Um conto de Marithê Azevedo | "Céu Escuro"

 

Fonte: pixabay.com


Um conto de Marithê Azevedo

Céu Escuro*


Hoje, os pássaros não cantaram ao amanhecer.  

Não se ouviu, hoje, aquela folia de trinados orquestrados pelo acaso, que me acorda todos os dias, assim que o sol nasce.  Ouço apenas o barulho do caminhão-pipa passando pela rua de cima. E tosses na vizinhança, uma aqui, outra lá, duas ao mesmo tempo. 

Meus olhos ardem e o colírio não resolve.

Saí lá fora para ver o que estava acontecendo. Já eram sete horas da manhã e ainda estava escuro. Ninguém na rua, a não ser a ambulância do SAMU que parou em frente à casa da Dona Eulália. Parece que estão levando alguém.

Uma fumaça  densa e escura invade a cidade, como uma cerração  impedindo a entrada da luz do sol. Entro em casa e tento ligar a televisão para ver as notícias. Está sem energia. Pego o celular. Está sem bateria.

Um cheiro forte de carne queimada adentra o desvão da casa e empesteia tudo. 

As luzes dos postes continuam acessas e a escuridão permanece. 

No jornal, me escalaram para cobrir o estrago nas redondezas. Que fogo é este que espalha sua fumaça pelas cidades e impregna o ar com cheiro de carne queimada?

No caminho, a devastação já se anunciava.  Antas, capivaras, tatus, iguanas,  onças e jacarés carbonizados se amontoavam ao longo de um imenso mar de carvão e cinzas.  Restos de penas brancas de uma garça se misturam ao pó. Da pousada, não sobrou nada, só o lugar onde ela existiu. Ao longe, algumas pessoas tentam salvar os animais mutilados que sobraram. Não reconheci mais aquele espaço, que costumava freqüentar em fins de semana. E olhando   agora não me recordo direito o lugar das coisas. Só sei que eram muitas as árvores. E o ruído das águas? Apenas um fogo implacável que teima em ficar e que os bombeiros e voluntários tentam, em vão, contê-lo. Olho para a estrada e parece que ela não vai mais para lugar nenhum. Alguns fiapos de cinzas lentas voam na superfície carbonizada. Uma fumacinha vagando tonta parece soltar um último suspiro.

Naquele instante, tive a sensação de estar no inferno e eu nem sabia que era tão próximo e nem que era obra do ser chamado “humano”, espécie a que faço parte e que vive no planeta terra.


* Conto escrito em 2019.


Fonte: pixabay.com



Marithê Azevedo é doutora em Artes Cênicas pela USP na linha de literatura dramática. Roteirista, cineasta e propositora de poéticas urbanas. Nasceu em Alfenas/MG, habitou as cidades de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo e atualmente habita a cidade de Cuiabá/MT. Entre os filmes curtos de ficção que realizou, estão: A noite nossa de cada dia, Traquitotem e Licor de Pequi. Entre os documentários, Memórias Clandestinas, prêmio de melhor documentário brasileiro no Femina, e As cores que habitamos, em finalização.



Comentários

  1. Marithe é duzentos Tanto quanto ser humano É como profissional de todas as áreas que atua MT se enriquece com sua vivencia aqui E nós por ter ela na nossa.vida

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Divanize pela publicação. Estava com ele entalado no coração. Parece que publicar alivia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

PUBLICAÇÕES MAIS VISITADAS DA SEMANA

Divina Leitura | O mito da beleza por Naomi Wolf e suas consequências para a vida das mulheres contemporâneas

Era uma vez 11 I Literatura infantil inclusiva da brasiliense Alessandra Alexandria

Improvisos & Arquivos | árvore/poemas - publicação coletiva

Cinco poemas de Eva Potiguar | Uma poética de raízes imersas

Cinco poemas de Angela Dondoni | "Transmutar"

Tertúlia Virtual | uma ideia genial de Marta Cortezão

Resenha do livro infantojuvenil A ÚLTIMA FOLHA, de Adriana Barretta Almeida

Uma crônica de Guiniver | "Essenciais e Perfumados"

Um conto de Carmen Moreno | "Dora"

Três poemas de Maria Cleunice Fantinati da Silva | "Intensa(mente) temperamental"