e espertei. Era muito novo para ter arrependimento, mas tinha. Não queria virar comida de bicho. Fui avisado - desde o começo - para não me afastar da expedição, podia ir até o rio tomar água e dar de cara com uma onça. Na mata da região, o que não faltava era bicho grande. Cobra engolindo homem maduro, jacaré arrastando criança ribeirinha na boca para sumir rio acima, sem falar nos peixes enormes ou pequenos, feito o candiru, que entrava pelo canal do mijo e te comia por dentro. Ai de quem tentasse tirar, o bicho abria a barbatana e ficava empacado, sem chance de se mexer. Só médico para abrir. Tudo pai falou. Que tomasse cuidado.

Tomei a picada de volta. O negrume pingando na pele, o céu querendo se rasgar com uma luz suave, o medo cravado no peito, gritando nos poucos fios de barba que despontavam até que ouvi um estampido próximo ao acampamento. Vai ver alguém atirou para afugentar bicho. Não queria dar de cara com nenhum e me apressei para retornar, com as folhas me lambendo a cara. Quando cheguei perto, ainda no meio das folhagens, avistei o padre já levantado da rede, curvado para frente, segurando a barriga, o corpo dobrado como se sentisse dor. 

A primeira ideia que cruzou minha mente era que Chiarelli passava mal que nem eu, uma lógica sem sentido porque o homem podia comer um elefante sem sequer arrotar. Aproximei-me mais um pouco e o notei, caminhando com dificuldade, seguindo em frente pela clareira, possivelmente atrás de algum remédio que o grupo tinha trazido. Ou alcançar o rádio ou despertar os outros expedicionários, foi quando uma flecha o atingiu pelas costas, na altura do ombro esquerdo, fazendo-o dobrar-se ainda mais, caindo com o corpo atravessado sobre a rede. Tudo aconteceu sem eu assentar direito o raciocínio no corpo doente.


https://www.editorapenalux.com.br/loja/tocaia-do-norte


Sandra Godinho, nascida a 27/07/1960 em São Paulo, é graduada e Mestre em Letras. Já participou de várias coletâneas de contos, sendo agraciada com alguns prêmios. Publicou O Poder da Fé (2016), Olho a Olho com a Medusa (2017), Orelha Lavada, Infância Roubada (2018), agraciado com Menção Honrosa no 60º Prêmio Literário Casa de Las Américas (2019) e semifinalista do Prêmio Guarulhos de Literatura (Escritor do ano 2019), O Verso do Reverso (2019), Prêmio de Melhor Conto Regional da Cidade de Manaus de 2019, Segredos e Mentiras (inédito), semifinalista no Prêmio Uirapuru 2019, Terra da Promissão (2019) e As Três Faces da Sombra (2020) e Tocaia do Norte (2020).





Comentários

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Machismo estrutural | Quando a imprensa também exclui as mulheres

Uma resenha de Marta Cocco | "Uma Diva na passarela estreita do Jabuti"

Um poema de Mar Becker | "à parte do reino"

Uma série pictórica de Neide Silva | Flores do Cerrado

Yedda Maria Teixeira | o prêmio da arte de amar

A poética que roça os sentidos | Banquete poético

Cinco poemas de Tatiane Silva Santos | "No sonho"

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

De Prosa & Arte| Nosso Corpo não é Bagunça!

IX Tertúlia Virtual | Vozes e Olhares de uma Poética do Feminino